Planeta em chamas: Incêndios climáticos e guerra política das chamas

Stop burning my ancestors - Foto: EcoWatch

Camila Nascimento || Jornalista do WEF no Brasil – Advice

Jason Groves, Diretor de Comunicações Internacionais, Marsh & McLennan Companies

Pavel Osipyants, Gerente Sênior de Relações com a Mídia, Zurich Insurance Group

A polarização econômica e política aumentará este ano, uma vez que a colaboração entre líderes mundiais, empresas e formuladores de políticas torna-se mais do que nunca necessária para impedir graves ameaças ao nosso clima, meio ambiente, saúde pública e sistemas de tecnologia. Isso aponta para uma clara necessidade de uma abordagem multissetorial para mitigar riscos em um momento em que o mundo não pode esperar que o nevoeiro da desordem geopolítica se dissipe. Estas são as conclusões do “Relatório Global de Riscos 2020” do Fórum Econômico Mundial, publicado no dia 15 deste mês (Janeiro).

O Relatório prevê um ano de aumento dos embates, divisões domésticas e internacionais e desaceleração econômica. A turbulência geopolítica está nos levando a um mundo unilateral “instável” de grandes rivalidades de poder, em uma época na qual os líderes empresariais e governamentais devem se concentrar urgentemente em trabalhar juntos para enfrentar os riscos compartilhados.

Mais de 750 especialistas e tomadores de decisão globais foram convidados a classificar suas maiores preocupações em relação à probabilidade e impacto e 78% disseram esperar que “confrontos econômicos” e “polarização política doméstica” aumentem em 2020.

Isso seria catastrófico, principalmente para enfrentar desafios urgentes como a crise climática, a perda de biodiversidade e o declínio recorde de espécies. O Relatório, produzido em parceria com a Marsh & McLennan e o Zurich Insurance Group, aponta para a necessidade de os formuladores de políticas combinarem objetivos de proteção da Terra com metas que impulsionem as economias, e que as empresas evitem os riscos de perdas futuras potencialmente desastrosas ajustando-se a essas metas baseadas na ciência.

Pela primeira vez nas perspectivas de 10 anos da pesquisa, os cinco principais riscos globais em termos de probabilidade são todos ambientais. O Relatório dispara o alarme:

1 – Eventos climáticos extremos com grandes danos à propriedade, infraestrutura e perda de vidas humanas.

2 – Falha na mitigação e adaptação às mudanças climáticas por governos e empresas.

3 – Danos e desastres ambientais causados pelo homem, incluindo crimes ambientais, como derramamentos de óleo e contaminação radioativa.

4 – Grande perda de biodiversidade e colapso do ecossistema (terrestre ou marinho), com consequências irreversíveis para o meio ambiente, resultando em recursos severamente esgotados para a humanidade e para as indústrias.

5 – Desastres naturais graves, como terremotos, tsunamis, erupções vulcânicas e tempestades geomagnéticas.

O Relatório ainda acrescenta que, a menos que os stakeholders se adaptem à “mudança de poder histórica de hoje” e à turbulência geopolítica, enquanto ainda se preparam para o futuro, o tempo se esgotará para enfrentar alguns dos mais prementes desafios econômicos, ambientais e tecnológicos. Isso indica onde as ações de empresas e formuladores de políticas são mais necessárias.

“O cenário político está polarizado, o nível do mar está subindo e os incêndios climáticos estão incinerando. Este é o ano em que os líderes mundiais devem trabalhar com todos os setores da sociedade para reparar e revigorar nossos sistemas de cooperação, não apenas para benefícios a curto prazo, mas também para enfrentar nossos riscos profundamente enraizados”, disse Borge Brende, Presidente do Fórum Econômico Mundial.

O Relatório Global de Riscos faz parte da “Iniciativa Global de Riscos” que reúne os stakeholders para desenvolver soluções integradas e sustentáveis para os desafios mais prementes do mundo. É necessário pensar sistemicamente para enfrentar os riscos geopolíticos e ambientais iminentes e ameaças que, de outra forma, podem estar sob o radar. O Relatório deste ano se concentra explicitamente nos impactos da crescente desigualdade, lacunas na governança de tecnologia e sistemas de saúde sob pressão.

John Drzik, Presidente da Marsh & McLennan Insights, disse: “Há uma pressão crescente nas empresas por parte dos investidores, reguladores, clientes e funcionários para que elas demonstrem sua resiliência à crescente volatilidade climática. Os avanços científicos significam que os riscos climáticos agora podem ser modelados com maior precisão e incorporados ao gerenciamento de riscos e aos planos de negócios. Eventos de alto impacto, como incêndios florestais recentes na Austrália e na Califórnia, estão pressionando as empresas a tomar medidas contra os riscos climáticos em um momento em que elas também enfrentam maiores desafios geopolíticos e de riscos cibernéticos”.

Para as gerações mais jovens, o estado do Planeta é ainda mais alarmante. O Relatório destaca como os riscos são vistos pelos nascidos após 1980. Eles classificaram os riscos ambientais a curto e longo prazo num grau mais elevado do que outros entrevistados. Quase 90% desses entrevistados acreditam que “ondas de calor extremo”, “destruição de ecossistemas” e “saúde impactada pela poluição” serão agravadas em 2020; comparado a 77%, 76% e 67%, respectivamente, para outras gerações. Eles também acreditam que o impacto dos riscos ambientais até 2030 será mais catastrófico e mais provável.

A atividade humana já causou a perda de 83% de todos os mamíferos selvagens e de metade das plantas que sustentam nossos sistemas de alimentos e saúde. Peter Giger, Diretor de Riscos do Zurich Insurance Group, alertou sobre a necessidade urgente de se adaptar mais rapidamente para evitar piores e irreversíveis impactos das mudanças climáticas e de fazer mais para proteger a biodiversidade do Planeta: “Ecossistemas biologicamente diversos capturam grandes quantidades de carbono e fornecem enormes benefícios econômicos estimados em US$ 33 trilhões por ano; o equivalente ao PIB dos EUA e da China juntos. É fundamental que as empresas e os formuladores de políticas avancem mais rapidamente para uma economia de baixa emissão de carbono e modelos de negócios mais sustentáveis. Já estamos vendo empresas destruídas por não alinhar suas estratégias às mudanças nas políticas e nas preferências dos clientes. Os riscos de transição são reais e todos devem fazer sua parte para mitigá-los. Não é apenas um imperativo econômico, é realmente a coisa certa a fazer”, disse ele.

O “Relatório Global de Riscos 2020” foi desenvolvido com o apoio do Conselho Consultivo para Riscos Globais do Fórum Econômico Mundial. Ele também se beneficia da colaboração contínua com seus parceiros estratégicos Marsh & McLennan e Zurich Insurance Group, e seus consultores acadêmicos na Oxford Martin School (Universidade de Oxford), na Universidade Nacional de Singapura e no Centro de Processos de Decisão e Gerenciamento de Risco Wharton (Universidade da Pensilvânia).

Avaliação

Os entrevistados foram convidados a avaliar: (1) a probabilidade de ocorrência de um risco global ao longo dos próximos 10 anos e (2) a gravidade de seu impacto globalmente, caso ocorra.

Estes são os 5 principais riscos, por probabilidade, nos próximos 10 anos:

1. Eventos climáticos extremos (por ex., inundações, tempestades, etc.)

2. Falha na mitigação e adaptação às mudanças climáticas.

3. Grandes desastres naturais (por ex., terremotos, tsunamis, erupções vulcânicas, tempestades geomagnéticas).

4. Grande perda de biodiversidade e colapso do ecossistema.

5. Danos e desastres ambientais causados pelo homem.

Estes são os 5 principais riscos, por gravidade de impacto, nos próximos 10 anos:

1. Falha na mitigação e adaptação às mudanças climáticas.

2. Armas de destruição em massa.

3. Grande perda de biodiversidade e colapso do ecossistema.

4. Eventos climáticos extremos (por ex., inundações, tempestades, etc.).

5. Crises hídricas.

Os riscos globais não são isolados e, portanto, os entrevistados foram convidados a avaliar as interconexões entre pares de riscos globais.

Estes são os principais riscos globais mais fortemente conectados:

1. Eventos climáticos extremos + falha na mitigação e adaptação às mudanças climáticas.

2. Ataques cibernéticos em larga escala + quebra de infraestrutura e redes de informação críticas.

3. Desemprego ou subemprego estrutural elevado + consequências adversas dos avanços tecnológicos.

4. Grande perda de biodiversidade e colapso do ecossistema + falha na mitigação e adaptação às mudanças climáticas.

5. Crise de alimentos + eventos climáticos extremos.

Riscos a curto prazo: porcentagem de entrevistados que pensam que um risco aumentará em 2020:

1. Confrontos econômicos = 78,5%

2. Polarização política doméstica = 78,4%

3. Ondas de calor extremas = 77,1%

4. Destruição de ecossistemas de recursos naturais = 76,2%

5. Ataques cibernéticos: infraestrutura = 76,1%

O Fórum Econômico Mundial é uma organização internacional para a cooperação público-privada. O Fórum envolve os principais líderes políticos, empresariais e outros da sociedade para moldar agendas globais, regionais e setoriais. (www.weforum.org).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui