PASSANDO A BOIADA NO JARDIM BOTÂNICO

Museu do Meio Ambiente - Jardim Botânico - Rio de Janeiro



Liszt Vieira | Defensor Público e Ex-Presidente do Jardim Botânico

Fabio Scarano | Professor da UFRJ e Ex-Diretor de Pesquisas do Jardim Botânico

Segundo publicado na coluna de Lauro Jardim, no jornal O Globo de 6/12 passado, o Ministro Ricardo Salles quer transformar o Museu do Meio Ambiente do Jardim Botânico do Rio de Janeiro em hotel, numa cidade onde a taxa de ocupação hoteleira já era inferior a 50% antes da pandemia.

A criação do Museu do Meio Ambiente foi um trabalho em equipe que exigiu um esforço enorme. Um prédio condenado a desabar, fechado há décadas, foi todo restaurado e adaptado para funcionar como Museu, que ofereceu à sociedade inúmeras exposições de conteúdo ambiental e cultural.

Apesar de todas as dificuldades orçamentárias, conseguimos realizar parcerias que viabilizaram a instituição do Museu do Meio Ambiente, com um programa educativo e de divulgação, que recebeu crianças de escolas públicas e particulares, especialistas e o público em geral. Ele se notabilizou também pelas exposições que ofereceu, como o Gabinete de Curiosidades de Domenico Vandelli, Darwin Origens e Evolução, Diversidade do Artesanato Brasileiro, Obras Raras do Jardim Botânico, 200 Anos da Expedição de Spix e Martius pelo Brasil, Rede Abrolhos, Gênesis – Jornada Fotográfica de Sebastião Salgado, Portinari, Metamorfose, Mata Atlântica – Ciência e Arte, Orquídeas etc. 

De um lado, o Jardim Botânico do Rio de Janeiro é o instituto de pesquisa do Ministério do Meio Ambiente, que oferece ciência de qualidade e de padrão internacional. Essa ciência se aplica diretamente às ações de conservação da flora brasileira. Do outro lado, o Jardim é um dos três lugares mais visitados do Rio de Janeiro por pessoas de todas as partes, da cidade, do Brasil e do mundo. Isso porque essa instituição bicentenária guarda, em meio às suas aleias de plantas, prédios e obras de arte, a memória histórica do Brasil. Ela guarda também as memórias de muitos de nós que, ali, tivemos os nossos primeiros contatos, ainda na infância, com a força sagrada da biodiversidade brasileira e tropical. O Museu é a ponte entre esses mundos: o da ciência com o da cultura, com os jovens, com o povo. O Museu permite uma percepção do todo indivisível que o Jardim Botânico representa: ciência-arte, natural-cultural, passado-presente-futuro.

O atual governo demonstra, em palavras e ações, não ligar para nada disso. Tem se notabilizado pela destruição do patrimônio ambiental, cultural e científico do Brasil. O desprezo e ignorância em relação à cultura são marcas registradas desse governo, além de outras marcas talvez mais óbvias: a necropolítica liberticida e autoritária, o conservadorismo reacionário em valores e costumes, a exaltação da violência e uso desmedido de metáforas de guerra. O governo Bolsonaro está levando à prática o lema fascista “Abaixo a Cultura” apimentado com uma gestão desastrosa e criminosa da pandemia.

Mesmo diante de todas as evidências e determinações legais e históricas acerca do que é o papel de um Jardim Botânico, será que os setores que apoiam esse governo endossarão mais um crime de responsabilidade?

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui