Tigres de Bengala podem não sobreviver às mudanças climáticas, segundo relatório da ONU

Tigre Petchaburi - Tailândia: Foto: Adam Oswell - WWF Canon


A população global de felinos diminuiu cerca de 96% no início do século XX

As mudanças climáticas e o aumento do nível do mar podem acabar com uma das últimas e maiores “fortalezas” de tigres do mundo, alertaram cientistas em um novo estudo.

Os felinos estão entre as 500.000 espécies terrestres cuja sobrevivência está em risco devido às ameaças aos seus habitats naturais, de acordo com um relatório da ONU.

A imensa Floresta de Sundarbans tem 6.500 km² de terras pantanosas em Bangladesh, na Índia, abriga a maior floresta de mangue do mundo e um rico ecossistema que suporta várias centenas de espécies de animais, incluindo o tigre de Bengala em perigo.

Cerca de 70% da terra está a poucos metros acima do nível do mar, e graves mudanças estão reservadas para a região, relataram pesquisadores australianos e de Bangladesh na revista Science of The Total Environment.

As mudanças provocadas por um planeta em aquecimento serão “suficientes para dizimar” as poucas centenas de tigres de Bengala restantes lá.

“Até 2070, não haverá habitats adequados para tigres nos Sundarbans de Bangladesh”, concluiu o estudo de 10 pesquisadores.

O documento, que se baseia em cenários climáticos desenvolvidos pelo Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) para seus modelos de simulação, complementa os estudos existentes que ofereciam previsões igualmente sombrias para a vida selvagem nos Sundarbans.

Tigre Bengala

Em 2010, um estudo liderado pelo Fundo Mundial para a Natureza projetou que um aumento do nível do mar de 30 centímetros poderia reduzir o número de tigres nos Sundarbans em 96% em poucas décadas.

A mudança climática prejudica quase metade dos mamíferos ameaçados de extinção no mundo, muito mais do que se pensava, segundo um estudo recente.

Sharif A Mukul, principal autor do novo relatório sobre os Sundarbans, e seus colegas procuraram riscos para o tigre além da elevação do nível do mar, que representou 5,4% a 11,3% da perda projetada de habitat em 2050 e 2070.

Outros fatores relacionados à mudança climática foram mais prejudiciais aos tigres dos Sundarbans, uma das maiores populações remanescentes de tigres selvagens do mundo, descobriram os pesquisadores.

Desde o início dos anos 1900, a perda de habitat, a caça e o comércio ilegal de animais dizimaram a população global de tigres de cerca de 100.000 para menos de 4.000.

Nos Sundarbans de Bangladesh, um aumento nos eventos climáticos extremos e mudanças na vegetação reduzirão ainda mais a população, segundo o estudo. E quando os Sundarbans inundam, os confrontos podem crescer entre humanos e tigres, à medida que os animais se afastam do habitat em busca de novas terras.

“Muita coisa pode acontecer”, disse Mukul, professor assistente de gestão ambiental da Independent University, Bangladesh, em Dhaka. “A situação pode ser ainda pior se houver um ciclone ou se houver algum surto de doença nessa área, ou se houver escassez de alimentos”.

Em outubro, um relatório histórico do painel científico da ONU sobre mudanças climáticas descobriu que, se as emissões de gases de Efeito Estufa continuarem na taxa atual, a atmosfera aqueceria até 1,5°C acima dos níveis pré-industriais até 2040.

Esse aumento teria consequências significativas para cadeias alimentares, recifes de coral e áreas propensas a inundações. Também pode afetar desproporcionalmente países mais pobres e densamente povoados, como Bangladesh, que abriga 160 milhões de pessoas.

Filhote de tigre – Foto: Martin Valent – República Tcheca – Sony World Photography Awards 2013

Em uma análise de décadas de registros de marés, os cientistas descobriram que as marés altas estavam subindo muito mais rápido que a média global em Bangladesh, que fica no delta do Ganges, uma complexa rede de rios e córregos.

Sugata Hazra, oceanógrafo da Universidade Jadavpur da Índia, disse que pode haver alguma perda de terra nos Sundarbans, mas sua pesquisa sugeriu um impacto menos dramático nos tigres.

Algumas medidas foram tomadas para proteger áreas baixas e os tigres que vivem lá, disse Zahir Uddin Ahmed, um funcionário do departamento florestal de Bangladesh.

Estão sendo introduzidas culturas que podem sobreviver a níveis mais altos de salinidade da água. O governo construiu muros contra tempestades. A redistribuição de sedimentos também aumentou naturalmente a altura de algumas ilhas, disse ele.

Ainda assim, Prerna Singh Bindra, autora de The Vanishing: India Wildlife Crise, disse que os habitats dos tigres continuarão diminuindo – seja por causa das mudanças climáticas ou do desenvolvimento da indústria – e que é difícil encontrar boas opções de conservação.

Simplesmente mover os tigres de Bengala para outra reserva, por exemplo, não era uma “solução viável”, disse ela.

“Onde você coloca esses tigres? Onde está um habitat não perturbado adequado neste planeta lotado? ”

Créditos:  Kai Schultz e Hari Kumar | Jornalistas The Independent

https://www.independent.co.uk/environment/bengal-tigers-climate-change-extinction-bangladesh-india-un-a8902466.html

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui