O segredo para financiar o Green New Deal




Enquanto os alarmes soam sobre a crescente destruição do meio ambiente, uma variedade de propostas do Green New Deal apareceram nos EUA e na Europa, juntamente com alguns interessantes debates acadêmicos sobre como financiá-los. A política monetária, normalmente relegada a obscuros tomos acadêmicos e reuniões burocráticas a portas fechadas, subitamente tomou o centro do palco.

A proposta de 14 páginas para um Green New Deal, submetida à Câmara dos Representantes dos EUA pela Deputada Alexandria Ocasio-Cortez, não menciona a Teoria Monetária Moderna (MMT), mas essa é a abordagem atualmente capturando a atenção da mídia – e aproveitando a maior parte do calor. O conceito é bom: a abundância pode ser nossa sem se preocupar com impostos ou dívidas, pelo menos até atingirmos a capacidade produtiva total. Mas, como na maioria das teorias, o diabo está nos detalhes.

Os defensores da MMT dizem que o Governo não precisa cobrar impostos antes de gastar. Na verdade, cria dinheiro novo no processo de gastá-lo; e há muito espaço na economia para os gastos públicos antes que a demanda supere a oferta, elevando os preços. Os críticos, no entanto, insistem que isso não é verdade. O Governo não tem permissão para gastar antes de ter o dinheiro em sua conta, e o dinheiro deve vir de receitas fiscais ou vendas de títulos.

Em um estudo de 2013 chamado “Teoria Monetária Moderna 101: Uma Resposta aos Críticos”, os acadêmicos do MMT admitem esse ponto. Mas eles escrevem: “Essas restrições não alteram o resultado final”. E aqui o argumento fica um pouco técnico. Seu raciocínio é que “o FED é o fornecedor monopolista da moeda CB (reservas do Banco Central), o Tesouro gasta usando a moeda do BC, e desde que o Tesouro obteve a moeda CB tributando e emitindo títulos do Tesouro, a moeda do BC deve ser injetada antes de impostos e ofertas de títulos pode acontecer”.

O contra-argumento, feito por pesquisadores do American Monetary Institute (AMI), entre outros, é que o banco central não é o fornecedor monopolista de dólares. A grande maioria dos dólares que circulam nos Estados Unidos é criada não pelo Governo, mas por bancos privados quando fazem empréstimos. O FED acomoda esse processo fornecendo moeda do Banco Central (reservas bancárias) conforme necessário, e esse dinheiro criado pelo banco pode ser tributado ou emprestado pelo Tesouro antes que um único dólar seja gasto pelo Congresso. Os pesquisadores da AMI afirmam que “todas as reservas bancárias são originalmente criadas pelo FED para os bancos. As despesas do governo meramente transferem reservas bancárias (anteriores) de volta para os bancos”. Como diz o Federal Reserve Bank de St. Louis “Déficits federais não exigem que o Federal Reserve compre mais títulos do governo; portanto, os déficits federais, por si só, não precisam levar a aumentos nas reservas bancárias ou na oferta monetária”.

O que os déficits federais aumentam é a dívida federal; e enquanto a própria dívida pode ser rolada de ano para ano (como quase sempre é), a aba de juros em crescimento exponencial é um daqueles itens do orçamento obrigatório que os contribuintes devem pagar. As previsões são de que, na próxima década, somente o juro possa adicionar US$ 1 trilhão ao projeto anual, uma carga tributária insustentável.

Para financiar um projeto tão grande quanto o Green New Deal, precisamos de um mecanismo que não envolva o aumento de impostos nem o acréscimo à dívida federal; e tal mecanismo é proposto no próprio Green New Deal dos EUA – uma rede de bancos públicos. Embora pouco discutido na mídia dos EUA, essa alternativa está sendo debatida na Europa, onde as propostas do Green New Deal estão em discussão desde 2008. Economistas europeus tiveram mais tempo para pensar sobre essas iniciativas e são menos prejudicadas por rótulos como “socialista” e “capitalista”, que há muito tempo são integradas em seus sistemas multipartidários.

Uma década de gestação na Europa

A primeira proposta do Green New Deal foi publicada em 2008 pela New Economics Foundation em nome do Green New Deal Group no Reino Unido. O último debate é entre os proponentes do Movimento Democracia na Europa 2025 (DiEM25), liderado pelo ex-Ministro das Finanças grego Yanis. Varoufakis e o economista francês Thomas Piketty, autor do best-seller “Capital in the 21st Century”. Piketty recomenda o financiamento de um New Deal Green Europeu aumentando os impostos, enquanto Varoufakis favorece um sistema de bancos públicos verdes.

Varoufakis explica que a Europa precisa de uma nova fonte de dinheiro para investimentos que não envolva impostos mais altos ou déficits do Governo. Para este propósito, DiEM25 propõe “um programa de recuperação conduzido pelo investimento, ou New Deal, financiado por títulos públicos emitidos pelos bancos de investimento públicos da Europa (por exemplo, o novo veículo de investimento prefigurou em países como a Inglaterra, o Banco Europeu de Investimento e Fundo Europeu de Investimento na União Europeia, etc.)”. Para garantir que esses títulos não percam seu valor, os bancos centrais estariam prontos para comprá-los acima de um determinado rendimento. “Em resumo, DiEM25 está propondo uma versão de investimento real verde recalibrada de Quantitative Easing (QE) que utiliza o Banco Central”.

Os bancos públicos de desenvolvimento já têm um histórico de sucesso na Europa e suas dívidas não são consideradas dívidas do Governo. Eles são financiados não através de impostos, mas pelos mutuários quando eles pagam os empréstimos. Como outros bancos, os bancos de desenvolvimento são instituições lucrativas que não apenas não custam o dinheiro do Governo, mas geram lucro para ele. O colaborador do DiEM25, Stuart Holland, observa: “Enquanto Piketty está preocupado em destacar as diferenças entre suas propostas e as de um Green New Deal, a diferença real entre elas é que sua – embora bem-intencionada – é uma lista de desejos para um novo tratado, uma nova instituição e tributação de riqueza e renda. Um New Deal Verde não precisa de revisões de tratados nem de novas instituições e geraria tanto a receita quanto a tributação direta e indireta de uma recuperação do emprego. Baseia-se no precedente do sucesso do New Deal do Presidente Roosevelt, financiado por obrigações que, de 1933 a 1941, reduziu o desemprego de mais de um quinto para menos de um décimo, com um déficit fiscal médio anual de apenas 3%”.

O New Deal de Roosevelt foi financiado em grande parte através da Reconstruction Finance Corporation (RFC), uma instituição financeira pública criada anteriormente pelo Presidente Hoover. Sua fonte de financiamento era a venda de títulos, mas os rendimentos dos empréstimos reembolsavam os títulos, deixando o RFC com um lucro líquido. O RFC financiou estradas, pontes, barragens, correios, universidades, energia elétrica, hipotecas, fazendas e muito mais; e financiou tudo isso enquanto gerava renda para o governo.

Um sistema de bancos públicos e “Green QE”

O Green New Deal dos EUA prevê financiamento com “uma combinação do Federal Reserve e um novo banco público ou sistema de bancos públicos regionais e especializados”, que pode incluir bancos de propriedade local de cidades e Estados. Como Sylvia Chi, Presidente do Comitê Legislativo da Aliança Bancária Pública da Califórnia, explica: “O Green New Deal conta com uma rede de bancos públicos – como uma versão descentralizada do RFC – como parte do plano para ajudar a financiar os investimentos públicos previstos. Essa abordagem funcionou na Alemanha, onde os bancos públicos foram integrados no financiamento de instalações de energia renovável e em retrofits de eficiência energética”.

Os bancos públicos locais ou regionais, diz Chi, poderiam ajudar a pagar pelo Green New Deal fazendo “empréstimos a juros baixos para a construção e modernização de infraestrutura, implantando recursos de energia limpa, transformando nossos sistemas de alimentação e transporte para ser mais sustentável e acessível, e outros projetos. O Governo Federal pode ajudar, por exemplo, capitalizando os bancos públicos, estabelecendo padrões de responsabilidade social ou ambiental para programas de empréstimos ou vinculando incentivos fiscais à participação em empréstimos bancários públicos”.

O professor do Reino Unido, Richard Murphy, acrescenta outro papel para o banco central – como emissor de dinheiro novo na forma de “Green Infrastructure Quantitative Easing”. Murphy, que era membro do Green New Deal Group original em 2008, explica: “Todo o QE funciona pelo Banco Central comprando dívida emitida pelo Governo ou outros órgãos usando dinheiro que, literalmente, cria do nada. Este processo de criação de dinheiro é o que acontece toda vez que um banco faz um empréstimo. O que é incomum é que estamos sugerindo que os fundos criados pelo Banco Central, usando esse processo, sejam usados para recomprar a dívida que é devida pelo Governo em uma de suas muitas formas, o que significa que ela é efetivamente cancelada”.

A objeção invariável a essa solução é que ela atuaria como uma força inflacionária, elevando os preços, mas, não é necessário que isso aconteça. Existe uma lacuna crónica entre a dívida e o dinheiro disponível para o pagamento que precisa ser preenchido com dinheiro novo todos os anos para evitar uma “recessão de balanço”. Como a professora britânica Mary Mellor formula o problema em seu livro “Debt or Democracy” (2016): “A maior contradição de vincular a oferta de moeda à dívida é que os criadores do dinheiro sempre querem mais dinheiro do que eles emitiram. O dinheiro baseado na dívida deve ser continuamente reembolsado com juros. Como o dinheiro é continuamente reembolsado, novas dívidas devem estar sendo geradas para que a oferta monetária seja mantida. Isso cria uma dinâmica de crescimento na oferta monetária que frustraria os objetivos daqueles que buscam alcançar uma economia mais social e ecologicamente sustentável”.

Além dos juros, diz Mellor, existe o problema de que os banqueiros e outras pessoas ricas geralmente não retornam seus lucros para as economias locais. Ao contrário dos bancos públicos, que precisam usar seus lucros para as necessidades locais, os ricos acumulam dinheiro, investem nos mercados especulativos, se escondem em paraísos fiscais ou enviam para o exterior.

Para evitar os altos e baixos cíclicos que rotineiramente devastaram a economia dos EUA, esse dinheiro perdido precisa ser substituído; e se o dinheiro novo for usado para pagar a dívida, ele será extinto juntamente com a dívida, deixando a oferta global de dinheiro e a taxa de inflação inalterada. Se muito dinheiro é adicionado à economia, pode sempre ser tributado; mas, como observa a MMT, estamos muito longe da capacidade produtiva total que “superaqueceria” a economia hoje.

Murphy escreve sobre sua proposta Green QE: “O programa de QE que foi implementado entre 2009 e 2012 tinha apenas um objetivo central, que era refinanciar a cidade de Londres e seus bancos. O que estamos sugerindo é um programa menor para impulsionar a economia do Reino Unido, investindo em todas as coisas que gostaríamos que nossos filhos herdassem, criando ao mesmo tempo oportunidades para que todos em todas as cidades, aldeias e aldeias do Reino Unido realizem e trabalho devidamente remunerado”.

Uma rede de bancos públicos, incluindo um Banco Central operado como um serviço público, poderia igualmente financiar um Green New Deal nos EUA, sem aumentar impostos nem elevar a dívida federal ou inflacionar os preços.

Ellen Brown | Advogada, Presidente do Public Banking Institute e autora de doze livros, incluindo “Web of Debt” e “The Public Bank Solution”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui