Quatro defensores ambientais são mortos a cada semana



Sofía Garcia León |Programa de Direitos Humanos e Meio Ambiente da organização jurídica AIDA na Cidade do México.

Estima-se que, de Dezembro de 2015, quando foi adotado o Acordo de Paris – visando fortalecer a resposta global à crise climática – até Dezembro de 2019, uma média de quatro defensores ambientais foram mortos a cada semana. Isso além de inúmeros ataques violentos, prisões, ameaças de morte e ações judiciais por parte de agentes estatais e privados.

Esta é uma das principais conclusões do Relatório da Global Witness, Defendendo o amanhã: A crise climática e as ameaças contra os defensores da terra e do meio ambiente, que foi lançado em Julho. O documento mostra a ligação inegável entre a atenção à crise climática e o trabalho dos defensores dos direitos humanos.

A ONG internacional contribui para acabar com os abusos dos direitos humanos e do meio ambiente, motivados pela gestão e uso dos recursos naturais, bem como pela corrupção. A cada ano, publica um Relatório apresentando suas conclusões sobre conflitos socioambientais e a situação das defensoras e defensores de direitos humanos no mundo.

Este Relatório chama a atenção para uma grave contradição diante de um problema crítico: os defensores dos direitos humanos desempenham um papel crucial na luta contra a emergência climática, mas muitos governos, empresas e instituições financeiras não conseguiram proteger suas vidas e trabalho.

Deixar de proteger aqueles que cuidam de nós

A crise climática é uma ameaça real e tangível à própria vida e requer soluções drásticas. A comunidade científica internacional alertou para as graves consequências de não limitar as atividades humanas que aceleram o aquecimento global.

Precisamos de políticas públicas de adaptação e mitigação, para acabar com o uso de combustíveis fósseis, para proteger a natureza e não criminalizar sua defesa. No entanto, os mecanismos estatais têm sido mais eficazes na promoção das indústrias extrativas e têm feito pouco progresso no que realmente importa. 

O Relatório da Global Witness observa que a agricultura em grande escala, a extração de hidrocarbonetos e especialmente a mineração são as principais indústrias que geram conflitos e violência contra os defensores. Ao mesmo tempo, lideram as atividades que agravam a emergência climática, pois envolvem o corte raso de florestas e a emissão de gás carbônico na atmosfera.

Ecoando pesquisas recentes, o Relatório observa que as comunidades indígenas e locais em todo o mundo se preocupam com as florestas que absorvem o equivalente a 33 vezes as nossas atuais emissões anuais de carbono. Em outras palavras, seu papel na mitigação da crise climática é vital.

Também foi demonstrado que as terras administradas por povos indígenas apresentam taxas de desmatamento mais baixas e melhores resultados de conservação do que as áreas de proteção que excluem esses povos. Apesar disso, os defensores indígenas sofrem um número desproporcional de ataques. Entre 2015 e 2019, eles representam mais de um terço dos ataques contra defensores, apesar de representarem apenas 5% da população mundial, afirma o relatório. E só no ano passado, 40 por cento dos mortos pertenciam a comunidades indígenas.

A crise climática e a violência contra os defensores dos direitos humanos têm impactos diversos. Mas em ambos os casos, os povos indígenas, afrodescendentes, comunidades camponesas e mulheres correm um risco desproporcional. As defensoras não apenas enfrentam a violência contextual como o resto da comunidade, mas são frequentemente estigmatizadas por seu papel como mulheres e defensoras. Por sua vez, podem se tornar vítimas de violência sexual, prática historicamente utilizada para mostrar poder sobre corpos e territórios.

Aumentando a violência contra os defensores

De acordo com a Global Witness, 2019 foi o ano mais mortal já registrado para os defensores, com 212 assassinatos. Mais de dois terços dos crimes foram registrados na América Latina, que tem sido consistentemente a região mais afetada desde que a organização começou a publicar esses dados em 2012. Só na Amazônia, houve 33 mortes (90% dos assassinatos no Brasil ocorreram lá). Na Colômbia, houve 64 assassinatos, um aumento de 150% em relação a 2018 e o número mais alto que a organização já registrou no país. E Honduras, com 14 mortes, tornou-se o país mais perigoso em 2019 em termos de número de assassinatos por milhão de pessoas. As Filipinas e a Colômbia juntas representam mais da metade de todos os assassinatos de defensores ambientais registrados no ano passado.

O Relatório é muito claro ao mencionar que a intimidação, o assédio e a violência contra os defensores têm suas causas estruturais na articulação entre governos, empresas e sindicatos. As ações e omissões dos Estados resultaram em estigmatização, criminalização e assassinatos.

O documento inclui um mapa global com casos concretos de violência e ações de defensores dos direitos humanos e da sociedade civil. Um desses casos é o de mulheres da microrregião de Ixquisis, Guatemala, que defendem seu território a partir de dois projetos hidrelétricos. Por meio de sua luta, eles conseguiram que sua denúncia fosse atendida pelo mecanismo de prestação de contas do Banco Interamericano de Desenvolvimento, um dos financiadores das barragens. AIDA (AIDA é uma organização jurídica que aplica e fortalece o Direito Internacional desde o Chile aos Estados Unidos.) representa a comunidade nesse caso.

Colocando os defensores em primeiro lugar

É cada vez mais claro que os defensores do meio ambiente correm o risco de se opor a projetos que agravam a crise climática. Portanto, é urgente priorizar dentro da ação climática a proteção e a erradicação de toda violência contra eles. A situação apresentada é grave e exige soluções comprometidas com o planeta e com as pessoas. É preciso respeitar e garantir os direitos dos defensores à participação, associação, acesso à informação e justiça.

Os Estados devem pôr fim à violência no âmbito de suas obrigações internacionais; fornecer proteção imediata aos defensores; e implementar medidas transformadoras por meio de ações jurídicas, políticas e administrativas, de acordo com os padrões internacionais de direitos humanos. Tais ações incluem a ratificação do Acordo Escazú e a adaptação normativa necessária para garantir os direitos fundamentais à vida, integridade e meio ambiente saudável e para defender os direitos humanos.

Além disso, devem promover transições que superem a longa cadeia de impactos sobre os direitos humanos e o meio ambiente a partir da extração de combustíveis fósseis. Diante disso, e no âmbito da obrigação de devida diligência, a responsabilidade corporativa é fundamental para deter, prevenir e investigar possíveis conflitos ou violência contra os defensores dos direitos humanos.

Finalmente, é necessária uma transição social, política e ecológica que respeite plenamente os direitos ambientais e humanos. A transição deve garantir que as lacunas de desigualdade não sejam ampliadas, abordar as causas estruturais dos conflitos para alcançar um Planeta sem violência, mitigar os danos ambientais e climáticos e garantir justiça para todos.

FONTE:

https://aida-americas.org/en/blog/defending-the-environment-is-defending-our-future-from-the-climate-crisis?emci=62a56abc-b602-eb11-96f5-00155d03affc&emdi=bd6dec68-ee03-eb11-96f5-00155d03affc&ceid=875030

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui