18 C
Rio de Janeiro
spot_imgspot_img
- Publicidade -spot_img

Transição Energética Vital para o Futuro Econômico da África

Mais lidas

eco21
eco21https://eco21.eco.br
Nossa missão é semear informação ambiental de qualidade.

Relatório sugere a necessidade de uma estrutura política abrangente para um Acordo Verde Africano para ultrapassar as dependências estruturais, aumentar o PIB até 6,4% e criar 26 milhões de empregos até 2050

Uma estrutura política integrada construída em torno da transição energética pode trazer uma onda de novos investimentos em energias sustentáveis para a África, fazendo a economia da região crescer até 6,4 por cento até 2050, revelaram resultados de uma análise publicada dia 14 de janeiro de 2022 pela Agência Internacional para as Energias Renováveis (IRENA) em colaboração com o Banco Africano de Desenvolvimento (AfDB).

O relatório, ” Renewable Energy Market Analysis: Africa and Its Regions,” (“ Análise do Mercado de Energias Renováveis: África e suas Regiões ”) mostra que a África está prosperando significativamente desde o desenvolvimento acionado pelas energias renováveis, enquanto melhora consideravelmente o acesso energético e proporciona um profundo bem estar e benefícios ambientais às pessoas em todo continente.

Sua visão para uma transição energética na África, alinhada com a ambição climática global, mostra que o continente pode gerar 26 milhões de empregos a mais do que no cenário de referência até 2050. Os empregos criados através da transição energética em África compensariam as perdas dos empregos relacionados com os combustíveis fósseis, em um fator de quatro vezes, apresentando um ganho líquido significativo às economias regionais. Em torno de dois milhões de pessoas trabalham atualmente na indústria dos combustíveis fósseis na África.

“ Muitas vezes, é solicitado aos governos africanos e populações que usem os combustíveis fósseis não sustentáveis para alimentarem seu desenvolvimento quando as soluções de energias renováveis e eficácia energética oferecem alternativas economicamente atrativas e socialmente benéficas,” disse Francesco La Camera. “ A transição oferece uma oportunidade única para a África cumprir seus imperativos de desenvolvimento.  Através de pacotes políticos customizados, os países africanos podem potencializar suas forças e recursos para ultrapassarem dependências estruturais estabelecidas há muito tempo. ”

“ A África foi abençoada com recursos energéticos renováveis abundantes, nos quais pode basear sustentavelmente seu desenvolvimento socieconômico ambicioso.  Entretanto, isso requer um forte compromisso político, uma estrutura de transição energética justa e igualitária e investimentos massivos. O Banco Africano de Desenvolvimento está engajado a suportar a transição energética do continente, facilitando maiores investimentos no setor privado, através de sua gama em expansão de instrumentos financeiros verdes, incluindo o Fundo de Energias Sustentáveis para a África,” afirmou o Dr. Kevin Kariuki, do Banco Africano de Desenvolvimento, Vice-Presidente de Eletricidade, Energia, Clima e Crescimento Verde.

O carvão, o gás natural e o petróleo em conjunto contam para aproximadamente 70 por cento da geração elétrica total da África atualmente e a eletricidade convencional atrai muito mais financiamento que as energias renováveis em África, isso se deve a um processo estabelecido que favorece uma geração térmica menos consumidora de capital, destaca o relatório. O financiamento da transição energética deve se tornar acessível mais rapidamente. Em particular, esforços coordenados devem ser realizados para garantir que os gastos públicos – o setor dominante do financiamento da transição energética na África – prioriza claramente as energias renováveis.

Dos 2,8 trilhões investidos nas renováveis globalmente entre 2000 e 2020, somente dois por cento foram para África, apesar do enorme potencial de energias renováveis do continente e de sua necessidade de trazer energia moderna a bilhões de cidadãos que ainda não conseguem acessá-la. Embora a taxa de acesso à energia na África Subsariana tenha aumentado dos 33 para os 46 por cento na última década, o rápido crescimento populacional significou que 570 milhões de pessoas ainda não tinham acesso à eletricidade em 2019 – 20 milhões a mais que há 10 anos atrás.

“ Permitir que os países africanos, que pouco contribuíram para as emissões de gases de efeito de estufa registradas, se desenvolvam, enquanto se reconhece a necessidade de resolução da emergência climática, é imperativo,” afirmou o Diretor-Geral La Camera. “ A cooperação internacional, incluindo a cooperação Sul-Sul, será chave para a mobilização de recursos e know-how à escala e velocidade proporcional às necessidades das economias africanas, a sua comunidades e a seus habitantes. ”

Para acessar o relatório, clique aqui.

Abu Dhabi, EAU, 20 de janeiro de 2022

- Publicidade -spot_img

Notícias relacionadas

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

- Advertisement -spot_img

Últimas notícias

- Publicidade -spot_img