Pela declaração de independência dos habitantes da Terra

Riccardo Petrella - Foto: Lorenzo Gaudenzi


Riccardo Petrella || Cientista Político. Presidente do Instituto Europeu de Pesquisa para a Política da Água. Ex-chefe do FAST – Previsão e Avaliação em Ciência e Tecnologia da Comissão Europeia

O fracasso da COP25 constitui uma ruptura violenta e deliberada do contrato de confiança assinado pelos grupos sociais dominantes com os habitantes da Terra em nome de quem eles fizeram 25 grandes conferências mundiais desde 1994.

“Shame”, “Vergonha” gritaram em todo o mundo milhões e milhões de pessoas que lutaram por mais de meio século contra a devastação ambiental, os desastres econômicos e as depredações sociais e que acreditavam que os líderes políticos públicos do mundo finalmente tomariam as decisões necessárias de face ao verdadeiro espectro do desastre planetário.

Nada mesmo. Os grupos sociais dominantes proclamaram, sem hipocrisia, mas com um cinismo miserável, que: “não há alternativa” ao sistema atual; que na vida de todos os habitantes da Terra eles não se importam, que o que lhes interessa é exclusivamente suas vidas, seu poder, sua sobrevivência. O resto pode ir para o inferno, porque não é problema deles, convencido de que seu dinheiro e sua tecnociência (suas tecnologias “inteligentes”) os salvarão; salvarão seus netos e descendentes, sua parte da cidade, seu local de diversão e férias. Eles também acreditam que a maioria da população de seus países os seguirá, enfatizando que eles não chegaram a um acordo porque defenderam o sistema capitalista, o qual permaneceria – em sua opinião, mas contra toda evidência – a fonte da riqueza “coletiva” e da felicidade que todos queriam defender acima de tudo os interesses e a vida de seus próprios cidadãos, de sua “nação”. Que mentira grotesca!

Diante de tal ruptura, não podemos mais procrastinar o que os sinceros defensores da vida de todos os habitantes da Terra (incluindo todas as espécies vivas) tentaram evitar, concordando em permanecer no caminho do diálogo, da confiança, na busca de compromissos aceitáveis em nome da Humanidade e da Terra.

Os habitantes da Terra devem agora lutar para se libertar do domínio dos atuais “senhores” do mundo e pôr um fim aos seus crimes contra a Humanidade e a Mãe Terra. Já não se trata apenas de reparar os danos da falência do multilateralismo intergovernamental e internacional que pretendiam administrar a vida e as relações entre todos os habitantes da terra (ONU, BM, FMI, FAO, OMS, UNICEF, OMC…), nem de impedir a ascensão assassina do nacionalismo, do racismo e do apartheid social de acordo com o trio de medo/ódio/rejeição.

Trata-se de liberar a vida das cadeias com as quais aqueles que, a título privado e soberano, aprisionam e sufocam, que são as grandes corporações multinacionais globais, os Estados militares e nucleares, os mestres tecnológicos. Não devemos mais aceitar que uma pessoa, um Presidente dos Estados Unidos, Trump, possa iniciar uma guerra tributária aduaneira, colocando em crise a existência de bilhões de seres humanos. É necessário colocar fora da Lei um sistema econômico que permite a um um chefe de uma multinacional (Besoz/Amazon) pagar a sua ex-mulher 36 bilhões de dólares pelo divórcio, de uma fortuna pessoal de 152 bilhões, enquanto um professor de escola primária na Itália, que ganha 1.500 euros líquidos por mês, teria que trabalhar mais de 1.900.000 anos para ganhar € 36 bilhões. Devemos lutar contra predadores pela descolonização do Planeta e da Vida.

Hoje é o início da conquista da independência de todos os habitantes da Terra.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui