Obrigado, René Capriles! Gaia viverá!

René Capriles em uma viagem para Foz do Iguaçu



Ana Huara Capriles e Rudá Capriles | ECO 21

Dez de Maio de 2021: dia em que René Capriles, aos 76 anos, despediu-se de nós. 

Um ser humano intenso, criativo e visionário. Alguém além do seu tempo. Ele inspirava cultura, música, história, política e bom humor. 

Viveu a primeira infância num mundo onde televisão, internet e fotografias coloridas ainda não existiam. Na Amazônia Boliviana, em Rurrenabaque, percebeu que era apenas mais um ser vivo dentro deste complexo sistema-Terra, a Pachamama. Sua trajetória jornalística começou no jornal boliviano El Diario, se graduou em Jornalismo pela Universidad de Mar del Plata, na Argentina. 

Tinha o dom da comunicação, se virava em várias línguas e linguagens. Teatro, dança, cinema… Teve o privilégio de trabalhar com o intelectual Antônio Houaiss e dissertar sobre cinema latino americano na excepcional Enciclopédia Mirador. 

Vera Brandão, René Capriles e Rogério Noel filmando o seu filme “As Pedras do Sol” no sítio arqueológico pré-colombiano de Tiahuanaco na Bolívia

Em Ipanema, meados dos anos 70, participou da criação do “Muro” sua primeira livraria. Posteriormente inaugurou em Copacabana, a Livraria Carlitos. Sob a pesada censura da ditadura militar chegou a ser preso por vender livros sobre Cubismo. Fato que depois renderia muitas risadas, pois evidentemente os agentes que o conduziram não conheciam o movimento artístico vanguardista iniciado por Pablo Picasso e Georges Braque. Com a venda da livraria, continuou atuando como correspondente estrangeiro e trabalhou em diversos países como Argentina, Costa Rica, Panamá, Brasil, França, Itália, Rússia… 

René Capriles com seus amigos Grande Otelo e Nelson Pereira dos Santos

Foi Presidente em duas gestões (1989-1991) da Associação dos Correspondentes de Imprensa Estrangeira no Brasil – ACIE. Como tradutor, legendou para a língua espanhola mais de 500 filmes brasileiros. Foi autor e coautor em diversos livros, com destaque para “Anton Makarenko: Introdução à Pedagogia Socialista”.

Em 1990, se preparando para a Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e o Desenvolvimento, a Rio-92, juntamente com mais dois amigos criou a primeira revista brasileira de informação ambiental, a ECO-RIO. Na época foi muito ousado já que esta temática não era nada popular: a sociedade em geral nunca tinha ouvido falar em mudança climática. 

Como editor da publicação, René foi pioneiro em divulgar artigos de especialistas do mundo todo. A partir de 1992 os sócios saem de cena para a entrada de Lúcia Chayb, companheira e esposa que esteve ao seu lado até o fim. Em 1999 a ECO-RIO muda de nome e passa a se chamar ECO 21, fazendo alusão a Agenda 21 e ao novo século que estava por vir. 

A publicação atravessou várias mudanças acompanhando os anos e o avanço tecnológico. Com o advento da internet, a ECO 21 digitalizou-se, nascendo assim um site de acesso gratuito com o objetivo de difundir informação. Ao longo de sua trajetória René Capriles plantou as sementes da Ecologia, seja através da ECO 21 ou com atitudes cotidianas, chamando a atenção para a responsabilidade do cidadão enquanto consumidor consciente e das empresas como geradoras de resíduos. A chama de sua vida se apagou, mas o seu legado nunca morrerá!

René Capriles com sua esposa Lúcia Chayb

Que nossas lágrimas de amor e saudade façam brotar as sementes plantadas por ele e delas possamos colher os frutos do conhecimento para nos guiar a um futuro cada vez mais resiliente e sustentável. Gratidão infinita! 

Gaia Viverá!

1 COMENTÁRIO

  1. Meus sinceros sentimentos para a Família Capriles pela perda do René. Não o conheci pessoalmente mas, quando descobri a Revista Eco 21, no ano de 2006, o meu contato foi com ele. Foi o René quem acabou publicando o meu primeiro artigo no site e outros que vieram depois.
    Forte e fraterno abraço,
    Heraldo

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui