Polônia fechará suas últimas minas de carvão em 2049

Mina de Carvão - Foto: Pixabay


Concepcion Alvarez | Jornalista da Novethic, com AFP

A Polônia dá mais um passo em direção à neutralidade de carbono. O único estado-membro da União Europeia que não endossou este objetivo, Varsóvia está multiplicando os sinais positivos. Diante das perdas colossais sofridas pela indústria do carvão, o governo anunciou o fim da mineração de carvão para 2049, de acordo com um convênio firmado entre o governo conservador polonês e os sindicatos. “Assinamos a liquidação de uma das indústrias mais importantes da história da República da Polônia”, disse Dominik Kolorz, presidente regional do sindicato Solidariedade. Também planeja investir pesadamente em energia nuclear e renováveis, condições sine die para se beneficiar do Just Transition Fund.

Do lado do governo, Artur Sobon, vice-Ministro de Ativos do Estado, chamou o plano de eliminação do carvão de “um caminho justo e equitativo para a transformação da indústria de mineração e energia polonesa”. Os sindicatos originalmente exigiram adiar a data de fechamento das minas para 2060, temendo efeitos econômicos e sociais desastrosos para a bacia de carvão da Silésia, no sudoeste da Polônia. “Nenhum funcionário das minas de carvão perderá o emprego. Foi o elemento mais importante desse acordo para nós”, garantiu Dominik Kolorz.

Nuclear e renovável 

A questão do emprego no setor do carvão é politicamente sensível na Polônia, onde os mineiros e suas famílias ainda constituem um grande eleitorado. Cerca de 80.000 mineiros ainda trabalham no setor. Mas o setor tem sofrido nos últimos anos com a queda dos preços e seus problemas foram agravados por uma queda na demanda ligada à pandemia de COVID-19. Uma das maiores empresas de carvão da Europa, a estatal polonesa PGG, registrou perdas superiores a 100 milhões de euros em 2019, enquanto este ano suas receitas caíram ainda mais.

A Polónia depende 77% do carvão para a sua produção de eletricidade. De acordo com um estudo da BloombergNEF, a trajetória mais barata para o país seria reduzir essa participação para menos de 30% até 2030, enquanto 80% das minas de carvão polonesas não foram lucrativas em 2017. Para acelerar sua saída carvão, o governo polaco anunciou também no início de setembro que pretendia investir 33 bilhões de euros em energia nuclear e renováveis ​​(nomeadamente eólica offshore) com a criação de 300.000 empregos.

Fonte:

https://www.novethic.fr/actualite/energie/energies-fossiles/isr-rse/bonne-nouvelle-la-pologne-fermera-sa-derniere-mine-de-charbon-en-2049-149070.html?utm_source=Abonn%C3%A9s+Novethic&utm_campaign=0399615f17-Recap_2020_10_13&utm_medium=email&utm_term=0_2876b612e6-0399615f17-171505189

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui