20 C
Rio de Janeiro
spot_imgspot_img
spot_imgspot_img

Um lugar para a natureza no Fórum Político de Alto Nível

Mais lidas

eco21
eco21https://eco21.eco.br
Nossa missão é semear informação ambiental de qualidade.

À medida que o Fórum Político de Alto Nível da ONU (HLPF) 2020 se inicia, há um momento crescente para colocar a biodiversidade no centro do desenvolvimento sustentável.

O surto de COVID-19 expôs nosso complexo relacionamento com a natureza. A maioria das doenças infecciosas emergentes é motivada por atividades humanas, como intensificação agrícola, uso e uso indevido de animais silvestres e mudanças na paisagem induzidas pelo homem, que podem prejudicar o equilíbrio da natureza.

A biodiversidade sustenta 14 dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). No entanto, um estudo recente mostrou que apenas 20% dos países analisados mencionam a biodiversidade como uma prioridade nacional para o desenvolvimento sustentável em suas Revisões Nacionais Voluntárias (VNRs) de seu progresso em direção aos ODS.

O estudo realizado pelo Centro Mundial de Monitoramento da Conservação do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA-WCMC) considerou 30 VNRs apresentadas antes do HLPF entre 2017-2019 e constatou que apenas metade dos países da amostra relatam ou refletem a sobre a biodiversidade nos processos nacionais de implementação e revisão dos ODS .

Há muito progresso a ser feito, mas também há muitos exemplos positivos sobre onde os países estão integrando a biodiversidade em suas estratégias mais amplas de desenvolvimento sustentável.

A biodiversidade é a base do desenvolvimento sustentável

Os ODS são integrados e indivisíveis, e o avanço da implementação de metas e objetivos relacionados à biodiversidade aumentará o sucesso geral na consecução da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável.

No entanto, o progresso para alcançar a Agenda 2030 até agora tem sido insuficiente. De acordo com a Plataforma Intergovernamental de Políticas Científicas sobre Serviços da Biodiversidade e dos Ecossistemas (IPBES), as atuais tendências negativas pela perda de biodiversidade e da degradação dos ecossistemas prejudicam significativamente a consecução de 80% das metas dos ODS relacionadas à pobreza, fome, saúde, água, cidades, clima, oceanos e terra.

Fórum Político de Alto Nível para 2020

Nesta semana, a comunidade de desenvolvimento sustentável está avaliando o progresso da Agenda 2030 no HLPF. É necessário mais esforço para acelerar as ações na próxima década, incluindo a restauração dos ecossistemas e a integração da natureza nas estratégias para alcançar os ODS.

Existem alguns exemplos inspiradores de como integrar a biodiversidade nos relatórios nacionais voluntários enviados até a presente data:

Muitos países agora reconhecem o valor econômico da biodiversidade:

• A Nova Zelândia, por exemplo, coloca o capital natural no centro de suas políticas de desenvolvimento sustentável e seu VNR fala sobre as terras, florestas, cursos de água e oceanos do país como “a base de nossa economia” (ODS 8). A Malásia explora iniciativas inovadoras de mobilização de recursos para investir na natureza (ODS 17).

Embora menos explícita na maioria das VNRs analisadas, as interligações natureza humana também são identificadas:

• Muito antes do surto de COVID-19, o Vietnã reconheceu a conservação da biodiversidade como fundamental para proteger a boa saúde das pessoas (ODS 3). Camarões promove a biodiversidade para alcançar o ODS 2 – Fome Zero, enquanto a Guatemala insiste na importância de incluir os povos indígenas e as comunidades locais na tomada de decisões sobre a natureza (ODS 11).

Além disso, ecossistemas saudáveis são frequentemente reconhecidos como a base para um ambiente mais saudável:

• A Turquia, por exemplo, adotou uma abordagem baseada em ecossistemas em práticas sustentáveis de gestão da água e prevenção da poluição (ODS 6). O Reino Unido reconhece as soluções baseadas na natureza como ferramentas cruciais para combater as mudanças climáticas e a perda de biodiversidade (ODS 13).

Um lugar para a natureza

Embora nossa análise mostre que as VNRs estão começando a refletir a integração da biodiversidade nos relatórios nacionais sobre o progresso em direção à Agenda 2030, ainda há muito a ser feito para fornecer ferramentas que permitam a todos os atores abordar nossos impactos e dependências da natureza. Por exemplo, melhorando os dados e relatórios, o engajamento de várias partes interessadas e a coerência das políticas, os países podem fortalecer seu entendimento das interconexões natureza-homem e o uso de soluções baseadas na natureza para o desenvolvimento sustentável.

Como 12 das 21 metas dos ODS com data de término para 2020 dependem da biodiversidade, o HLPF deste ano será um momento importante para fazer um balanço do progresso alcançado e renovar os compromissos globais.

A partir de sexta-feira, 10 de Julho de 2020, 47 países [o Brasil não está entre eles. Nota da ECO21] apresentarão suas VNRs ao HLPF virtual para avaliar seu progresso em direção à Agenda 2030. Embora a prioridade imediata dos governos seja conter a crise da saúde e reduzir seus impactos devastadores, se recuperar melhor da pandemia será um desafio coletivo, incluindo acelerar a implementação dos ODS.

Se quisermos enfrentar a crise da natureza global, teremos que prestar atenção às dramáticas advertências – do impacto humano da pandemia do COVID-19 à devastação causada por incêndios no mundo todo – e aproveitar a oportunidade para colocar o mundo no caminho certo de um futuro mais sustentável.

Federica Pesce | Especialista Associada da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável, UNEP-WCMC

- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

Notícias relacionadas

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Últimas notícias

- Publicidade -spot_img