29 C
Rio de Janeiro

Polícia Federal na COP28

Mais lidas

eco21
eco21https://eco21.eco.br
Nossa missão é semear informação ambiental de qualidade.

Jorge Pontes |

A Polícia Federal definitivamente subiu o sarrafo na repressão aos crimes ambientais. Nessa primeira quinzena de novembro, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) aprovou 318 milhões de reais do Fundo Amazônia para a elaboração e execução de um complexo projeto de segurança que combaterá o desmatamento e diversos outros delitos ambientais nas nossas florestas tropicais. 

A iniciativa, que prevê aquisição de equipamentos como helicópteros e embarcações, o desenvolvimento de atividades de inteligência, além da criação de um Centro Internacional de Cooperação Policial em Manaus, será macro-gerenciada pela Diretoria da Amazônia e Meio Ambiente – Damaz, da Polícia Federal, que em menos de um ano de atividades já obteve grandes êxitos na sua missão de conter a delinquência ambiental nos biomas brasileiros.

O desmatamento das nossas coberturas florestais já caiu para a metade em 2023, e nos encontramos nesse momento com a taxa mais baixa desde o ano de 2018. Ainda falta muito para a meta de desmatamento zero, que foi prometida pelo presidente Lula para o ano de 2030. 

Uma outra boa notícia é que o diretor da Damaz, delegado Humberto Freire, está a caminho da Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP28), que ocorrerá em Dubai, onde também comparecerá a nossa ministra do Meio Ambiente, Marina Silva. A presença do delegado no evento é um sinal inequívoco da relevância que o trabalho da PF guarda em relação ao enfrentamento das ameaças climáticas. 

O mundo já percebe com meridiana clareza a interconectividade dos eventos criminosos com os cataclismas ambientais. É o que o professor alemão Christoph Burchard, da Goethe University de Frankfurt, chama de “planetary crime”, o delito planetário, cujas consequências poderão ser sentidas globalmente.

Então, reduzir significativamente o desflorestamento da Amazônia é instrumental para arrefecer o aquecimento global. O que fazemos (ou deixamos de fazer) por aqui impactará inexoravelmente os quatro cantos do planeta. 

Enfim, as árvores poupadas na Amazônia brasileira poderão, grosso modo, ajudar a prolongar a existência do cume nevado do Monte Kilimanjaro, majestoso símbolo da África, continente mãe da humanidade.

Jorge Pontes

Jorge Pontes | Delegado da Polícia Federal que idealizou e instalou a unidade de repressão aos crimes ambientais na instituição. É autor do livro Guerreiros da Natureza – A História do Combate aos Crimes Ambientais na Polícia Federal

Notícias relacionadas

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Últimas notícias

- Advertisement -spot_img