O Resgate do Espírito e da Natureza

Chimpanzé Hamlet - Arte: Braldt Bralds



Victor M Toledo | Cientista pesquisador do Instituto de Investigaciones en Ecosistemas y Sustentabilidad, Morelia Campus UNAM. Biólogo mexicano com doutorado pela Universidade Nacional Autônoma do México (UNAM).

O mundo atingiu seu limite. A humanidade não resiste mais. Quem se atreve a defender esta ordem cheia de injustiças, vergonhas, catástrofes, depredações? Em nome de quem ou o quê? Que ismo você pode defender hoje? Resta mergulhar na história natural e na história humana em busca da essência da espécie. Tentar superá-lo traçando os caminhos de degradação que levaram a esta situação atual. O processo civilizatório procurou acabar com dois atributos que hoje são a causa da crise terminal que se vive: pela negação do espírito e pela destruição da natureza. Ambos os fenômenos estão na base do mal-estar da modernidade.

Arte: Ugo Rondinone- Magic – Maio de 2016

Mais cedo ou mais tarde, todo ser humano enfrenta o desafio de reconhecer seu próprio espírito. A espiritualidade não aparece, exceto como resultado de seu enfrentamento, e não de sua fuga, do mundo. É a resposta de estar “na frente do abismo”. Diante da falta de lógica ou sentido da existência, diante da incomensurabilidade do universo.

Esse ato intuitivo – alcançado não por exploração ou investigação, mas por revelação ou iluminação – surge da ideia da existência de conexões misteriosas entre as partes da natureza que formam uma unidade dirigida por um processo inteligente. Daí o reconhecimento de uma força vital que move tudo e com a qual todos os membros da espécie humana estão em dívida. Sem exceção, essa visão de mundo estava presente em todas as culturas que constituíram a humanidade durante seus quase 300.000 anos de existência. Permitiu a sobrevivência da humanidade e deu continuidade ao impulso já idealizado por outros grupos de organismos em evolução: corais, água-viva, sifonóforos, briozoários, formigas, cupins, abelhas, vespas, vertebrados e primatas.

Como espécie social, o Homo sapiens escolheu a cooperação (a ajuda mútua de Kropotkin) como o ato supremo, como o atributo mais elevado, para impulsionar sua própria evolução. Tudo isso significava viver em um mundo encantado, em um envoltório vivo, onde cada elemento natural se encarnava em uma divindade. O humano aceita viver em equilíbrio permanente com aquele impulso natural. Espiritualidade, humildade, fraternidade, comunidade, eram valores em ação e conexão permanente. Os mesmos que ainda sobrevivem nos 7.000 povos indígenas do mundo distintos pela língua e que, como foi descoberto recentemente, possuem territórios equivalentes a 25 por cento do total do Planeta em 87 países (Garnett, ST, Nature Sustainability, 2018) .

Os dois elementos destruídos durante pelo menos os últimos 4.000 anos de história foram a espiritualidade do ser humano e o consequente reconhecimento dessa força natural. Um processo que hoje atinge sua expressão extrema na civilização moderna, industrial, capitalista, tecnocrática e patriarcal, para a qual o espírito e a natureza são um entrave. O primeiro assalto foi a conversão da espiritualidade em religiosidade, em instituições de poder que usavam o espírito como pretexto. As divindades de longa data foram transformadas em deuses, depois passaram do politeísmo ao monoteísmo, até chegar aos deuses masculinos, arrogantes e intolerantes. O politeísmo apaixonado pela vida deu lugar ao monoteísmo fascinado pela morte (Michel Onfray, Cosmos: Uma ontologia materialista, 2016: 55). Os grandes massacres e tremendos genocídios sofridos pela espécie humana foram validados ou patrocinados pelos maiores monoteísmos durante o colonialismo, fascismo, comunismo e imperialismo, e com as recentes guerras santas.

A destruição da natureza, o desencanto do mundo, está nas mãos da ciência, a nova forma de conhecer a realidade através da razão, do materialismo, da análise e da técnica. O domínio da natureza foi glorificado pelo cientista Francis Bacon em nome de Deus. Ciência nega existência de la Madre Tierra/A Mãe Terra, reverenciada e respeitada, e em vez disso introduziu a ideia de um sistema mecânico inanimado, a visão de uma máquina (ecossistema) a ser examinada, controlada, dominada e, finalmente, explorada. Convertida em fábrica, a natureza – recurso natural ou capital natural – hoje é permanentemente violada ou abusada por ações pautadas pela lógica capitalista. Um ato patriarcal que segundo J. M. Naredo se realiza pelo trabalho, categoria masculina da economia neoclássica. Hoje, a situação é a maior desigualdade social da história e o maior colapso ecológico conhecido em escala global (a crise climática). As duas tarefas centrais de todo indivíduo consciente são o resgate da espiritualidade e a (re) conexão com o respeito à natureza. Três setores estão desempenhando um papel estratégico nisso: ambientalistas, mulheres e povos indígenas. Neles são encontradas as fontes de inspiração e subversão necessárias para construir uma civilização diferente.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui