O que a ciência e a democracia têm em comum

Foto: Dariusz Sankowski


Adam Sobel | Professor do Observatório Terrestre Lamont-Doherty da Escola de Engenharia da Universidade de Columbia. Ele estuda a dinâmica do clima e os fenômenos meteorológicos.

Donald Trump disse várias vezes na semana até o debate presidencial de 29 de Setembro, que não se comprometerá com uma transferência pacífica do poder caso perca as eleições em Novembro. Ele disse isso em 2016 e foi assustador na época. É incomparavelmente mais assustador agora, quando ele tem o poder da presidência à sua disposição, e quando um partido republicano que controla a maioria das alavancas do poder não mostrou nenhuma inclinação, agora ou nos últimos quatro anos, para conter seus abusos de poder. O Presidente dos Estados Unidos está nos dizendo claramente que não respeita o princípio mais fundamental da democracia.

Poucos dias após o debate, a Casa Branca revelou que Trump havia contratado COVID-19. Isso foi claramente uma consequência de seu desrespeito ao consenso científico de que máscaras e distanciamento social são necessários para prevenir a disseminação do novo coronavírus. O próprio Trump pode sobreviver ao vírus, mas 210.000 outros americanos não. Não há dúvida de que uma fração substancial dessas vidas poderia ter sido salva pela liderança responsável do presidente.

A hostilidade de Trump à ciência se manifesta não apenas na negação dos fatos pelo governo e em sua supressão das vozes dos cientistas sobre o clima, COVID-19 e outras questões de vida e morte. Em suas palavras e ações, ele rejeita até mesmo o ideal da ciência como uma busca pela verdade. O presidente acredita que pode fazer com que a realidade se adapte aos seus desejos apenas por expressá-los.

Sua hostilidade à democracia – que agora parece ser compartilhada por seu partido em sua totalidade, enquanto busca a vitória por meio da supressão dos eleitores e desinformação – vem da mesma fonte.

Portanto, para entender a ameaça à República, pode ajudar a entender algo sobre a ameaça à ciência. E para fazer isso direito, devemos evitar ser românticos sobre o que é ciência e como funciona.

Filósofos e historiadores da ciência mostraram que o método científico não é o que muitos de nós aprendemos – isto é, conceber hipóteses sobre a natureza, testá-las por experimentos e, assim, determinar a verdade absoluta. Em vez disso, a ciência é um processo social – algo como a democracia.

Com o tempo, seguindo alguns princípios gerais, os cientistas de uma determinada área chegam a um acordo sobre métodos e padrões para gerar evidências e avaliá-las em uma busca coletiva pela compreensão de algum conjunto de fenômenos da natureza. As metodologias específicas resultantes serão diferentes de um campo da ciência para outro, por necessidade. A ecologia não pode funcionar exatamente da mesma maneira que a física atômica.

Mas se o processo for bem, alguns debates científicos acabam sendo resolvidos por consenso. A história mostra que, quando isso acontece, os resultados são confiáveis. Na melhor das hipóteses, a ciência funciona: as doenças são curadas, os aviões voam, podemos ter videoconferências com parentes distantes em nossos smartphones, podemos prever o tempo e assim por diante.

A empresa inteira só pode ter sucesso, entretanto, se e quando houver um compromisso compartilhado com os princípios básicos. Talvez o princípio mais fundamental seja que todos os participantes precisam legitimamente querer saber a verdade, mesmo que ela não se conforme com nossos preconceitos. Nisso, a ciência é fundamentalmente diferente do sistema legal, onde um modelo adversário é o ideal.

Na ciência, nosso trabalho não é provar que nosso oponente está errado a todo custo, mas trabalhar juntos para buscar a verdade. Quando abandonamos esse princípio, a ciência não funciona. Em uma comunidade científica saudável, não se pode vencer com arrogância, ameaças ou intimidação.

Nas questões científicas de maior importância pública, o Partido Republicano assumiu uma postura cada vez mais adversária nos últimos 40 anos. Em vez de aceitar o julgamento coletivo da comunidade científica, ela buscou cientistas que dizem o que querem ouvir – não importa quão poucos ou sem credibilidade entre seus pares eles possam ser – e opta por semear a dúvida em vez de buscar a verdade. Isso corrói a confiança do público na ciência, embora não ofereça nada de legítimo em seu lugar.

No meu próprio campo da ciência do clima, a campanha de desinformação vem acontecendo há décadas, com grande efeito. Nós, cientistas do clima, sabíamos o que eram “notícias falsas” muito antes de a frase ser inventada. Com o COVID-19, epidemiologistas e especialistas em saúde pública compreenderam rapidamente nossa situação.

O Governo Trump foi ainda mais longe, porém, sem deixar dúvidas. Eles têm eliminado a ciência e os cientistas dos processos de governo o mais rápido possível. Em vez de buscar o conselho de cientistas, Trump busca – com sucesso terrível – convencer seus seguidores de que a verdade é tudo o que ele diz, sem nem mesmo a pretensão de precisar de evidências.

A democracia também é um conjunto de princípios e processos compartilhados para alcançar amplos objetivos coletivos. Há inevitavelmente desacordo e os resultados nem sempre precisam ser bons. Mas, a longo prazo, a história deixa poucas dúvidas de que funciona melhor do que qualquer alternativa.

Porém, como a ciência, a democracia também é frágil, e pelo mesmo motivo: depende da adesão a um conjunto de princípios por todos os participantes. Em última análise, essa adesão é voluntária. Se um número suficiente de participantes decidir que não quer mais jogar, mas preferir tomar e manter o poder por todos os meios necessários, as constituições, leis e normas históricas podem não ser suficientes para impedi-los. Os últimos quatro anos demonstraram isso a um grau que os americanos da minha idade não poderiam imaginar facilmente em nossos jovens, embora as raízes disso estejam na postura antigovernamental que começou com Ronald Reagan na década de 1980 e ganhou força com Newt Gingrich na década de 1990.

Agora, com a recusa de Trump em se comprometer com uma transferência pacífica do poder, temos um presidente e um partido no poder que rejeita o mais sagrado dos princípios democráticos. Portanto, não é coincidência que eles rejeitem a ciência também. Tanto a ciência quanto a democracia colocam princípios abstratos acima das ambições de quaisquer indivíduos ou grupos específicos e, portanto, estão em conflito com ideologias que se resumem a nós contra eles.

Claro, esta eleição não se trata apenas de princípios abstratos. É sobre vida e morte. Um segundo termo de Trump amplificaria os riscos existenciais mais graves que a humanidade já enfrenta.

Ao se opor a qualquer ação para reduzir as emissões de gases de Efeito Estufa, Trump agravaria o aquecimento global. Ao se retirar de alianças históricas com outras nações democráticas em favor de uma maior amizade com os regimes opressores, ele aumentaria o risco de uma guerra nuclear. Isso será verdade mesmo que Trump ganhe a reeleição legitimamente. Mas se ele permanecer no poder subvertendo a eleição, a democracia americana tal como a conhecemos acabará. E o dano que resultará disso, nacional e globalmente, é ainda mais difícil de considerar.

Embora ciência e democracia tenham algumas coisas em comum, há pelo menos uma grande diferença. Em última análise, a ciência trata de descobrir e compreender as leis da natureza. Nenhum ser humano, nem mesmo o mais poderoso do mundo, pode mudar isso. Trump achava que poderia acabar com a pandemia por decreto, e a realidade provou que ele estava errado de maneira inegável.

A democracia, por outro lado, é uma construção inteiramente humana. As leis da natureza não garantem sua existência. Trump ainda acredita que pode fazer isso; se ele está certo ou não depende muito de nós. 

Por favor, vote.

TEXTO ORIGINAL:

https://thebulletin.org/2020/10/what-science-and-democracy-have-in-common-us-hopefully/

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui