Por que as promessas verdes não criarão as florestas naturais que precisamos



Fred Pearce  ||  Escritor e jornalista. Colaborador da Yale Environment 360. Autor de “Os arquivos climáticos: a batalha pela verdade sobre o aquecimento global”.

Nações ao redor do mundo se comprometeram a aumentar sua cobertura florestal plantando milhões de árvores. Mas novas pesquisas mostram que grande parte desse crescimento seria em plantações de monoculturas que seriam rapidamente cortadas e pouco fariam para enfrentar a mudança climática ou preservar a biodiversidade.

Os especialistas concordam: Reflorestar o nosso Planeta é um dos grandes desafios ecológicos do Século 21. É essencial atingir as metas climáticas, o único caminho para conter a crise de extinção e quase certamente a melhor maneira de manter as chuvas do Planeta. Pode também impulsionar a subsistência de centenas de milhões de habitantes de antigas terras florestais.

A boa notícia é que, embora o desmatamento continue em muitos países, o reflorestamento está em andamento em muitos outros. Da Índia à Etiópia, e da China à Costa Rica, há mais árvores hoje do que havia 30 anos atrás, salvando espécies, reciclando chuva e sugando dióxido de carbono do ar. O Bonn Challenge, um acordo internacional firmado há oito anos para acrescentar 1,35 milhões de milhas quadradas de florestas (uma área um pouco maior que a da Índia) à superfície terrestre do planeta até 2030, está no caminho certo.

Mas que tipo de florestas são?

Uma avaliação condenatória publicada no início deste mês na revista Nature trouxe más notícias. Pesquisadores florestais analisaram as letras pequenas das declarações do governo sobre que tipo de florestas planejavam criar. Eles descobriram que 45% das novas florestas prometidas serão plantações de monoculturas de árvores de rápido crescimento, como acácia e eucalipto, geralmente destinadas à colheita em tempo duplo rápido para fazer celulose para papel.

Greenpeace

Tais florestas frequentemente diminuiriam a biodiversidade em vez de aumentá-la, e somente manteriam uma pequena fração do carbono que poderia ser capturado, dando espaço para as florestas naturais. Outros 21% do “reflorestamento” plantariam frutas e outras árvores em fazendas como parte de programas agroflorestais; apenas 34% seriam florestas naturais.

“Os formuladores de políticas estão interpretando mal o termo restauração florestal e enganam o público”, comentaram num blog os dois principais autores do estudo, o geógrafo Simon Lewis, da Universidade de Leeds, e pesquisador de florestas tropicais, Charlotte Wheeler, da Universidade de Edimburgo. Eles dizem “é um escândalo”.

Especialistas em silvicultura e clima dizem que as plantações de monoculturas de madeira têm o seu lugar, mas que elas devem estar além das 1,35 milhões de milhas quadradas de florestas naturais restauradas, não em vez delas. Esses especialistas também dizem que um componente importante do reflorestamento é apoiar políticas que ajudem as florestas destruídas e as terras degradadas a se regenerarem naturalmente na selva ou nas florestas, promovendo, assim, armazenamento significativo de carbono e promovendo a biodiversidade. Richard Houghton, ecologista do Woods Hole Research Center, em Massachusetts, estimou que, se as florestas tropicais degradadas pudessem regredir, elas poderiam capturar até 3 bilhões de toneladas de carbono anualmente por até 60 anos, potencialmente “fornecendo uma ponte para um mundo livre de combustível fóssil”.

As florestas do mundo são o lar de metade de todas as espécies terrestres. Sua folhagem recicla as chuvas para impedir que os interiores dos continentes se transformem em deserto e armazenam CO2 que de outra forma aumentaria o aquecimento global. Sua restauração está se tornando rapidamente um chamado global, essencial para proteger a biodiversidade e o clima.

Grupos ambientalistas como The Nature Conservancy e World Resources Institute (WRI) anunciam o potencial ambiental – e a racionalidade econômica – para colocar o reflorestamento no centro das “soluções naturais” para as mudanças climáticas. Essas novas florestas “podem fornecer 37% de mitigação custo-efetiva de CO2 necessário até 2030” para conter o aquecimento, concluiu um estudo internacional liderado por Bronson Griscom, da The Nature Conservancy.

O World Wildlife Fund (WWF) pediu o plantio e a proteção de 1 trilhão de árvores em todo o mundo. As Nações Unidas declararam recentemente que os anos 2020 seriam a “Década da Restauração dos Ecossistemas”. Assim como as promessas feitas em Bonn, o reflorestamento é fundamental para cumprir as promessas de emissões de muitos países feitas na conferência climática de Paris em 2015.

Mas há preocupações crescentes de que a agenda de reflorestamento esteja se tornando uma cobertura verde para um novo ataque aos ecossistemas do mundo, e que isso prejudicará sua capacidade de gerar clima.

O reflorestamento está acontecendo. Muitos países em terras temperadas vêm aumentando gradativamente sua cobertura florestal há décadas. A Europa tem um terço a mais de árvores do que há um século, à medida que invadem áreas agrícolas indesejáveis. Algumas das maiores expansões ocorreram em países da Europa Oriental, como a Romênia e a Polônia, desde o colapso do regime comunista, quando as fazendas coletivas estaduais foram abandonadas. Na Nova Inglaterra, as florestas recolonizaram 15.400 milhas quadradas, uma área de quase o dobro do tamanho de Massachusetts, desde meados do Século 19.

Mas se há uma data em que o reflorestamento decolou como um projeto de política global, foi provavelmente há 20 anos, quando a China culpou o desflorestamento por grandes inundações ao longo do Rio Yangtze. Em 1999, Pequim proibiu o desmatamento em solo chinês e lançou o Programa de Conversão de Culturas em Florestas, às vezes chamado de “Grão Verde”. Hoje, o programa já pagou mais de 100 milhões de agricultores em todo o país para plantar árvores e restaurar mais de 108.000 milhas quadradas de floresta.

A eficácia do programa tem sido frequentemente questionada. Um componente importante, o projeto “Grande Muralha Verde”, que visa impedir a disseminação de desertos no Norte da China, plantando 100 bilhões de árvores até 2050, tem sido chamado de “conto de fadas” por alguns ecologistas chineses. Eles afirmam que 5 das 6 mudas morreram. O geógrafo David Shankman, professor emérito da Universidade do Alabama e um observador de longa data dos programas de reflorestamento da China, disse à Yale Environment 360: “Não estou confiante no sucesso a longo prazo”.

Um estudo de 2016 sobre o programa geral chinês de Lucas Gutiérrez Rodríguez, do Centro de Pesquisa Florestal Internacional em Bogor, na Indonésia, descobriu que a pesquisa publicada era distorcida e variável. Os impactos na biodiversidade foram por vezes negativos. Na ilha de Hainan, por exemplo, o programa de reflorestamento substituiu tradicionalmente os sistemas agrícolas de biodiversidade por monoculturas de eucalipto e borracha. E muitos agricultores que pegaram dinheiro para plantar árvores em suas terras disseram que iriam cortá-los novamente quando os subsídios parassem. Mas Rodríguez concordou que, apesar de suas falhas, a China tinha visto “um aumento substancial na cobertura florestal e nos estoques de carbono associados”.

Outros países em desenvolvimento também fizeram a transição do desmatamento para o reflorestamento. A Costa Rica viu seu declínio da cobertura florestal de 75% em 1940 para 20% no final da década de 1980, principalmente por meio da liberação de fazendas de gado. Mas com o governo pagando aos usuários da terra para nutrir novas florestas de espécies de árvores nativas, a cobertura já se recuperou para mais de 50%.

O Nepal tem visto um desenvolvimento notável de florestas comunitárias. Cerca de 17.000 grupos de usuários florestais comunitários autônomos, com direitos para manejar suas florestas e controlar o acesso, levaram a um aumento na cobertura florestal nacional de cerca de 20% nas últimas três décadas. Essas novas florestas são em grande parte compostas de espécies nativas.

No Níger, à beira do Deserto do Saara, os agricultores derrubaram décadas de conselhos de consultores agrícolas do governo e começaram a cultivar em vez de remover árvores em suas terras. O movimento de base começou em meados da década de 1980 em uma única aldeia, diz Chris Reij, então da Universidade VU, em Amsterdã, e agora no WRI, que a descobriu. Os agricultores de Dan Saga, na região de Maradi, descobriram por acaso que obtinham melhores rendimentos de grãos se deixassem as árvores crescerem; as árvores estabilizaram os solos, ajudaram a reter o nitrogênio e deixavam cair folhas que mantinham a umidade do solo. A ideia se espalhou e hoje, a prática se estende por 12,3 milhões de acres e 200 milhões de árvores.

Cada vez mais, os governos estão se convencendo de que as florestas podem ser um benefício para os meios de subsistência rurais. Desde o lançamento do Desafio de Bonn, 58 países firmaram compromissos formais sobre o reflorestamento, cobrindo mais de 650.000 milhas quadradas que, segundo eles, acabarão por capturar o equivalente a quase meio ano de emissões industriais globais de CO2.

Outros compromissos que não são de Bonn – por exemplo, como parte das promessas climáticas de Paris – estendem o reflorestamento total em países tropicais a 1,1 milhão de milhas quadradas, diz Lewis. Os países com compromissos superiores a 38.000 milhas quadradas incluem o Brasil, a China, a Índia, a Etiópia, os Estados Unidos, a Nigéria, a Indonésia, o México, o Vietnã e a República Democrática do Congo.

Mas Lewis diz que muitas dessas promessas são enganosas. A análise que ele e Wheeler fizeram dos planos apresentados ao Secretariado do Desafio de Bonn e em outros lugares, descobriram que no Brasil, por exemplo, 82% da restauração prometida são, na verdade, monoculturas em vez de florestas naturais. Na China, o número é de 99%.

Florestas naturais de maturação longa acabarão por armazenar 40 vezes mais carbono do que uma plantação colhida uma vez por década. “As plantações têm pouco mais carbono, em média, do que a terra limpa para plantá-las”, diz Lewis. O mesmo se aplica às plantações propostas de floresta para fornecer biomassa para queima nas usinas.

A agrossilvicultura – definida como a integração e o cultivo de árvores em fazendas – é bastante melhor, mantendo tipicamente seis vezes mais carbono do que as monoculturas, embora seja apenas um sétimo a mais do que florestas naturais. Muitos países africanos estão comprometidos com o reflorestamento, principalmente por meio de sistemas agroflorestais, incentivando os pequenos proprietários a plantar árvores não-madeireiras, como manga, caju ou cacau em seus campos.

Apoiada por US $ 1 bilhão do Banco Mundial, a Iniciativa de Restauração da Paisagem Florestal da África visa restaurar 386.000 milhas quadradas de floresta até 2030, a maior parte em terras agrícolas. O modelo é a Etiópia, onde, na esteira da seca desastrosa dos anos 80, os agricultores plantaram 2,5 milhões de acres de árvores entre suas plantações somente na província de Tigray.

Algumas nações fizeram grandes promessas para restaurar florestas naturais. Eles incluem o Vietnã e a Índia, que planejam atender a mais de 60% do prometido reflorestamento extensivo dessa maneira. De acordo com o projeto de plano florestal de 2018, a Índia pretende aumentar a cobertura florestal dos atuais 24% para 33%.

Mesmo assim, conclui Lewis, a preponderância de países que planejam cumprir seus compromissos principalmente por meio de plantações ou agroflorestal significa que eles apenas capturarão um quinto do carbono que produziriam se restaurassem florestas naturais. Ele estima que capturará cerca de 16 bilhões de toneladas, em comparação com os 200 bilhões de toneladas que um relatório recente do IPCC estima que precisaria ser removido da atmosfera neste século para ajudar a manter o aquecimento a 1,5ºC.

“Se o desmatamento puder ser reduzido, a África poderá rapidamente se tornar um sumidouro significativo de carbono”, diz um biólogo.

Mas esses cálculos deixam de fora um componente adicional, diz Edward Mitchard, da Universidade de Edimburgo, coautor do artigo de Lewis e Wheeler. Em grande parte despercebidas, muitas florestas degradadas estão se recuperando, capturando carbono e muitas vezes retendo parte de sua antiga biodiversidade. Mitchard descobriu como, enquanto os agricultores africanos se dirigem para empregos nas cidades, seus antigos campos são consumidos pela selva. “Se o desmatamento puder ser reduzido, a África poderá rapidamente se tornar um sumidouro significativo de carbono”, disse ele à Yale Environment 360.

Outros pesquisadores seguem uma linha similar. Philip G. Curtis, consultor do Consórcio de Sustentabilidade (sem fins lucrativos), estimou que apenas cerca de um quarto do desmatamento anual é permanente. Grande parte do restante – seja perdido em incêndios, agricultura itinerante ou extração de madeira – acabará se recuperando. Uma avaliação estima que o mundo contém cerca de 7,7 milhões de milhas quadradas de terras degradadas, adequadas para a restauração florestal, um quarto para florestas fechadas e o restante para restauração “em mosaico”, em que as florestas estão inseridas em paisagens agrícolas.

Outros argumentam que a restauração florestal bem-sucedida exigirá envolvimento e controle muito maiores das comunidades florestais. Se mal administrada, a obtenção de terras para o reflorestamento pode resultar em “apropriação verde”, já que a terra é entregue a corporações externas ou até mesmo a ONGs, segundo Rebecca McLain, porta-voz do Centro Internacional de Pesquisa Florestal. “Direitos de posse são muitas vezes fundamentais.”

Mas a linha de fundo, diz Lewis, é que “para conter o aquecimento global, o desmatamento deve parar. E os programas de restauração em todo o mundo devem devolver todas as terras degradadas às florestas naturais”. O perigo, diz ele, é que ao tentar contrabandear as plantações de árvores para acordos globais de restauração de florestas reais, os governos correm o risco de minar o que ainda pode se tornar a maior história redenção ecológica no Século 21.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui