27 C
Rio de Janeiro

Denúncias de racismo estrutural e ambiental são destaque entre os finalistas do Prêmio Megafone de Ativismo

Mais lidas

eco21
eco21https://eco21.eco.br
Nossa missão é semear informação ambiental de qualidade.

O projeto Negro Muro, que visa transformar as ruas da cidade em uma galeria de arte a céu aberto para trazer representatividade e resistência aos homens e mulheres negros e negras, o filme e os desabafos da categoria Cidadão Indignado – que denunciam o racismo e o racismo ambiental, que foi abordado em mais de um desabafo – são alguns dos finalistas do Prêmio Megafone de Ativismo que denunciaram, em 2022, o preconceito racial no Brasil. A marcha contra o assassinato do congolês Moïse Kabagambe e a foto de uma frase sobre a violência policial escrita no dorso de um homem que participou dessa manifestação também concorrem ao Prêmio. Outro finalista – o filme Onde Aprendo a Falar com o Vento, que mostra um grupo de jovens de Oliveira, MG, aprendendo sobre sua história e a história de seus antepassados a partir do Reinado, uma tradição afro-diaspórica – aborda as questões da memória e da identidade. Anielle Franco, Ministra da Igualdade Racial, diretora do Instituto Marielle Franco (de quem é irmã) e uma das mulheres do ano segundo a revista Time, é uma das finalistas na categoria Megafone do Ano. Os premiados serão revelados a partir de 10 de abril pelas redes sociais em vídeos protagonizados pela atriz e humorista Nathalia Cruz e receberão um troféu, que é também uma obra de arte feita pelo artivista Mundano.

Uma das características do Prêmio Megafone de Ativismo é mostrar quais foram as questões que mais movimentaram a sociedade no ano passado por meio das ações escolhidas como finalistas em suas 14 categorias. Na primeira edição, os finalistas traduziam o cenário gerado pela pandemia da Covid19 e questões socioambientais. Nesta segunda edição, a democracia marcou presença, junto com temas relacionados a direitos humanos, tais como violência contra a mulher, discriminação racial, desigualdade social e justiça climática. Houve um aumento de 20% nas inscrições, que vieram de todas as regiões do Brasil, com destaque para as regiões norte e nordeste, que juntas representam 45% das inscrições.

“A segunda edição do Prêmio Megafone ampliou a diversidade de temas e impressiona pela qualidade e criatividade das ações. Também é marcante a maior presença de mulheres e jovens entre os inscritos e os finalistas”, detalha Digo Amazonas, do Megafone Ativismo, organização responsável pelo prêmio, junto a uma coalizão formada por Greenpeace Brasil, Pimp My Carroça, WWF Brasil, Engajamundo, Instituto Socioambiental e Sumaúma.

Na categoria Cidadão Indignado, 80% dos finalistas são das regiões Norte e Nordeste, que respondem também por 60% dos finalistas nas categorias Ação Direta e Jovem Ativista. Nesta última, todas as finalistas são mulheres. Na categoria Cidadão Indignado, todos os finalistas são negros.

Confira a seguir as categorias e os finalistas:

Megafone do Ano: esta categoria é de indicações diretas do júri, sem inscrições do público. Este ano, concorrem ao prêmio Txai Suruí, fundadora do Movimento da Juventude Indígena de Rondônia, e uma das mais influentes vozes do movimento indígena brasileiro; Paulo Galo, fundador do movimento Entregadores Antifascistas, que teve papel determinante para dar visibilidade às condições degradantes de trabalho dos motoboys; Anielle Franco, Ministra da Igualdade Racial, diretora do Instituto Marielle Franco (de quem é irmã) e uma das mulheres do ano segundo a revista Time; Rita Von Hunty, persona criada por Guilherme Terreri Lima Pereira – um professor, ator, influenciador e drag queen; e Richarlison – jogador de futebol profissional brasileiro engajado em diversas causas sociais e ambientais.

Ação direta: esta categoria destaca ações ativistas presenciais e diretas, ou seja, que ocupem algum espaço para uma denúncia ou para impedir uma injustiça, por exemplo. Mais da metade (60%) dos finalistas são das regiões Norte e Nordeste. Um deles é o ato em defesa do rio Arapiuns (PA) feito nas

águas, com pequenos barcos comuns na região, chamados de rabetas – uma iniciativa do coletivo de jovens do PAE Lago Grande. A série de manifestações em todo o Brasil por ocasião dos 26 anos do massacre em Eldorado dos Carajás, organizada pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra (MST), também concorre ao prêmio desta categoria, assim como a manifestação contra o genocídio dos Yanomamis ocorrida em Boa Vista, Roraima, do Levante Popular Roraima. Um memorial pelas vítimas da covid, instalado pela Associação de Vítimas e Familiares de Vítimas da Covid19, e uma intervenção artística em defesa da democracia, do Coletivo Nós Artivistas, ambos na cidade de São Paulo, também concorrem ao Megafone de Ação Direta.

Arte de rua: abrange grafite, lambe-lambe, intervenção, performance, projeção em vídeo ou qualquer outra linguagem artística que tenha acontecido na rua. Nesta categoria, 40% dos finalistas são mulheres e 50% são das regiões Norte e Nordeste. Entre eles, está o Circuito Urbano de Arte, um dos maiores festivais de arte pública do Brasil. Outro finalista é o projeto Negro Muro, que visa transformar as ruas da cidade em uma galeria de arte a céu aberto para trazer representatividade e resistência aos homens e mulheres negros e negras. Em Manaus, ativistas substituíram muros e paredes por árvores: percorrendo o rio Negro com um barco equipado com projetores, o Projeta Amazônia projetou nas copas algumas obras de artistas do Amazonas. Em Belém (PA), o destaque foi um grafite do artivista @euhgabz no muro de um canal em um bairro da periferia, mostrando um menino morador de rua dormindo ao relento e coberto por um farrapo do que foi a bandeira do Brasil.

Cartaz: 60% dos finalistas desta categoria são mulheres. Entre os temas abordados pelas obras estão o assassinato do ambientalista Bruno Pereira e do jornalista Dom Phillips, de @crisvector; o pedido para derrubada do veto à Lei Paulo Gustavo, de @alex_frechette; a denúncia contra assassinatos na Amazônia, por @aquarelistaeu e foto em ato de @rafaelfernandooficial; a denúncia dos índices de violência contra as mulheres, de @helenna.castro; além de uma performance protestando contra falas e posicionamentos do ex-presidente; do @xrsaopaulo.

Cidadão indignado: categoria criada para dar visibilidade a desabafos indignados abordando alguma realidade social ou socioambiental brasileira. Pode ser presencial ou nas redes sociais, em vídeo, áudio ou outro formato. Houve desabafos clássicos, poéticos e até silenciosos. Todos os finalistas desta categoria são negros, 80% são das regiões Norte e Nordeste e 80% são mulheres. Os desabafos abordam questões como o racismo, por Laura Sito, primeira deputada negra do Rio Grande do Sul, e o racismo ambiental, por Dona Lurdinha @dona_lurdinha_de_acupe. Este último tema foi abordado também por por Neide Vieira @ayravieira_12 no Slam Do Gheto @saraudogheto em seu desabafo. Outros temas abordados foram a desigualdade social no Diário De Um Favelado, Um Desabafo Poético por Helton Borges @helton_borges e produção audiovisual de Jasf @jasf.osagentes; e a defesa da educação, por Leny Moraes @alquimistica_amazonica.

Documentário: categoria com 60% de mulheres entre os finalistas. Quase metade deles (40%) é das regiões Norte e Nordeste. Entre as obras que concorrem ao Prêmio Megafone de melhor documentário ativista estão O Território, dirigido por Alex Pritz, sobre a invasão de terras indígenas em Rondônia; Onde Aprendo a Falar com o Vento, dirigido por André Anastácio e Victor Dias, que mostra um grupo de jovens de Oliveira, MG, aprendendo sobre sua história e a história de seus antepassados a partir do Reinado, uma tradição afro-diaspórica; O Formigueiro, dirigido por Bruna Provazi e Tica Moreno, sobre o movimento feminista no Brasil; Agachados, produção da Amazônia Real sobre as enchentes do rio Negro, o racismo ambiental e a crise climática; e DAMAS.doc, dirigido por Carmen Lopes, que revela a história de quatro mulheres trans no país que mais mata pessoas LGBTQIAP+ no mundo.

Foto: pode ser jornalística ou amadora e deve retratar alguma realidade social ou socioambiental brasileira. Entre os finalistas está a imagem que retrata a indignação de passageiros do ônibus contra manifestantes do 7 de setembro, por Lola Ferreira; o registro, durante uma das manifestações políticas do ano passado, de um morador de rua segurando uma revista onde se lê “entre nós, você vem

primeiro”, de @ale.alexandrepg; também em uma manifestação – desta vez, contra o assassinato do congolês Moïse Kabagambe – a frase escrita no dorso de um homem sobre a violência policial, por @cidadecinza23; representando a luta pela demarcação da terra indígena da aldeia Maracanã, na cidade do Rio de Janeiro, a imagem do cacique Urutau Guajajara por @margemdorio; e as mãos estendidas de um animal em cativeiro, denunciando maus tratos aos animais no Parque 13 de Maio, em Recife, por @lucas_emanuel.

Jovem ativista: todas as finalistas desta categoria são mulheres: Vitória Rodrigues, mulher negra periférica; Bia Caminha, jovem negra, bissexual e feminista, foi a vereadora mais jovem eleita em Belém (PA); Beka Munduruku, ativista indígena que usa a comunicação para denunciar os impactos do garimpo; Jahzara Oná, jovem ativista socioambiental da periferia de São Paulo; e Raiara Barros, ativista de Xapuri, no Acre, cidade de Chico Mendes.

Marcha ou manifestação de rua: democracia e direitos humanos dominaram esta categoria, da qual são finalistas a marcha contra o assassinato do congolês Moïse Kabagambe no Rio de Janeiro, o bloco feminista no 8 de março em São Paulo, a ocupação de lideranças indígenas pela demarcação de seus territórios no Acre e o ato em defesa dos povos indígenas no X Fórum Social Pan-amazônico, em Belém. Também concorre ao prêmio Megafone nesta categoria a “carrinhata” de mães em defesa da democracia em nome de seus filhos.

Música ou clipe: os finalistas desta categoria abordaram diversos temas, como as eleições (“Tá na Hora do Jair”), a exclusão das populações locais dos planos para a Ilha de Marajó, a necessidade de ações contra-coloniais para valorizar a memória e a existência dos povos originários; uma suíte popular, divida em três parte (o samba, o transe e o jazz), sobre o êxodo rural e a violência urbana; e uma homenagem à Nossa Senhora de Nazaré que une cultura, ativismo e fé.

Meme: eleições e política são os temas da maioria dos memes selecionados como finalistas nesta categoria do Prêmio Megafone: a dublagem das bolsonaristas em jogral, o patriota do caminhão e a sátira política usando técnicas de tik-tokers. Mas a denúncia, pelo bom humor, da homofobia na Copa do Mundo também está entre os finalistas desta categoria.

Perfil de rede social: entre as pessoas que melhor usarem seus perfis de redes sociais em defesa de causas no ano passado estão Felipe Neto, Samela Sateré Mawé, Thaís Trindade – a Artivistha, Thiago Ávila e Thallita Flor. De diferentes regiões, eles se dedicaram a expor temas distintos, como política, direitos indígenas, questões socioambientais, a arte como instrumento de transformação social e alimentação.

Reportagem: entre os finalistas estão duas reportagens que expõem questões ambientais: o GuiaAmazônia Legal e o Futuro do Brasil, do Sinal de Fumaça, que denuncia o impacto ambiental do último governo nos 9 estados que compõem a região; e a série de quatro reportagens da Eco Nordeste que abordam impactos socioambientais causados por termelétricas fósseis nos estados do Maranhão, Sergipe e Ceará. Outra finalista é a reportagem em quadrinhos da Revista Badaró sobre as constantes violações de direitos do povo guarani-kaiowá em Mato Grosso do Sul. Também concorrem ao prêmio dois podcasts: Medo e Delírio em Brasília, que junta jornalismo e humor para comentar fatos políticos e o Radinho Brasil de Fato, podcast jornalístico voltado ao público infantil que trata temas da atualidade com foco em direitos humanos.

Notícias relacionadas

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Últimas notícias

- Advertisement -spot_img