19.2 C
Rio de Janeiro
spot_imgspot_imgspot_img
spot_img

Ilhas que anunciam a grande crise ambiental da nossa época

Mais lidas

eco21
eco21https://eco21.eco.br
Nossa missão é semear informação ambiental de qualidade.

Arthur Soffiati |

Quando os europeus aportaram na ilha de Páscoa, no século XVIII, encontraram vestígios de uma imponente civilização. Imensas estátuas de pedra postadas na costa revelavam o trabalho coletivo de uma sociedade que cultivou concepções grandiosas de cultura. No entanto, a ilha estava arrasada e era habitada por uma população pobre. Estudos recentes mostram que os pascoanos têm origem polinésia e que se instalaram numa das mais isoladas ilhas do mundo. Ali, dividiram-se em clãs hostis, embora partilhassem a mesma cultura. Suas crenças religiosas levaram-nos a construir os moais, estupendas estátuas de pedra, quase completamente produzidas nas pedreiras existentes, que ficam no centro da ilha. De lá, eram roladas sobre troncos da maior espécie de palmeira do mundo.

Duas práticas predatórias explicam o declínio do pujante ramo da cultura polinésia numa ilha específica: a exagerada extração de pedra e o corte abusivo de palmeiras. Mas há uma terceira: os clãs guerreavam entre si e sua arma predileta era atear fogo na mata do vizinho. Assim, a exuberante floresta da ilha de Páscoa foi devastada. Em consequência, vieram a erosão e o assoreamento de nascentes, córregos e mar. O empobrecimento do solo abateu a agricultura e causou muitas mortes. A população reduziu-se em pessoas e em modo de vida. Se Páscoa tivesse o tamanho da Amazônia, o impacto causado por seus habitantes seria significativamente reduzido, pois a cultura pascoana não era tão diferente de tantas outras congêneres. Só que, praticada num universo pequeno e fechado, acabou causando grandes estragos e se voltou como bumerangue contra os que o atiraram.

Com a ocidentalização do mundo, pode-se dizer que a Terra, hoje, é como a ilha de Páscoa. Trata-se de um pequeno planeta isolado dentro do sistema solar, da Via Láctea e do Universo. E o que é pior: com uma civilização extremamente predatória e ecologicamente insustentável. Os pascoanos ainda contavam com a opção de abandonar a ilha. A humanidade também dispõe dessa alternativa, só que ainda em caráter de ficção científica. Colonizar Vênus exigiria criar lá as mesmas condições existentes na Terra.

Governos, empresários, sociedade e a maioria dos intelectuais não conseguiram ainda compreender a gravidade do problema, embora outras ilhas estejam nos alertando. Vejamos o caso de Nauru, ilha dotada de belas paisagens naturais e colonizada por ingleses, alemães, neozelandeses, australianos e japoneses. Com 21 quilômetros quadrados, ela se tornou independente há quase meio século. Rapidamente, o padrão de vida dos naurenses tornou-se comparável ao dos países ditos desenvolvidos: cerca de 20 mil dólares per capita. Turismo? Não. Com terrenos ricos em fosfato, Nauru ganhou dinheiro minerando e exportando seu próprio solo. O dinheiro ganho com a rapina permitiu ao governo isentar a população de impostos, garantir empregos públicos para 95% dos habitantes, gratuidade para saúde e educação. Os doentes mais graves são transportados por avião para hospitais da Austrália. Os estudantes, ao concluírem o ensino médio, ganham bolsas para universidades no exterior. Qualquer economista e sociólogo de visão estreita diria que Nauru tema um IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) exemplar. Eis a falácia do IDH: ele pode alcançar níveis excelentes à custa da destruição da natureza e ser, assim, ecologicamente insustentável. É por isto que já se defende o IDH verde. Bom, hoje Nauru vive de ajuda externa, notadamente de suas antigas metrópoles. A festa acabou. No ritmo de rapina da economia de mercado, a festa da Terra também vai acabar.

Rebaixado o nível do seu território, Nauru tornou-se mais vulnerável à elevação do nível do mar pelo aquecimento global. Nesta situação, também se encontram as ilhas de Tuvalu, Vanuatu, Marshal e Kiribati. Anote Tong, que presidiu Kiribati, clamou à comunidade internacional para que sua população seja evacuada. Kiribati é uma jovem república formada por 32 atóis no Oceano Pacífico, totalizando 726 quilômetros quadrados. A elevação do nível do mar já engoliu Tebua Tarawa e Abunea, duas ilhotas do arquipélago, enquanto os coqueirais de Tepuka Savilivile morreram por salinização. Tong, formado na London School of Economics, não embarca na veneração às culturas tradicionais, quase sempre falsas: “Nosso povo não quer acreditar nisso”, ou seja, no aquecimento global.

A Maplecroft, consultoria britânica especializada em análises de risco, realizou pormenorizado estudo sobre os países mais ameaçados pelas mudanças ambientais. Em primeiro lugar, estão as ilhas Comores, nas costas índicas da África. As ilhas estão dando o sinal de alarme para a ilha Terra, mas poucos querem ouvi-lo, como em Kiribati.

Notícias relacionadas

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Últimas notícias

- Publicidade -spot_img