Como está o buraco na Camada de Ozônio em 2020?

Níveis de ozônio em unidades Dobson - Setembro de 2020 - Imagem: NASA


O Buraco de Ozônio na Antártica atingiu seu tamanho máximo anual em cerca de 24,8 milhões de quilômetros quadrados, cerca de três vezes a área continental dos Estados Unidos, em 20 de Setembro. As observações revelaram a eliminação quase completa do ozônio numa coluna de 1.6 km de altura na estratosfera sobre o Polo Sul.

O ano de 2020 terá o décimo segundo maior buraco de ozônio por área em 40 anos de registros de satélites, com a décima quarta menor quantidade de ozônio em 33 anos de medições instrumentais realizadas em balões, disseram os cientistas. Os contínuos declínios nos níveis de substâncias químicas destruidoras da Camada de Ozônio controlados pelo Protocolo de Montreal impediram que o buraco fosse tão grande quanto teria sido sob as mesmas condições climáticas décadas atrás.

“Desde o pico do ano 2000, os níveis de cloro e bromo da estratosfera antártica caíram cerca de 16% em relação ao nível natural”, disse Paul A. Newman, cientista-chefe de Ciências da Terra no Goddard Space Flight Center da NASA em Greenbelt, Maryland. “Temos um longo caminho a percorrer, mas essa melhoria fez uma grande diferença este ano. O Buraco teria sido cerca de um 1.700.000 de km quadrados maior se ainda houvesse tanto cloro na estratosfera quanto havia em 2000”.

A concentração de ozônio na Antártica na semana de 14 a 20 de Setembro de 2020. Para permitir comparações ano a ano, os especialistas definem o “Buraco de Ozônio” como a área em que os níveis de ozônio estão abaixo de 220 unidades Dobson (azul escuro, marcado com um triângulo preto Barra de cor). Imagem da NOAA Climate.gov com base nos dados do TOAST do Laboratório de Visualização Ambiental da NOAA

O que é o buraco na camada de ozônio e por que ele é importante?

O ozônio é composto de três átomos de oxigênio e é altamente reativo com outros produtos químicos. Na estratosfera, cerca de 11 a 65 km sobre a superfície da Terra, a Camada de Ozônio age como um protetor solar, protegendo o Planeta da radiação ultravioleta que pode causar câncer de pele e catarata, suprimir o sistema imunológico e danificar plantas e plâncton sensível na base da alimentação global corrente. Em contraste, o ozônio que se forma mais perto da superfície da Terra por meio de reações fotoquímicas entre o Sol e a poluição das emissões veiculares e outras fontes, forma poluição atmosférica prejudicial na baixa atmosfera.

O Buraco da Camada de Ozônio na Antártica se forma durante o final do inverno do Hemisfério Sul, quando os raios do Sol que voltam começam as reações que destroem a Camada de Ozônio. As temperaturas frias do inverno que persistem na primavera permitem o processo de destruição da Camada de Ozônio, razão pela qual o “Buraco” se forma sobre a Antártica. Essas reações envolvem formas quimicamente ativas de cloro e bromo derivadas de compostos feitos pelo homem. A química que leva à sua formação envolve reações químicas que ocorrem nas superfícies das partículas de nuvem que se formam nas camadas estratosféricas frias, levando, em última instância, a reações descontroladas que destroem as moléculas de ozônio. Em temperaturas mais altas, menos nuvens estratosféricas polares se formam e elas não persistem por tanto tempo, limitando o processo de destruição da Camada de Ozônio.

A NOAA Ozone Sonda, um instrumento usado para ajudar os cientistas a monitorar o buraco de ozônio da Antártica, sobe sobre o Polo Sul nesta foto de lapso de tempo tirada em 30 de Setembro de 2020. As condições de clima frio ajudaram a criar um grande buraco de ozônio persistente no final de Setembro que durará até Novembro. Foto Yuya Makino / IceCube.

Como a NASA e a NOAA medem o ozônio

NASA e NOAA usam três métodos instrumentais complementares para monitorar o crescimento e a quebra do Buraco de Ozônio a cada ano. Instrumentos de satélite como o Instrumento de  Monitoramento de Ozônio fornecido pela Holanda e Finlândia no satélite Aura da NASA e o Ozone Mapping Profiler Suite’s no satélite NASA-NOAA Suomi National Polar-orbiting Partnership e o satélite polar NOAA-20 medem o ozônio em grandes áreas do espaço. O Microwave Limb Sounder do satélite Aura também mede o ozônio e certos gases que contêm cloro, fornecendo estimativas dos níveis totais de cloro na estratosfera.

Os cientistas da NOAA monitoram a espessura da Camada de Ozônio e a quantidade de destruição do ozônio – o pouco que resta – dentro do Buraco. Eles regularmente lançam balões meteorológicos carregando “sondas” de medição de ozônio acima do Polo Sul que sobem até 34 km de altitude, e, quando o Sol retorna à Antártica após a longa noite polar, com um instrumento baseado em solo chamado espectrofotômetro Dobson.

Este ano, em 1º de Outubro, as medições de ozônio feitas por instrumentos transportados por balões meteorológicos do observatório atmosférico do Polo Sul da NOAA registraram um valor baixo de 104 unidades Dobson. O Ozone Watch da NASA relatou que o menor valor diário para 2020 a partir de medições de satélite foi de 94 unidades Dobson em 6 de Outubro sobre a Antártica.

Bryan Johnson, um cientista do Laboratório de Monitoramento Global da NOAA, disse que os cientistas se concentram na estratosfera entre 12 e 21 km de altitude, que é onde ocorre o esgotamento maior. No final de Outubro, os níveis de ozônio na faixa de altitude chave permaneceram perto de níveis recordes. “É o mais próximo de zero que podemos medir”, disse Johnson. Ainda assim, disse ele, a taxa de redução do ozônio em Setembro diminuiu em comparação com 20 anos atrás, o que é consistente com a existência de menos cloro na atmosfera. 

Para saber mais sobre os esforços da NOAA e da NASA para monitorar o ozônio e os gases que o destroem, visite: https://ozonewatch.gsfc.nasa.gov/ ou https://www.esrl.noaa.gov/gmd/hats/

FONTE:

https://www.climate.gov/news-features/understanding-climate/large-deep-antarctic-ozone-hole-persisting-november-2020

01 Novembro de 2020

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui