21 C
Rio de Janeiro

Fachada ‘net zero’ da Chevron: nova exposição revela compensações de carbono lixo da principal petroleira e agenda de ação climática enganosa

Mais lidas

eco21
eco21https://eco21.eco.br
Nossa missão é semear informação ambiental de qualidade.

À medida que o ponteiro do relógio avança na ação climática, a corporação planeja uma grande expansão de combustíveis fósseis

Na semana que antecede o relatório anual da Chevron aos acionistas em 31 de maio, uma nova exposição revela que os planos “net zero” da corporação estão repletos de compensações lixo e tentam maquiar de verde uma agenda que provavelmente intensificará os danos globais.

As principais conclusões do relatório de pesquisa “A destruição está no cerne de tudo o que fazemos: a agenda de ação climática lixo da Chevron e como ela intensifica o dano global”, publicado pela organização sem fins lucrativos Corporate Accountability, mostram que 93 por cento das compensações voluntárias do mercado de carbono que a Chevron comprou para ‘cancelar’ suas emissões nos últimos três anos parecem ser lixo – e uma grande proporção (42 por cento) está ligada a alegações de danos a comunidades e ecossistemas, particularmente no Sul Global. Cerca de metade das compensações de carbono da Chevron compradas por meio do mercado voluntário de carbono para esse período estão associadas a grandes projetos de barragens hidrelétricas que não levam a novas reduções de emissões. E a promessa de ‘net zero’ da corporação ignora 90% das emissões associadas ao seu negócio.

“A retórica ‘net zero’ da Chevron parece ser pouco mais do que um estratagema de relações públicas para impedir uma forte ação climática, enquanto a corporação arrecada lucros recordes e planeja mais produção ou expansão em pelo menos 20 países”, diz Rachel Rose Jackson, diretora de Pesquisa Climática e Política da Corporate Accountability. “Esta pesquisa respalda o que há muito suspeitamos ser verdade por trás de sua ’imagem verde’. Além disso, seu vasto lobby é um obstáculo para a forte ação climática que precisamos urgentemente”.

O último relatório do IPCC adverte que provavelmente cruzaremos limites irreversíveis, a menos que façamos mudanças imediatas e drásticas para reduzir as emissões e reduzir o uso de combustíveis fósseis. No entanto, a Chevron está projetando emissões para 2022-2025 equivalentes às de 10 países europeus em um período de tempo semelhante. Pior ainda, planeja investir 57,4 bilhões de dólares só na expansão de petróleo até o final da década.

No ano passado, a Chevron fez lobby em mais de 150 projetos de lei ou questões federais nos EUA – visando políticas que procuravam reduzir as emissões enquanto promovia outras que legitimariam ainda mais esquemas arriscados e não-comprovados como a Captura, Utilização e Armazenamento de Carbono (CCUS, sigla do inglês). Em 2020-2022, a Chevron gastou diretamente 20,8 milhões de dólares em lobby somente nos EUA. Isso sem contar os mais de 310,5 milhões de dólares gastos por grupos comerciais parceiros no mesmo período.

A indústria de combustíveis fósseis é responsável pela maior parte das emissões globais de gases de efeito estufa e a Chevron é a corporação de propriedade de investidores responsável por a maior parte. Enquanto isso, as comunidades da linha de frente mais impactadas por seus negócios são as menos responsáveis ​​pela crise climática. É por isso que comunidades em diferentes países realizaram o 10o dia #AntiChevron de ação neste mês (21 de maio) para se opor ao dano histórico e contínuo da corporação às pessoas e ao planeta.


“Este relatório lança luz sobre o que a União das Comunidades Afetadas pela Texaco/Chevron (UDAPT) vive em primeira mão há quase três décadas: o impacto desastroso da Chevron. Já dissemos várias vezes, a Chevron engana e destrói, arruinando vidas, a natureza e erodindo a possibilidade de viver em um mundo livre de emissões de combustíveis fósseis”, diz Justino Piaguaje, autor da ação contra a Chevron e líder da Nação Indígena Siekopai UDAPT, com sede no Equador. “Este relatório ressalta que a Chevron não apenas traiu as pessoas diretamente afetadas pela Chevron-Texaco, mas também está enganando o mundo inteiro. É por isso que, mesmo uma década após o início do Dia Anti-Chevron, continuamos a nos posicionar contra a Chevron, para defender o planeta e nosso direito de proteger nossos meios de subsistência.”

O relatório oferece um caminho claro a seguir: governos, acionistas e partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC, sigla do inglês) devem se comprometer com uma eliminação gradual e equitativa dos combustíveis fósseis. Fazer isso exigirá a implementação urgente das referências do Real Zero estabelecidas na exposição, comprometendo-se com metas vinculativas de redução de emissões, evitando a dependência de esquemas arriscados, como compensações de carbono, e fornecendo recursos para comunidades locais e da linha de frente para responder à crise climática.

Este ano, antes do relatório anual da Chevron voltado aos acionistas, ativistas e comunidades da linha de frente em todo o mundo se reunirão para tomar medidas contra esses delitos e a obstrução de ações climáticas significativas. A falta de responsabilização da Chevron e a maquiagem verde ‘net zero’, se não forem controladas, nos levarão ainda mais longe nos danos às pessoas, ao planeta e às mudanças climáticas irreversíveis. Corporações de combustíveis fósseis como a Chevron não podem continuar abastecendo a destruição. A destruição pode estar no centro do que empresas como a Chevron fazem, mas a urgência, a equidade e a ação devem estar no centro da resposta global às mudanças climáticas. É hora de os acionistas, o público, os formuladores de políticas e os governos acabarem com a capacidade da indústria de combustíveis fósseis de nos roubar um mundo onde as pessoas e o planeta possam prosperar.

Notícias relacionadas

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Últimas notícias

- Advertisement -spot_img