Salles enfim cai, mas quem manda ainda é Bolsonaro

Ex-ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles - Foto: Sérgio Lima



NOTA DA COORDENAÇÃO DO OBSERVATÓRIO DO CLIMA

Enrolado na Justiça, antiministro já vai tarde, mas antipolítica ambiental que tornou o Brasil um perigo para o mundo não apenas não muda, como é agora agravada pela ação do Congresso.

Após dois anos e meio desmontando a governança ambiental no Brasil, Ricardo de Aquino Salles finalmente pediu demissão do cargo de ministro do Meio Ambiente, que ele jamais deveria ter ocupado.

Salles sai da pasta como entrou: enrolado na Justiça. O homem que fora condenado por fraude ambiental, dez dias antes de ser feito ministro por Jair Bolsonaro, e que é investigado por enriquecimento ilícito, agora, tem contra si dois inquéritos no Supremo Tribunal Federal. Num deles, Salles é suspeito de nove crimes.

O agora ex-antiministro do Meio Ambiente deixa um legado sombrio: dois anos de desmatamento em alta, dois recordes sucessivos de queimadas na Amazônia, 26% do Pantanal carbonizado, omissão diante do maior derramamento de óleo da história do Brasil, emissões de carbono em alta e a imagem internacional do país na lama. Para não dizer que só destruiu tudo, Salles acrescentou uma expressão ao léxico do português brasileiro: “boiada”, como sinônimo de destruição ambiental.

Embora seja evidentemente um grande dia para o meio ambiente no Brasil, é preciso lembrar que Salles foi sintoma e não doença. Apenas cumpriu com extrema eficiência os objetivos declarados de Jair Bolsonaro de fechar na prática o Ministério do Meio Ambiente e “meter a foice” nos órgãos ambientais. A política ambiental do atual regime, ditada pelo Presidente da República, não mudará com a troca de seu executor – como não mudaram a Educação, a Cultura e a Saúde. Enquanto Jair Bolsonaro estiver no cargo, com aliados como Arthur Lira para passar a boiada no Congresso, o meio ambiente e os povos indígenas não terão um dia sequer de paz. Seguiremos sendo um pária internacional e um risco climático planetário.

Que a Justiça ao menos dê a Ricardo Salles o que ele merece.

Aspas de Marcio Astrini, secretário executivo do Observatório do Clima:

“Salles sai assim como entrou: devendo para a Justiça. Recuso chamá-lo de ex-ministro do meio ambiente, porque nunca o foi, não merece tal título. Sua falta só será sentida por madeireiros ilegais, grileiros  e desmatadores de florestas. No mais, é bom considerar que, no atual governo, mudam os urubus, mas a podridão continua a mesma. Quem agora sentar na cadeira de ministro será para obedecer as ordens de Bolsonaro e continuar a implementar política de destruição ambiental, assim como Salles fez.”

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui