27 C
Rio de Janeiro

Manifestações no Brasil e em dezenas de países marcam início de uma onda de ações pela transição energética justa

Mais lidas

eco21
eco21https://eco21.eco.br
Nossa missão é semear informação ambiental de qualidade.

Mais de 160 marchas, ações criativas e debates expressaram a demanda popular por um sistema energético centrado nas pessoas e baseado em energias renováveis

Entre 2 e 5 de novembro, comunidades diretamente afetadas pela crise climática tomaram espaços públicos de dezenas de cidades, em pelo menos 25 países, inclusive o Brasil, para exigir dos governos medidas mais efetivas por uma transição energética justa.

Lideradas por organizações locais e coordenadas pela 350.org, as mais de 160 manifestações realizadas nos últimos dias marcaram o início do mês de ação global Renova Já, que tem o objetivo de amplificar a demanda popular por um sistema energético socioambientalmente justo e baseado em energias renováveis.

Até 9 de dezembro, a onda global de ações pela transição energética deve reunir milhares de pessoas, em mais de 200 eventos, distribuídos por pelo menos 60 países. Realizadas às vésperas da COP28, a 28ª edição da Conferência das Partes da Convenção-Quadro sobre Mudança do Clima da ONU, as ações elevam a pressão sobre os governantes por compromissos mais ambiciosos pelo fim do petróleo, gás e carvão e pela expansão responsável de energias como a solar e a eólica.

No Brasil, os eventos do mês de ações Renova Já foram realizados no Rio de Janeiro e em Porto Alegre, na sexta-feira (3/11), e em Silves (AM), entre sexta-feira e domingo (5/11).

“Após quase um ano sob a gestão do presidente Lula, o governo brasileiro chegará à COP28 com a intenção de mostrar ao mundo que já deu uma guinada em relação ao governo Bolsonaro e conseguiu reduzir o desmatamento na Amazônia, o que é excelente. Porém, as ações para exigir prioridade às energias renováveis dão ao governo o recado de que também é preciso melhorar as políticas públicas no setor energético”, afirma Ilan Zugman, diretor da 350.org na América Latina.

Confira a seguir como foram as ações no Brasil

Rio de Janeiro (RJ)

Manifestantes reunidos em frente à Baía de Guanabara, no bairro carioca da Urca, em 3 de novembro, pedem transição energética justa e popular. Crédito: Lucas Landau

Em 3 de novembro, cerca de 80 pescadores artesanais da Baía de Guanabara reuniram-se diante do edifício-sede da Petrobras, no Centro da capital fluminense, para denunciar que as empresas de petróleo e gás em todo mundo seguem lucrando bilhões de dólares a cada trimestre, enquanto destroem o clima global e contaminam ecossistemas vitais para as comunidades tradicionais.

À tarde, os pescadores dirigiram-se ao bairro da Urca e, diante da vista da Baía de Guanabara, entoaram gritos de protesto e levantaram faixas com pedidos de que os governos revertam para as energias renováveis, como a solar e a eólica, os recursos públicos que alimentam a produção e o consumo de combustíveis fósseis.

“A Baía de Guanabara está invadida pelo setor do petróleo, que provoca danos aos moradores da região, com a conivência dos governos estadual e federal. Já testemunhamos pequenos, médios e grandes vazamentos de óleo nas áreas onde vivemos e nunca fomos devidamente compensados pelos danos que essa negligência provoca”, afirma Alexandre Anderson, pescador artesanal e presidente da Associação dos Homens e Mulheres do Mar da Baía de Guanabara (Rede Ahomar), que liderou o protesto, com apoio da 350.org. “Está na hora de mudarmos para um sistema em que as energias renováveis tenham prioridade e as comunidades sejam respeitadas”, acrescenta Anderson.

Porto Alegre (RS)

Participante da marcha pelo clima em Porto Alegre: ato pediu fim dos benefícios ao setor do carvão no estado e redirecionamento dos recursos para as energias renováveis. Crédito: Andréa Graiz

Em uma marcha pelo Centro da capital gaúcha, em 3 de novembro, pelo menos 100 manifestantes, em sua maioria jovens ativistas climáticos, caminharam do Sindicato dos Bancários até o Palácio Piratini, sede do Poder Executivo do Rio Grande do Sul, carregando faixas e cartazes com mensagens sobre a crise climática. A ação foi liderada pelo Eco pelo Clima, com apoio da 350.org e do ClimaInfo.

Os participantes homenagearam as vítimas dos temporais que mataram dezenas de pessoas no estado, desde setembro deste ano, e exigiram que o governo gaúcho reconheça oficialmente a emergência climática global. Um projeto de lei com essa finalidade (PL 23/2023) encontra-se parado na Assembleia Legislativa do Estado há meses, apesar de os extremos climáticos recentes terem afetado profundamente milhares de famílias.

Além de seu valor simbólico, a declaração de emergência elevaria a responsabilidade do governo em tomar medidas pela transição energética justa no estado e pela adaptação aos extremos climáticos.

“A mudança climática torna tragédias como as que vimos no Rio Grande do Sul cada vez mais frequentes e intensas. Depois de tantas famílias perderem pessoas queridas, verem suas casas destruídas ou terem seus cultivos arrasados, o governo estadual tem a obrigação de agir para proteger a população dos piores cenários da crise climática”, afirma Renata Padilha, coordenadora do Eco Pelo Clima.

Silves (AM)

Em Silves (AM), participantes de uma marcha pelo Centro da cidade pedem transição energética limpa e decolonial na Amazônia. Crédito: Aspac

De 3 a 5 de novembro, mais de 130 pessoas reuniram-se em Silves, município no sul do Amazonas, para participar de atividades como uma marcha pelo Centro da cidade, um debate sobre a crise climática, uma vigília pela vida no planeta e uma pintura em um mural gigante. Representantes indígenas, quilombolas, ribeirinhos e de localidades urbanas de Silves e dos municípios vizinhos compartilharam seus pontos de vista sobre os impactos da crise climática na região e as soluções para o problema.

Os atos foram liderados pela Associação de Silves pela Preservação Ambiental e Cultural (Aspac), e pelas organizações Rede GTA, Comissão Pastoral da Terra (CPT – Prelazia de Itacotiara), Apirá e Grupo de Mulheres da Resistência Amazônica, com apoio da 350.org.

Comunidades tradicionais de Silves, como as do povo indígena Mura, estão sofrendo com os impactos ambientais provocados pela extração de gás fóssil na região. Eles exigem que as comunidades sejam devidamente consultadas sobre empreendimentos que afetem seus territórios, denunciam os danos causados pela crise climática sobre seu modo de vida e pedem um sistema energético baseado em energias renováveis.

Veja imagens de protestos em todo o mundo:

Em frente ao Congresso colombiano, em Bogotá, comunidades diretamente afetadas pelas minas de carvão nos departamentos de César e Magdalena pedem geração de empregos em setores como os de energias limpas. Crédito: 350.org
Em Paris, manifestantes pedalaram por algumas das avenidas mais conhecidas da cidade, em 3 de novembro, levando balões e bandeiras com mensagens a favor da transição energética justa. Crédito: 350.org
Em um protesto no Centro de Tóquio, dezenas de pessoas seguraram cataventos de papel durante um protesto para pedir o fim dos combustíveis fósseis e o investimento em energias renováveis, como a eólica. Cré
dito: 350.org
Na Argentina, manifestantes caminharam com faixas e cartazes pela praia, em Puerto Madryn, em 4 de novembro, para expressar desaprovação ao projeto de instalação de porto petroleiro na região e exigir transição energética justa. Crédito: Diego Canut

Notícias relacionadas

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Últimas notícias

- Advertisement -spot_img