História

A revista ECO•21, fundada em 1990 com o nome de ECO-RIO numa homenagem à RIO’92, é uma publicação independente, pioneira na divulgação de documentos, ensaios, entrevistas e textos de informação ambiental; escritos por especialistas de renome nacional e internacional. A partir de Dezembro de 1998, passou a se denominar ECO•21 em homenagem ao Século 21 e à Agenda 21 da Conferência do Rio de 1992. A ECO•21 é o jornalismo ambiental do Século 21.

A ECO•21 é uma revista sobre ciências e políticas ambientais que, pioneiramente, abriu um novo espaço jornalístico até então inexistente no Brasil. Herdeira da visão analítica e comunicativa da revista francesa Le Sauvage e da inglesa The Ecologist que marcaram toda uma época no ambientalismo europeu, a ECO•21 foi a primeira revista a tratar o tema ambiental de um ponto de vista especializado com uma visão analítica e de, certa forma, educativa.

Desde sua fundação, a ECO•21 acompanhou de perto todas as iniciativas nacionais e internacionais voltadas para a realização da Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, denominada também RIO’92. Da mesma forma, foi pauta dessa etapa do projeto da ECO•21 documentar e registrar todas as iniciativas da sociedade civil que estiveram concentradas no chamado Fórum Global ou ECO-RIO, evento que aconteceu, de forma paralela ao encontro de Cúpula dos Chefes de Estado e Presidentes, no Parque do Aterro do Flamengo, na cidade do Rio de Janeiro. A partir de então, a ECO•21 registrou todos os grandes momentos da política ambiental nacional e internacional, traduzindo e documentando exclusivamente inúmeros textos específicos sobre as iniciativas ambientais, tanto oficiais quanto da sociedade civil.

Da RIO’92 até a RIO+20, passando pela RIO+10 (Conferência de Johanesburgo 2002) todos os temas foram abordados: mudanças climáticas, poluição, resíduos sólidos, recursos hídricos, energias alternativas, ciências ambientais, sanitarismo, saúde, conquista espacial, tecnologias de ponta, reciclagem, florestas, desertificação, vida marinha, biologia, legislação ambiental, ecofilosofia, economia verde, etc., sempre dando prioridade ao desenvolvimento sustentável. Nos 29 anos de circulação, um grande número de colaboradores de prestígio nacional e internacional escreveram artigos ou autorizaram a sua reprodução, às vezes foram únicos na sua edição no Brasil.

Ao longo de todos esses anos, foram entrevistados os maiores nomes da política ambiental em nível nacional e mundial; indo de Maurice Strong a Carlos Minc; de José Lutzenberger a Aziz Ab’Saber; de Rigoberta Menchú a Vandana Shiva; de Lester Brown a Fritjof Capra, passando por José Goldemberg, Carlos Nobre, Bráulio Dias, etc. Também foram reproduzidos textos de personalidades mundiais como Olof Palme, Indira Ghandi, Al Gore, Jacques Chirac, Tony Blair, Mikhail Gorbatchov, Fidel Castro, etc. Entre os nacionais, Fernando Henrique Cardoso, Luiz Inácio Lula da Silva, Marina Silva, José Sarney Filho, Gilberto Gil, Celso Lafer, Izabella Teixeira, etc.

A ECO•21 também abriu generosamente as suas páginas para divulgar as iniciativas da ONGs nacionais e internacionais, como Conservation Internacional, WWF, SOS Mata Atlântica, Greenpeace, União Mundial para a Natureza – IUCN, SPBS, Pro-Natura, GTA, ISER, Viva Rio, IBASE, etc.

A existência da revista ECO•21 beneficia uma ampla gama de leitores carentes de informações atualizadas relativas à temática ambiental. Estudantes e professores, principalmente aqueles voltados para a educação ambiental, recebem diretamente o benefício do conhecimento do que acontece no campo ecológico, tanto no Brasil quanto no exterior.

A ECO•21 é uma revista que inovou o conceito do jornalismo ambiental. Ao publicar os textos com uma dinâmica visual criativa utiliza a fotos não somente no sentido documental, mas também passou a informar visualmente com ilustrações de obras de artistas plásticos referenciais. A nossa diagramação comunica os fatos com uma linguagem metafórica onde, muitas vezes, uma abstração diz muito mais do que um tratamento realista.

A replicação da ECO•21 é um fato concreto. São inúmeras as solicitações de autorização para reproduzir artigos ou ideias em outros trabalhos, principalmente na Internet. Da mesma forma, pequenas publicações escolares utilizam os nossos textos reproduzindo-os na íntegra. Já no campo profissional, diplomatas, técnicos, ecologistas, políticos, preparam as suas palestras consultando a ECO•21. São inúmeros os pedidos do exterior solicitando autorizações de tradução. Também é possível medir a replicação da ECO•21 pelo grande número de colaborações espontâneas que se recebe na redação,  procedentes dos mais autorizados nomes das diversas áreas das ciências ambientais.