Kamala Harris tem um histórico sobre o clima e perfil para ação

Kamala Harris - Foto: Gage Skidmore


Marianne Lavelle | Jornalista do Inside Climate News

Como companheira de chapa de Joe Biden, a Senadora da Califórnia atrairá a comunidade ativista que Biden espera ter por trás de sua candidatura.

Ao escolher Kamala Harris como sua companheira de chapa, o candidato democrata à presidência dos EUA Joe Biden destacou dois elementos-chave de sua política climática: justiça ambiental para comunidades minoritárias e responsabilidade para a indústria de petróleo e gás.

Harris, que será a primeira mulher negra a concorrer na chapa presidencial de um grande partido político, só na semana passada procurou afirmar seu compromisso com as comunidades de cor na batalha climática – e com os progressistas no Partido Democrata – introduzindo uma legislação de igualdade climática. A Senadora da Califórnia se uniu a autora do Green New Deal: a Deputada Alexandria Ocasio-Cortez (DN.Y.), no esforço, uma divulgação à comunidade de ativistas do clima que Biden espera energizar por trás de sua candidatura.

Durante sua corrida presidencial, Harris também defendeu com frequência que o governo federal tomasse medidas legais contra as empresas de combustíveis fósseis por seu legado de poluição climática. É outra postura que ressoa com muitos eleitores focados no clima, embora, como Procuradora-Geral da Califórnia ela não tenha ido tão longe quanto outros aplicadores da Lei estadual em ações judiciais contra a indústria.

Kamala Harris – Foto oficial

Certamente, muitos fatores além da mudança climática decidirão o valor de Harris para a chapa democrata, incluindo sua capacidade de conquistar eleitores em Estados além da Califórnia. A forma como ela lida com as críticas de seu trabalho anterior como Promotora será importante, especialmente em meio ao acerto de contas nacional sobre raça e aplicação da Lei, e quão bem ela resistirá aos ataques do Presidente Donald Trump também será crítica.

Mas a comunidade ambiental é um constituinte importante que os analistas acreditam que Biden deve ativar para formar uma coalizão vitoriosa. Ele deu um passo importante em direção a essa meta no mês passado com um plano muito expandido de US$ 2 trilhões, desenvolvido com contribuições de consultores de seu principal rival, Bernie Sanders. Ao trazer outro rival, Harris, a bordo como vice-Presidente, Biden escolheu um candidato já testado nos holofotes da campanha com um histórico e um perfil para ação em questões ambientais que está ganhando elogios da equipe em toda a comunidade ativista.

“Uma verdadeira campeã ambiental”, disse Tiernan Sittenfeld, vice-presidente de assuntos governamentais da Liga dos Eleitores de Conservação, observando que Harris teve um recorde de votos pró-meio ambiente de 91% na pontuação do LCV (isso é melhor do que a pontuação vitalícia de Biden de 83%). Ele disse: “A Senadora Harris é uma defensora de longa data da ação climática e da justiça ambiental. Sabemos que ela continuará a lutar por uma solução mais justa para a crise climática”.

Erich Pica, presidente da Friends of the Earth Action, um grupo ambientalista que gostaria de ver a recentemente expandida plataforma climática de Biden ir ainda mais longe, também elogiou a escolha de Harris. “O compromisso da Senadora Harris com a justiça ambiental e seu desejo de responsabilizar financeira e criminalmente os poluidores corporativos por seu comportamento destrutivo é um sinal bem-vindo”, disse Pica. “Esperamos que a inclusão dela na chapa forneça outra oportunidade para o vice-Presidente Biden aumentar a ambição de seu plano climático e cimentar a justiça climática e a igualdade climática como uma prioridade para sua administração”.

Não houve responsabilidade

Harris traz um histórico sobre questões climáticas que remonta a sua época como Promotora Distrital de São Francisco, quando ela criou a primeira unidade de justiça ambiental daquele escritório em 2005. Como Procuradora-Geral da Califórnia, ela enfrentou a indústria de combustíveis fósseis ao se opor à expansão da refinaria proposta pela Chevron em Richmond, uma cidade de maioria negra e hispânica que travou uma longa batalha contra a poluição no local da Chevron.

Harris também processou a Southern California Gas Co. por causa de uma explosão massiva de metano de uma instalação de armazenamento subterrâneo nos arredores de Los Angeles, citando a ameaça climática representada pelas emissões descontroladas do superpotente gás de Efeito Estufa. A explosão foi o maior vazamento de gás natural conhecido na história dos Estados Unidos. O caso foi resolvido três anos depois, após a saída de Harris para o Senado, em um acordo que alguns ambientalistas criticaram como inadequado.

Como Procuradora-Geral da Califórnia, Harris deu seu apoio a uma coalizão de 17 Procuradores-Gerais democratas que prometeram em 2016 responsabilizar a indústria de combustíveis fósseis pelas mudanças climáticas. O grupo – AGs United For Clean Power – foi formado após a divulgação de que a gigante do petróleo ExxonMobil sabia da magnitude da mudança climática por décadas, mas enganou o público sobre as consequências catastróficas.

Durante um debate primário no ano passado, Harris disse: “Eu processei a ExxonMobil”, mas na verdade ela nunca o fez. (os Procuradores-Gerais de Nova York e Massachusetts levaram a Exxon ao tribunal e a empresa se defendeu com sucesso contra as acusações de Nova York e ainda em litígio em Massachusetts.) O porta-voz da campanha de Harris, na época, afirmou que ela quis dizer que “investigou” a empresa.

Mas, como candidata presidencial, Harris foi consistente em seu apelo à responsabilização da indústria de petróleo e gás sobre a responsabilidade por suas ações anteriores sobre a mudança climática. “Vamos colocá-los não apenas no tribunal, mas nos certificar de que haja penalidades severas e sérias para seus comportamentos”, disse ela à revista Mother Jones, numa entrevista no ano passado durante a campanha.

À CNN, num debate sobre as mudanças climáticas na Câmara Municipal, ela disse que como presidente ordenaria ao Departamento de Justiça que iniciasse uma investigação sobre as empresas. “Eles estão causando danos e morte nas comunidades. E não houve responsabilização”, disse ela.

Uma mudança transformadora

Harris às vezes teve dificuldades com eleitores negros e progressistas por causa de sua história como uma acusadora dura contra o crime num Estado onde a taxa de encarceramento de afro-americanos é cinco vezes maior do que no resto do país. Essa história parece importante para Alexandria Villaseñor, uma ativista climática de 14 anos de Nova York que fundou o grupo ativista Earth Uprising. “Eu acho que Kamala Harris é uma grande vitória para as mulheres de cor e justiça ambiental, no entanto, ela definitivamente tem algum trabalho a fazer para mostrar à nossa geração que ela se tornou mais progressista desde seus dias de Promotora”, disse ela.

Mas Robert Bullard, professor da Texas Southern University e autor, amplamente conhecido como “O Pai da Justiça Ambiental”, disse ao Inside Climate News que achava que Harris agregaria valor à chapa de Biden, num momento em que as pessoas estão famintas por uma mudança transformadora. “Devemos centralizar a luta por justiça ambiental e climática numa visão mais ampla do que sobre a raça”, disse Bullard.

Gina McCarthy, Presidente e CEO do Fundo de Ação do Conselho de Defesa de Recursos Naturais, chamou Harris de “uma construtora de consenso entre gerações com um histórico sólido de realização de tarefas”. McCarthy, que atuou como Administradora da Agência de Proteção Ambiental no Governo do Presidente Barack Obama, disse que o trabalho de Harris no principal Estado de energia limpa do país a torna uma boa opção para liderar uma transformação nacional.

“Ela trabalhou para tornar a Califórnia líder do país nos empregos de energia limpa que precisamos para enfrentar a crise climática de frente e reconstruir melhor com uma recuperação que seja forte, durável e crie oportunidades em todas as comunidades nos EUA”, disse McCarthy.

Em um prenúncio dos ataques que certamente ocorrerão, a campanha de Trump-Pence enviou um e-mail para a mídia, chamando Harris de “a candidata a vice-Presidente mais radical e de extrema esquerda da história dos Estados Unidos”. Mas muitos ativistas do clima os veem como centristas, tanto ela quanto Biden. Calvin Yang, um líder climático canadense de 18 anos e porta-voz da Fridays for Future International, comentou sobre o pragmatismo de suas abordagens políticas. “É ótimo ter uma dupla verde e relativamente ecologicamente correta na Presidência e na vice-Presidência”, disse ele, “e a política que eles implementam não seria impossível de ser aprovada e ganharia o apoio do público americano”. 

Uma ativista climática negra, Catherine Coleman Flowers, fundadora do Centro para Empreendimentos Rurais e Justiça Ambiental, que serviu na força-tarefa que ajudou a elaborar o plano climático de Biden, vê Harris como um porta-estandarte. “É hora de fazer mudanças e fazer história ao mesmo tempo”, disse ela.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui