28.7 C
Rio de Janeiro

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL E SUSTENTÁVEL

Mais lidas

eco21
eco21https://eco21.eco.br
Nossa missão é semear informação ambiental de qualidade.

Samyra Crespo*| Ambientalista e colunista da Eco21

Diversidade e abundância é o que a natureza nos oferece.

As fotos exibidas abaixo mostram uma riqueza de cores e sabores a que vamos renunciando.

Quando foi que ficamos monocromáticos e criamos a escassez?

A ditadura da “batata inglesa” – que nem inglesa é?

Olhando para as culturas antigas, é comum pensar no povo egipcio como a “civilização do trigo”.

Nos povos andinos como a civilização do milho e da batata.

Nos indígenas brasileiros, a civilização da manioca, a nossa mandioca.

Historicamente está provado: quanto mais diversificada a base alimentar, menos risco de doença, carências nutricionais e ciclos de fome.

Cultivar alimentos que tem a ver com o clima e solo do seu bioma cria identidade, conexão com sua paisagem e gratidão para com o que é ofertado.

Quando as “sementes crioulas” desaparecem resta a ditadura da monocultura industrial. E ficamos dependentes dos pacotes tecnológicos de empresas do agro pop-tóxico.

Quando o supermercado e a indústria de processados ditam nossa dieta alimentar estamos abandonando aprendizados de uma cultura alimentar que é acúmulo de regiões e povos.

Graças à globalização é  possível conhecer e adotar os hábitos alimentares de um grande número de populações.

Mas o efeito colateral disso se faz sentir. Um caso clássico é a escassez de determinados peixes, como o atum, por exemplo, devido à expansão do hábito de comer sushi e sashimi fora da Ásia.

Pensar nisso pode ajudar a pensar a concepção da merenda escolar se você é um gestor, as feiras orgânicas se você é um vereador, o mercado produtor local se você é prefeito, os incentivos à agroecologia se você está no front das políticas públicas. Também a comida que preparamos em casa (papel do consumidor).

Por meio da alimentação saudável, sustentável – livre de agrotóxicos, hormônios e metais pesados, é possível incentivar toda uma cadeia produtiva que precisa ser sustentada para não desaparecer.

Mudar a realidade parece difícil. Mas se criamos o problema é possível criar a solução. E a solução começa como uma decisão individual, para depois tornar-se coletiva.

Toda causa nasce de um sonho ou de uma indignação que parece ser só nossa. Mas se olharmos em volta e nos conectamos, logo vemos que não estamos sozinhos.

Vencer a nossa própria inércia é  o principal desafio.

Samyra Crespo | Ambientalista, coordenou a série de pesquisas nacionais intitulada “O que o Brasileiro pensa do Meio Ambiente e do Desenvolvimento Sustentável” (1992-2012). Foi uma das coordenadoras do Documento Temático Cidades Sustentáveis da Agenda 21 Brasileira, 2002. Pesquisadora sênior do Museu de Astronomia e Ciências Afins/RJ. Ex-Gestora do Jardim Botânico do Rio de Janeiro

Notícias relacionadas

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Últimas notícias

- Publicidade -spot_img