UE-China discutem biodiversidade e mudança climática

Grande Muralha da China - Foto: TNC


Líderes da UE e da China discutiram biodiversidade e mudanças climáticas, comércio e investimento, resposta COVID-19, assuntos internacionais e outras questões por meio de videoconferência. Após a reunião, os líderes da UE emitiram um comunicado de imprensa destacando a ambição da UE em suas relações bilaterais com a China.

A reunião deu-se no seguimento da 22.ª cimeira UE-China que teve lugar a 22 de Junho. O Presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, e o Presidente chinês Xi Jinping presidiram à reunião. A Presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, e a chanceler alemã, Angela Merkel, na Presidência do Conselho, também participaram.

Sobre biodiversidade e mudança climática, os dois lados concordaram em estabelecer um Diálogo de Alto Nível sobre Meio Ambiente e Clima para buscar compromissos conjuntos ambiciosos. A UE reconheceu a China como um parceiro global na preservação da biodiversidade, no combate às alterações climáticas e na redução das emissões de gases com Efeito Estufa (GEE). A UE encorajou a China a ser “ainda mais ambiciosa” e disse que a China deveria se comprometer a estabelecer uma meta de neutralidade climática e lançar seu sistema nacional de comércio de emissões em breve. A UE também enfatizou a necessidade de uma moratória na China sobre a construção de usinas termelétricas a carvão e o financiamento da sua construção no exterior.

Sobre comércio e investimento, os líderes da UE e da China saudaram o progresso nas negociações para o Acordo Global UE-China, especialmente sobre transparência de subsídios, transferência forçada de tecnologia e regras que regulam o comportamento de empresas estatais. Ambas as partes saudaram a assinatura do Acordo UE-China sobre Indicações Geográficas, que deverá melhorar o acesso ao mercado chinês de produtos agrícolas europeus de alta qualidade. Os líderes expressaram seu compromisso de acelerar as negociações do Tratado de Investimento Bilateral China-UE e concordaram em estabelecer um Diálogo de Cooperação Digital de Alto Nível entre a China e a UE e estabelecer parcerias verdes e digitais. A UE salientou que é necessário fazer mais para melhorar o acesso ao mercado em áreas como a agroalimentar, o setor digital e os serviços financeiros.

Sobre a resposta COVID-19, a UE sublinhou a responsabilidade partilhada de liderar os esforços globais para o desenvolvimento e implantação da vacina COVID-19 e apelou a todos os países para participarem numa revisão independente e abrangente das lições aprendidas com a resposta internacional de saúde ao COVID -19. A UE afirmou que as medidas de recuperação devem apoiar a transição para uma economia mais verde e sustentável.

Em assuntos internacionais, a UE, inter alia: exortou a China a defender o sistema internacional baseado em regras; expressou preocupação com as medidas tomadas pela China para impor legislação de segurança nacional em Hong Kong, dizendo que a autonomia de Hong Kong deve ser preservada e os direitos de seu povo protegidos; e enfatizou a necessidade de a China aderir aos padrões internacionais para apoiar o desenvolvimento sustentável, especialmente na África. Os líderes concordaram em discutir essas e outras questões de direitos humanos em detalhes no Diálogo de Direitos Humanos em Pequim, China, no final de 2020.

Xi propôs quatro princípios aos quais a China e a UE deveriam aderir para desenvolver suas relações bilaterais: uma coexistência pacífica; cooperação e abertura; multilateralismo; e diálogo e consulta. Ele disse que a China está pronta para intensificar o diálogo e a coordenação nos níveis bilateral, regional e global, e está comprometida com uma perspectiva de governança global baseada na consulta, contribuição e benefícios compartilhados que defendem a ordem internacional e colocam a ONU no centro.

Após a reunião, Michel disse que a UE “deve se esforçar por uma relação que cumpra nossos compromissos mútuos” e gere resultados concretos para a UE e para a China. Michel sublinhou que existem diferenças reais, mas a UE está pronta para se envolver e “cooperar onde pudermos” para encontrar soluções concretas e uma relação “baseada na reciprocidade, responsabilidade e justiça básica”. A UE e a China preveem realizar uma reunião de líderes UE-China em 2021.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui