O colapso global de insetos está acelerando globalmente

13
Foto: Hasan Bagla

Aleksandar Rankovic  ||  Coordenador do Post-2020 International Biodiversity Governance. Pesquisador da Convenção sobre Biodiversidade – IPBES

Os insetos – organismos que uma vez pensamos ser tão numerosos e resistentes para sobreviver até mesmo em uma guerra nuclear global – estão sofrendo um colapso populacional em todo o mundo, o que por sua vez ameaça exterminar outras espécies por meio de efeitos colaterais. O que pode ser feito? Este tema não está sendo negligenciado, já que a mobilização política já existe para enfrentar as causas subjacentes da crise (particularmente a intensificação agrícola e a apropriação de terras): mas essa ação precisa crescer e ocupar mais tempo nos debates.

Dados científicos alarmantes: uma observação implacável

Até as publicações científicas de maior prestígio falam do “Efeito Windscreen”. Você nem precisa ser particularmente velho para perceber: até mesmo pessoas de trinta e poucos anos de idade provavelmente notaram que muito menos insetos são esmagados nos para-brisas do carro hoje do que nos carros de seus pais quando eram crianças.

George Monbiot o chamou de “Insectageddon” no Guardian em 2017, no final de 2018 a New York Times Magazine falou sobre o “Insect Apocalypse”, enquanto no início de 2019 o Le Monde avisou que os insetos estão ameaçados de extinção até o final do século: as publicações de maior prestígio da imprensa mundial não se detêm mais. Por trás das manchetes estão os dados que os especialistas em insetos relatam na literatura científica. Embora as quedas populacionais de insetos tenham sido relatadas em muitos países diferentes há algum tempo, e observações simples, como o “Efeito do Para-brisas” sugeriram a magnitude do problema, um estudo realizado na Alemanha entre 1989 e 2016 finalmente nos deixou completamente cientes do problema.

Num artigo publicado em 2017, seus autores resumiram os dados coletados por uma rede de monitoramento de biomassa de insetos em 63 áreas protegidas no Oeste do país (portanto, em princípio lugares com poluição local mínima) e descobriram que em menos de 30 anos houve uma redução de mais de 75% da biomassa média de insetos voadores ao longo de um ano; e um declínio de 82% no verão. Sem tirar conclusões definitivas, os autores destacaram que a maioria das áreas protegidas estudadas era cercada por terras agrícolas, onde a intensificação das práticas agrícolas, particularmente o uso de pesticidas, poderia ter causado um aumento na mortalidade de insetos ao longo dos anos, impactando insetos que se movem longe das reservas naturais, reduzindo assim suas populações.

Um artigo de visão geral publicado em Fevereiro de 2019, que abrange 73 estudos de monitoramento de população de insetos de todo o mundo, esclarece e amplia as más notícias. Com base nos estudos disponíveis, 41% das espécies de insetos estudadas estão em declínio e 31% estão ameaçadas de extinção (isto é, declínio de mais de 30% da população inicial). O declínio anual na biomassa de insetos é de 2,5% ao ano em todo o mundo. Como os insetos são a base das cadeias alimentares terrestres e aquáticas, essas descobertas nos fornecem uma melhor compreensão dos declínios já observados nos vertebrados (pensamos imediatamente nas aves, por exemplo) e os riscos inerentes em permitir que a tendência continue.

Acima de tudo, esse artigo fornece um resumo de nosso conhecimento sobre as causas desse declínio: as principais que aparecem na literatura são a perda de hábitat e a poluição, especialmente relacionadas à agricultura, e os agrotóxicos, em particular entre os poluentes. Além disso, o artigo mostra que os dados estão disponíveis principalmente para a Europa e América do Norte, e muito mais raros para o resto do Planeta: no entanto, o uso de insumos químicos está longe de ser limitado a essas regiões e hoje alcança registros em outros lugares, na China ou em países da América do Sul. A situação é, portanto, provavelmente ainda mais séria.

Foto: Isis Rollim

Tal como acontece com a maioria das questões de biodiversidade, alguns problemas há muito estabelecidos estão envolvidos. Os determinantes da perda de biodiversidade continuam a serem basicamente os mesmos de várias décadas atrás. Essa crise de insetos ecoa, de maneira impressionante, a “Silent Spring”, de Rachel Carson, que expôs, já em 1962, em um livro que não envelheceu, os riscos para a saúde e o meio ambiente relacionados ao uso maciço de pesticidas.

Quais respostas políticas?

O que podemos fazer com essa observação? A maioria dos artigos científicos e sua citação pela imprensa deixam o leitor se sentindo impotente frente à catástrofe. Enquanto a conclusão é geralmente que é necessário reverter a tendência o mais rápido possível, mudando os modelos agrícolas ou o melhor controle da urbanização, por exemplo(1), ficamos com declarações gerais que não mencionam que já existe hoje alguns debates, processos, negociações e até mesmo iniciativas políticas que abordam diretamente essas questões. E que é possível, e vital, se mobilizar em torno deles hoje, na ausência de resultados convincentes mostrando qualquer melhoria.

Exemplos recentes nos níveis nacional, internacional e setorial.

Na França, o plano “França, terra de polinizadores” foi lançado em 2016, com o objetivo específico de promover a mobilização de atores sobre o assunto. O Plano de Biodiversidade, lançado no verão de 2018, contém medidas para limitar o uso de inseticidas (a Ação 23, por exemplo). Na Alemanha, na esteira do estudo de 2017, que causou uma grande reação, um programa de ação para proteção de insetos foi iniciado e diz respeito à agricultura em primeira instância. Muito recentemente, na Baviera, uma mobilização recorde (1,75 milhão de eleitores) pode levar a um referendo para a proteção das abelhas, através de mudanças significativas nas práticas agrícolas em particular, incluindo o aumento de áreas dedicadas à agricultura orgânica.

Em 2016, após a publicação do Relatório de Polinização do IPBES, uma coalizão de países polinizadores voluntários que foi lançada na COP-13 da Convenção sobre Diversidade Biológica (CBD), para incentivar o desenvolvimento de planos de ação nacionais para proteger os polinizadores, especialmente através de reformas no setor agrícola. Uma iniciativa para a conservação e uso sustentável de polinizadores foi lançada em 2.000 pela CDB, em parceria com a FAO, e foi atualizada na COP-14 da CBD no final de 2018. Ela também defende a redução e eliminação gradual dos agrotóxicos. Paralelamente, estão em curso discussões sobre o futuro da Política Agrícola Comum Europeia, no sentido de uma maior sustentabilidade. Mais amplamente, enquanto a comunidade internacional tem quase dois anos (antes da COP-15 na China, em 2020) para construir uma estrutura mais eficaz para a conservação da biodiversidade, a capacidade de agir sobre as causas da perda de biodiversidade será crucial. Isso exigirá poder intervir nas arenas onde estão sendo negociadas mudanças setoriais (na agricultura, infraestrutura, comércio, etc.), encontrando aliados, pontos de convergência e alavancas de mudança.

Estas são as areias onde o silêncio dos insetos, pássaros, morcegos e de todas as outras espécies deve ressoar com todo o seu peso.

Nota:

(1) Em relação a estas questões de modelos agrícolas e terrenos, o IDDRI publicou recentemente um cenário para uma Europa agroecológica em 2050 e uma análise das tendências de ocupação da terra em França.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui