Um Brasil de 154 línguas

Índios da etnia Waiapi – Foto: Heitor Reali - Iphan

Caio Santana || Jornalista do Jornal USP

O livro “Línguas indígenas: tradição, universais e diversidade”, de Luciana Storto, apresenta as quase duas centenas de idiomas falados no Brasil por tribos indígenas.

Apesar de ser praticamente homogêneo em todo o território nacional, apenas com distinções de sotaques e regionalismos dependendo do local onde é falado, o português praticado no Brasil não é a única língua do País. Além do português oficial, há mais de uma centena de línguas faladas em nosso território. São as línguas indígenas, que correm sérios riscos de desaparecer nos próximos 100 anos, caso siga-se uma tendência: diminuição do número de falantes e com as crianças já abandonando o aprendizado nas comunidades.

Capa do livro: “Línguas indígenas: tradição, universais e diversidade”, de Luciana Storto.

Esses riscos não se restringem apenas ao seu desaparecimento. Por serem línguas ágrafas, ou seja, de tradição apenas oral, e não escrita, quando essas línguas morrem também se vai toda uma tradição histórica secular contada oralmente, de geração a geração, de clã para clã. Estima-se que, antes da chegada dos portugueses no Brasil, havia entre 600 e mil línguas sendo faladas pelos nativos indígenas. Hoje, existem um total de 154 línguas indígenas faladas no Brasil. O livro Línguas indígenas: tradição, universais e diversidade”, de Luciana Storto, professora do Departamento de Linguística da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP, traz um apanhado dessas línguas, bem como o aprofundamento linguístico das principais famílias identificadas e agrupadas. O livro tem duas premissas imediatas: informar os resultados de pesquisas recentes sobre línguas brasileiras ao leitor leigo, chamando sua atenção, e estimular o surgimento de novos estudiosos e ativistas das línguas indígenas.

Essas 154 línguas são agrupadas em famílias. Algumas delas podem ser formadas por subfamílias, pequenas ou grandes. Como exemplo de famílias linguísticas grandes temos a tupi, macro-jê, aruak, karib e pano. Já as de famílias pequenas são as yanomami, naduhup e nambikwara. Um fato interessante é que a subfamília tupi-guarani, apesar de grande, não é considerada uma família. Ela possui 40 línguas ou dialetos identificados no Brasil e nos países adjacentes, oriundos da língua-mãe proto-tupi-guarani.

Apesar dessas divisões grandes, há famílias menores formadas por uma ou duas línguas no Brasil e também línguas isoladas (não classificadas como relacionadas a nenhuma outra língua). São elas: kanôe, kwazá, irantxe, trumai, tikuna, máku e aikanã. Há também duas línguas crioulas, galibí marwóno e karipúna do Norte, de base indígena no Amapá.

A obra possui ao todo seis capítulos que percorrem desde uma contextualização histórica até as línguas nativas do Brasil atualmente, passando pela sua diversidade cultural e linguística, além da gramática. Tudo muito bem detalhado e didático.

Terras demarcadas e línguas faladas

Seria inevitável para a autora falar desse tema sem tocar em um assunto importantíssimo: o das terras demarcadas ou reservadas aos indígenas, que hoje representam 13% do território nacional. Um ponto abordado é o de que essas terras preservam outras áreas quando estão em fronteira de floresta densa de difícil acesso, como é muito visível nas imagens de satélite do norte de Rondônia. Isso quando as áreas preservadas não são praticamente as mesmas das reservas dos povos indígenas, como no Mato Grosso.

Mapa das familias linguisticas – ISA – 2009

Mas um detalhe chama a atenção. Esses 13%, que podem ser considerados muito ou até mesmo contestáveis por certos setores da sociedade e até mesmo governamentais, são os responsáveis pela preservação das línguas indígenas e da cultura de seus povos. Principalmente os amazônicos.

O número de falantes de línguas nas tribos é incerto, mas Luciana apresenta números do linguista Denny Moore, que em 2011 publicou uma estimativa de 230 mil falantes. Moore é doutor em Linguística e Antropologia Cultural pela City University of New York e também pesquisador voluntário do Museu Paraense Emílio Goeldi. Também é dele o critério de inteligibilidade (que gera controvérsia, como aponta Luciana em seu livro), que possibilitou o cálculo das 154 línguas distintas faladas.

Moore também tabelou as populações chegando a um número de 485.576 indígenas. O Censo do IBGE de 2010 aponta 896 mil. “Esse número contém alguns erros e não representa apenas a população que vive em terras indígenas, mas também aqueles em território urbano e os que se autodenominam como pertencentes a algum grupo étnico nativo do Brasil”, afirma Luciana no livro.

“Por um lado, cresce a população indígena muito pelo fato do avanço no acesso a atendimento de saúde, medicamentos e alimentação. Por outro, se diminuem os falantes das línguas nativas, porque estes abandonam suas línguas com base na crença errônea de que para falar bem a língua portuguesa eles precisam deixar de falar suas línguas nativas”, escreve a autora.

Mapa das terras indigenas – Arte: ISA – 2015

O segundo capítulo seleciona três regiões do Brasil com diversidade linguística considerável. São elas o Alto Rio Negro (noroeste Amazônico), o sul de Rondônia (sudoeste Amazônico) e o Parque Indígena do Xingu (Alto Xingu). São regiões pouco estudadas nas escolas, ficando de fora da história oficial do País. No livro de Luciana Storto, é apresentada mais da história dessa relação dos povos ali presentes e as suas línguas.

Das três áreas, apenas o Alto Rio Negro é indiscutivelmente considerada a única área linguística do Brasil, seguindo os critérios de ser uma região onde línguas de várias famílias tiveram contato por um longo período de tempo, além de adquirir características em comum entre si. As áreas do sul de Rondônia e do Xingu são candidatas a serem classificadas como áreas linguísticas também, devido à sua diversidade e culturalidade. Quanto ao Xingu, revela-se que já ali havia habitações desde o século 9. Sendo uma região multicultural e multilíngue, as tribos da região compartilham inclusive rituais e cerimônias com cantos cantados misturados nas línguas das respectivas tribos em alguns dos rituais.

Os capítulos três, quatro e cinco dedicam-se a falar sobre a gramática das línguas indígenas brasileiras: apresentando a morfologia, sintaxe, semântica, pragmática, fonética e fonologia. Há aqui construções de frases e comparações entre línguas, justificando as semelhanças entre as famílias e as línguas-mães (que originaram as línguas em questão).

No sexto e último capítulo, nomeado de “A arte verbal e as culturas de tradição oral”, há a disposição análises do que está por trás das narrativas contadas oralmente há séculos, destrinchando a arte verbal dessas culturas e reforçando a importância de alguns rituais que tradicionalmente se perpetuam.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui