O “PLANETA DOS HUMANOS”, FILME CONTROVERSO DIZ QUE AMBIENTALISTAS VENDEM ILUSÕES

Samyra Crespo || Ambientalista, coordenou a série de pesquisas nacionais intitulada “O que o Brasileiro pensa do Meio Ambiente e do Desenvolvimento Sustentável” (1992-2012). Foi uma das coordenadoras do Documento Temático Cidades Sustentáveis da Agenda 21 Brasileira, 2002. Pesquisadora sênior do Museu de Astronomia e Ciências Afins/RJ. Ex-Presidenta do Jardim Botânico do Rio de Janeiro

Em geral, nenhum movimento político aprecia uma controvérsia que lhe é desfavorável. Em um momento como este, quando o antiambientalismo tornou-se doutrina hostil e destruidora – basta ver a atuação de Trump nos EUA e do Bolsonaro, seu discípulo, no Brasil – a onda causada pelo filme “Planet of the Humans” desperta paixão em defesas e ataques às “intenções” de seus produtores.
Parece um mau momento para um debate como este.
E talvez seja. Mas como disse um cientista brasileiro, a quem admiro muito, Antonio Nobre, a questão foi colocada e não se pode fugir dela.
O filme, em cartaz (vi no Youtube a versão integral, legendada em inglês), tem como produtor executivo Michael Moore, um velho e conhecido provocador, pregador de verdades inconvenientes e anti-establishment. Foi escrito e dirigido, também participa do filme, por um integrante do ninho ambientalista: Jeff Gibbs.
O estrago é maior quando vem “de dentro”, o típico fogo amigo.
A tese, ou a antítese é a seguinte: a tão cantada e decantada “transição energética”, com base em energias alternativas aos combustíveis fósseis – com vistas a um Planeta mais sustentável – não passa de uma falácia: a Era dos Combustíveis fósseis estaria sendo reforçada e não substituída, como se pode pensar.
Na realidade, afirma o filme, behind the scenes, as energias ditas renováveis – como a solar e eólica, e a que queima biomassa, só fazem reafirmar as bases da sociedade industrial e capitalista. Os novos parques energéticos fazem a alegria de bilionários, falsos filantropos, e representam hoje lucros para as mesmas grandes companhias de sempre – corporações oligopolistas e grupos financeiros.
E pior, tal falácia arregimenta milhares de grupos jovens, organizações ingênuas e militantes que “trabalham de graça ” ou a soldo pequeno, para mundializar essa ilusão.
Mas, segundo os realizadores do filme, nem todos são ingênuos – e aí – nitroglicerina pura, investem sem piedade contra dois mitos vivos do ambientalismo: Al Gore e Bill Mckibben.
Gore, sim, o paladino que correu o mundo com o seu documentário Uma Verdade Inconveniente – sobre a urgência de se lidar com o aquecimento global e a iminente catástrofe climática. No filme de Gibbs e Moore, ele foi engolido pelo establishment e não passaria de um homem de negócios, parceiro do ex CEO da Goldmann &Sachs (que quase quebrou se não fosse o socorro do FED – Banco Central americano), interessado em ganhar dinheiro no mainstream do green business.
Com Bill a coisa é bem pior. Quem não leu The End of Nature ( O Fim da Natureza)? Este livro de Mckibben é bibliografia obrigatória de alguém que se considera ambientalista, e goza da mesma fama de Primavera Silenciosa, livro-denúncia de Rachel Carson.
Bill Mckibben é líder de um movimento de raiz e de uma instituição centenária, o Sierra Club. Bill aparece diversas vezes no filme, titubeante e abatido em pleno vôo.
Para Gibbs e Moore, não só o Sierra Club como a Nature Conservancy teriam sido cooptadas e suas bandeiras em favor dos painéis solares, parques eólicos e usinas de biomassa, seriam largamente financiadas pelo Capital, cuja única ideologia reside em aumentar os lucros de executivos e acionistas.
Seria a chamada “transição energética” uma grande e odiosa maquiagem verde (green washing)?
O que o filme Planet of the Human apresenta como provas?
Com este “circo” armado, literalmente pegando fogo, volto amanhã para desbastar este rol de acusações e declarações. Uma abordagem cuidadosa, mas corajosa se faz necessária.
Um elefante já avançou na cristaleira.
Agora é ver o que tem conserto e o que estragou.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui