21 C
Rio de Janeiro
spot_imgspot_img
spot_imgspot_img

IPCC divulga relatório com foco na mitigação dos efeitos da crise climática

Mais lidas

eco21
eco21https://eco21.eco.br
Nossa missão é semear informação ambiental de qualidade.

GREENPEACE BRASIL

Foi divulgada hoje a terceira parte do relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC). Com foco na mitigação das mudanças climáticas, o documento declara que existem soluções práticas que poderiam ser implementadas para garantir o cumprimento do Acordo de Paris (1,5°C até 2030). No entanto, as soluções não se concretizarão com as políticas atuais dos governos, que estão nos conduzindo para o fracasso. Vivemos anos decisivos para reduzir pela metade as emissões globais e definir o rumo para zero.

“O relatório de mitigação do IPCC mostra que já temos os caminhos para o combate à crise climática e que eles passam, para além de soluções tecnológicas, por soluções políticas. Ainda, aponta que a descarbonização do sistema de produção e consumo global depende de um conceito fundamental: Justiça Climática. Sem o enfrentamento e correção das desigualdades históricas, tanto entre países quanto entre povos, classes, raças, gêneros, territórios, entre outras, não haverá saída efetiva para essa crise”, declara Marcelo Laterman, porta-voz de Clima e Justiça do Greenpeace Brasil.

Os dois primeiros relatórios divulgados examinaram as causas e os impactos das mudanças climáticas. No primeiro, os cientistas trouxeram informações sobre a base física das mudanças climáticas passadas, presentes e futuras, e afirmaram ser inequívoca a influência das emissões humanas sobre o clima do planeta. Já na segunda parte do relatório, divulgada em fevereiro, o IPCC confirmou o que já estamos testemunhando e vivenciando: os eventos extremos climáticos estão aparecendo mais rapidamente e se agravarão mais cedo do que previa a ciência e, inclusive, alguns impactos já são irreversíveis. Portanto, precisamos ser mais rápidos e mais ambiciosos nas ações e soluções também.


A crise climática já é realidade e está destruindo vidas, meios de subsistência, biodiversidade, comunidades e culturas no Brasil e no mundo. Os recentes eventos extremos são de natureza sem precedentes no contexto de toda a história humana, os riscos estão aparecendo mais rapidamente e se tornarão cada vez mais graves. De ondas de calor e incêndios florestais a inundações, secas e furacões, ninguém deixará de sentir as consequências.

De acordo com o IPCC, existem soluções para pelo menos reduzir pela metade as emissões globais de gases de efeito estufa até 2030 e cumprir a meta do Acordo de Paris de frear o aquecimento global a 1,5°C, o que limitaria substancialmente os danos, riscos e perdas futuras.

O relatório de hoje confirma que os planos e políticas climáticas dos países não estão alinhados com o limite de aquecimento e segue aumentando a desigualdade e impactando principalmente comunidades já historicamente vulnerabilizadas pelo Estado. No Brasil, apenas sete estados (PE, MG, SP, AC, TO, RS e GO) possuem planos de adaptação ao clima e, mesmo nesses casos, faltam ações efetivas, com orçamento garantido para medidas de adaptação e perdas e danos às populações impactadas. Além disso, o planejamento conta com pouca presença de representantes de áreas mais vulneráveis ​​a eventos extremos e da sociedade civil, o que revela a falta de diálogo por parte do poder público.

04 de abril 2022

- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

Notícias relacionadas

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Últimas notícias

- Publicidade -spot_img