19.8 C
Rio de Janeiro
spot_imgspot_imgspot_img
spot_img

Desajeitado, mas encantador: o mini-sapo brasileiro que seduz cientistas

Mais lidas

eco21
eco21https://eco21.eco.br
Nossa missão é semear informação ambiental de qualidade.

Márcia Régis | Redação Eco21 |

Um acidente evolutivo tornou uma diminuta espécie de sapo do Brasil incapaz de saltar como fazem a maioria dos anfíbios. 

Sapos são capazes de pular por causa da combinação de fluido e penugem encontrados no ouvido interno, os quais auxiliam o cérebro de vertebrados a interpretar a posição do indivíduo no espaço e gerar o senso de equilíbrio. Apesar desse mecanismo ter evoluído a milhares de anos, algumas espécies não fazem mais bom uso dele. 

É o que aconteceu com os sapos-abóbora, da especie Brachycephalus ferruginus, aqui no Brasil. O ouvido interno deles evoluiu para um tamanho tão diminuto que perdeu espaço suficiente para o sinal vestibular que mantem os anfíbios equilibrados no momento em que saltam no espaço. 

A constatação foi divulgada em junho por cientistas na revista Science Advances. 

Algumas espécies congelam o movimento quando saltam para fugir de predadores, a fim de dar a ilusão de serem uma folha voando. Depois, os sapos se mantem imóveis após aterrissarem. Mas, os cientistas observaram que isso não é o que acontece com os Brachycephalus. Embora os sapinhos não fiquem em pé rapidamente, eles se movem assim que alcançam o solo, como vemos nesse video. Mais ainda, os Brachycephalus são bastante coloridos e não possuem a camuflagem similar a folhas, o que indica que o jeito desajeitado de saltar tem mais relação com a falta de equilíbrio do que com uma estratégia para evitar os predadores.

Notícias relacionadas

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Últimas notícias

- Publicidade -spot_img