21 C
Rio de Janeiro

Nada a comemorar – por aqui – no Dia Mundial do Meio Ambiente

Mais lidas

eco21
eco21https://eco21.eco.br
Nossa missão é semear informação ambiental de qualidade.

A recente – e ainda atual – tragédia ambiental do Rio Grande do Sul não nos permite baixar a guarda por um segundo sequer

* Por Jorge Pontes

Com a proximidade do 5 de junho, Dia Mundial do Meio Ambiente, percebemos que há muito mais a alertar, avisar, advertir e despertar, do que propriamente a comemorar nessa data tão significativa para a humanidade.

A recente – e ainda atual – tragédia ambiental do Rio Grande do Sul não nos permite baixar a guarda por um segundo sequer. Os gaúchos já enfrentam um “dia-seguinte” que certamente durará alguns anos….

E o desastre que atingiu o Sul não foi apenas ambiental, mas teve raízes sociais e, sobretudo, culturais. Nosso povo e, consequentemente, a nossa classe política, têm uma enorme dificuldade para absorver a real gravidade das ameaças climáticas. O momento atual, de profunda polarização, atrapalha ainda mais o que já era complicado, pois o campo ideológico da extrema direita – negacionista de nascença – enxerga as urgências ambientais como mais uma teoria da conspiração dos “globalistas.”

Aqueles que se baseiam em pesquisas científicas, em estatísticas e em experiências sabem que não há hoje desafio maior para o ser humano que não seja o da manutenção do equilíbrio ambiental com a sustentabilidade das atividades econômicas em nosso planeta. Está em jogo o futuro da humanidade e da própria vida na Terra – da forma como a conhecemos, com sua encantadora e vital diversidade.

A prova do total anacronismo das nossas elites é a existência, na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, do que se convencionou chamar de PEC das Praias. Trata-se de um projeto de emenda constitucional que prevê a transferência da posse de terrenos de marinha da União para estados, municípios e também para partes privadas. Segundo biólogos do Ministério do Meio Ambiente, a iniciativa (cuja relatoria foi do senador Flávio Bolsonaro), tem tudo para alavancar o uso irregular desses espaços e expandir ainda mais os danos ambientais já existentes.

Não é muito difícil imaginar a força dos lobbies por detrás dessa proposta, que certamente abrirá espaço para a privatização das praias, favorecendo uma exploração imobiliária sem grandes preocupações com impactos ambientais.

A bem da verdade, tal projeto não deveria ter sequer sido cogitado. Nada mais fora de hora e de lugar do que aprovar novas regras de ocupação em áreas litorâneas, em período de mudanças climáticas que terão, como uma de suas principais consequências, a elevação do nível dos oceanos.

É desesperador observarmos representantes do povo, no Congresso Nacional, demonstrando total insensibilidade com a integridade ecológica e com o bem estar e o futuro das gerações vindouras. Lamentável a cegueira e o imediatismo da grande maioria da nossa classe política.

Infelizmente essa ausência de engajamento no enfrentamento às ameaças ambientais não é exclusividade nossa. A forma letárgica como a maioria das nações, grosso modo, vêm reagindo na tomada de medidas eficazes e decisivas para a contenção desses processos de mudanças climáticas nos mostra, além de uma incapacidade do homem em agir transcendendo a sua própria existência, a desoladora carência de verdadeiros estadistas no mundo de hoje.

Falta na atualidade um estadista com a estatura e a determinação de um Winston Churchill, para a causa ambiental… e com um discurso histórico atualizado, que, como o do primeiro ministro britânico, em 1940, na House of Commons, idealizou e empurrou o mundo para enfrentar a grande ameaça de seu tempo:

“… We will protect our beaches, our oceans and our forests, we shall defend our Planet whatever the cost may be…”

E é bom saber que nenhuma conta será mais alta do que aquela a ser paga por quem decidiu economizar na salvaguarda do Meio Ambiente.

Jorge Pontes foi delegado da Polícia Federal e é formado pela FBI National Academy. Foi membro eleito do Comitê Executivo da Interpol em Lyon, França, e é co-autor do livro Crime.Gov — Quando Corrupção e Governo se Misturam.

Notícias relacionadas

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Últimas notícias

- Advertisement -spot_img