23 C
Rio de Janeiro

O aumento da demanda de eletricidade está colocando os sistemas de energia sob pressão em todo o mundo

Mais lidas

eco21
eco21https://eco21.eco.br
Nossa missão é semear informação ambiental de qualidade.

O rápido aumento da demanda em 2021 empurra os preços e a emissão de energia para níveis recordes, com sérias implicações para consumidores, economias e transições energéticas limpas

A demanda global de eletricidade aumentou em 2021, criando tensões nos principais mercados, e se empurrando os preços para níveis sem precedentes e levando as emissões do setor elétrico a um nível recorde. A eletricidade é central para a vida moderna e a eletricidade limpa é fundamental para as transições energéticas, mas na ausência de mudanças estruturais mais rápidas no setor, o aumento da demanda nos próximos três anos pode resultar em volatilidade adicional do mercado e emissões contínuas altas, de acordo com um relatório da AIE divulgado 14 de janeiro de 2021.  

Impulsionado pela rápida recuperação econômica e condições climáticas mais extremas do que em 2020, incluindo um inverno mais frio que a média, o aumento de 6% na demanda global de eletricidade no ano passado foi o maior em termos percentuais desde 2010, quando o mundo estava se recuperando da crise financeira global. Em termos absolutos, o aumento do ano passado de mais de 1.500 terawatt-hora foi o maior de todos os tempos, de acordo com a edição de janeiro de 2022 do Relatório semestral de Mercado de Eletricidade da AIE. 

O aumento acentuado da demanda superou a capacidade das fontes de fornecimento de eletricidade de manter o ritmo em alguns dos principais mercados, com escassez de gás natural e carvão levando a preços voláteis, destruição da demanda e efeitos negativos sobre geradores de energia, varejistas e usuários finais, notadamente na China, Europa e Índia. Cerca de metade do crescimento global da demanda de eletricidade no ano passado ocorreu na China, onde a demanda cresceu cerca de 10%. China e Índia sofreram cortes de energia em certos pontos no segundo semestre do ano devido à escassez de carvão. 

“Aumentos acentuados nos preços da eletricidade nos últimos tempos têm causado dificuldades para muitas famílias e empresas em todo o mundo e correm o risco de se tornar um motor das tensões sociais e políticas”, disse o diretor executivo da AIE, Fatih Birol. “Os formuladores de políticas devem agir agora para amenizar os impactos sobre os mais vulneráveis e para abordar as causas subjacentes. Um maior investimento em tecnologias de energia de baixo carbono, incluindo nas energias renováveis, na eficiência energética e energia nuclear – ao lado de uma expansão de redes elétricas robustas e inteligentes – pode nos ajudar a superar as dificuldades atuais.” 

O índice de preços da AIE para os principais mercados atacadistas de eletricidade quase dobrou em relação a 2020 e subiu 64% em relação à média 2016-2020. Na Europa, os preços médios de eletricidade no atacado no quarto trimestre de 2021 foram mais de quatro vezes a média de 2015-2020.  Além da Europa, também houve aumentos acentuados de preços no Japão e na Índia, enquanto eles foram mais moderados nos Estados Unidos, onde o fornecimento de gás foi menos perturbado. 

A eletricidade produzida a partir de fontes renováveis cresceu 6% em 2021, mas não foi suficiente para acompanhar a demanda galopante. A geração a carvão cresceu 9%, atendendo a mais da metade do aumento da demanda e atingindo um novo pico de todos os tempos, já que os altos preços do gás natural levaram à troca de gás para carvão. A geração a gás cresceu 2%, enquanto a nuclear aumentou 3,5%, quase atingindo seus níveis de 2019. No total, as emissões de dióxido de carbono (CO2) da geração de energia aumentaram 7%, atingindo também um recorde, depois de terem diminuído os dois anos anteriores. 

“As emissões de eletricidade precisam diminuir 55% até 2030 para atender às nossas Emissões Zero Líquidas até 2050, mas na ausência de grandes ações políticas dos governos, essas emissões devem permanecer no mesmo nível pelos próximos três anos”, disse o Dr. Birol. “Isso não só destaca o quão longe da pista estamos atualmente de um caminho para as emissões líquidas zero até 2050, mas também ressalta as mudanças maciças necessárias para que o setor elétrico cumpra seu papel crítico na descarbonização do sistema energético mais amplo.” 

Para 2022-2024, o relatório prevê que a demanda de eletricidade cresça 2,7% ao ano em média, embora a pandemia Covid-19 e os altos preços da energia tragam alguma incerteza para essa perspectiva. As renováveis devem crescer em média 8% ao ano, atendendo a mais de 90% do crescimento da demanda líquida durante este período. Esperamos que a geração nuclear cresça 1% ao ano durante o mesmo período. 

Como consequência da desaceleração do crescimento da demanda  de eletricidade  e de adições significativas de renováveis, a geração baseada em combustíveis fósseis deve estagnar nos  próximos anos, com a geração a carvão caindo ligeiramente como eliminações e diminuição da  competitividade nos Estados Unidos e na Europa são equilibradas pelo crescimento em mercados  como China e Índia. A geração a gás é  vista  crescendo cerca de  1%  ao ano. 

Sobre a AIE

A Agência Internacional de Energia, a autoridade global de energia, foi fundada em 1974 para ajudar seus países membros a coordenar uma resposta coletiva às grandes interrupções no fornecimento de petróleo. Sua missão evoluiu e repousa hoje em três pilares principais: trabalhar para garantir a segurança energética global; expansão da cooperação energética e do diálogo em todo o mundo; e promover um futuro energético ambientalmente sustentável. 

18 DE JANEIRO 2022

Notícias relacionadas

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Últimas notícias

- Publicidade -spot_img