IPBES divulga em Paris o estado da biodiversidade global

25


Terry Collins | Jornalista di IPBES

Em meio a notícias de que a agricultura, a pesca e as mudanças climáticas estão causando a extinção de até 1 milhão de espécies, 130 governos assinaram um relatório científico que pede um reordenamento radical da sociedade.

Após uma sessão plenária de edição que durou uma semana, durante a qual cientistas do mundo todo responderam aos comentários de governos sobre o Sumário para os Formuladores de Políticas (SPM – Summary for Policy  Makers), o Painel Intergovernamental para Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos (IPBES – Intergovernmental Science-Policy Platform on Biodiversity and Ecosystem Services) divulgou o SPM do Relatório de Avaliação Global.

O SPM apresenta as principais descobertas e opções políticas, aprovadas pela Plenária do IPBES, e foi divulgado publicamente na sede da UNESCO em Paris, no dia 6 do mês passado (Maio). O relatório completo de seis capítulos (incluindo todos os dados) deverá exceder 1.500 páginas e será publicado ainda este ano.

Na ocasião, o IPBES elegeu Ana María Hernández Salgar como nova Presidenta da instituição substituíndo Roberto Watson, que fora eleito em 2016. Ana María é a primeira mulher a ocupar esse cargo. Ela já foi Diretora de Assuntos Internacionais do Ministério do Meio Ambiente da Colômbia e vice-Presidenta da Convenção de Combate à Desertificação entre 2003 e 2005.

Robert Watson, ex-Presidente do IPBES, declarou: “Já vimos o primeiro despertar de ações para mudanças transformadoras, como políticas inovadoras de muitos países, autoridades locais e empresas. Desde os jovens transformadores por trás do movimento #VoiceforthePlanet, até as greves escolares pelo clima, há uma onda de compreensão de que ações urgentes são necessárias para garantir algo que se aproxime de um futuro sustentável. O Relatório de Avaliação Global do IPBES oferece as melhores evidências para ajudar a implentar as decisões, políticas e ações e fornece a base científica para as novas metas decenais para a biodiversidade, a serem decididas em 2020 na China”.

O Professor Josef Settle, co-Presidente de Avaliação Global e Autor Principal do relatório comentou: “Ecossistemas, espécies, populações selvagens, variedades locais e espécies de plantas e animais domesticados estão encolhendo, deteriorando ou desaparecendo. A teia essencial e interconectada da vida na Terra está ficando menor e cada vez mais desgastada, Essa perda é um resultado direto da atividade humana e constitui uma ameaça direta ao bem-estar humano em todas as regiões do mundo”.

Além das conclusões principais da Avaliação Global, a seguir estão alguns tópicos importantes que surgiram do relatório final, juntamente com reações de especialistas, encontradas abaixo, em cada seção.

Alimentação, agricultura e florestas

Os direitos à terra são perdidos na corrida da expansão agrícola e de commodities, corroídos junto com o papel que as florestas e outras paisagens desempenham na regulação do nosso clima. Houve um aumento de 300% na produção agrícola desde 1970 e, no entanto, 11% da população mundial estão subnutridas e cerca de 860 milhões de pessoas enfrentam insegurança alimentar especialmente na África e na Ásia. Cerca de um terço da superfície terrestre do mundo e 75% dos recursos de água doce são dedicados à produção agrícola ou pecuária.

O ritmo da expansão agrícola em ecossistemas intactos varia entre os países. 100 milhões de hectares de floresta tropical foram perdidos de 1980 a 2000, como resultado principalmente da pecuária na América Latina (cerca de 42 milhões de hectares) e plantações no Sudeste Asiático (cerca de 7,5 milhões de hectares, dos quais 80% para óleo de palma, usado principalmente em alimentos, cosméticos, produtos de limpeza e combustível) entre outros.

23% das áreas terrestres sofreram uma redução na produtividade agrícola devido à degradação da terra, que poderia ser mitigada se houvesse uma mudança maior em direção a práticas agrícolas agroecológicas e restauradoras.

Enquanto isso, 75% dos tipos de culturas alimentares globais contam com a polinização animal, mas os nossos métodos agrícolas intensivos estão arriscando entre US$ 235 e 577 bilhões da produção global anual das colheitas para a perda de polinizadores.

Por sua vez, Yann Laurans, Diretor do Programa de Biodiversidade e Ecossistemas do Institut du Développement Durable et des Relations Internationales (IDDRI), comentou: “A primeira causa da perda da biodiversidade é a mudança no uso da terra, em direção a uma agricultura cada vez mais industrializada e financeirizada, para satisfazer uma dieta cada vez mais globalizada, com mais e mais carne, gordura e açúcar.

No caso da Europa, um recente relatório do IDDRI mostrou que a agroecologia pode ser uma solução. Não podemos mais dizer que não sabemos, ou que não sabemos o que fazer para proteger a biodiversidade. Agora é necessário exigir a aplicação de todos os textos e leis de proteção, que são muitas vezes mal aplicados, e assim superar os interesses dos setores econômicos em jogo”.

Jonathan Baillie, vice-Presidente Executivo e cientista chefe da Sociedade Geográfica Nacional: disse “Se nos preocupamos com outras formas de vida, se nos importamos com o futuro de nossos filhos, se nos preocupamos com um ambiente seguro ou com metas de desenvolvimento, então há apenas um caminho quando se trata do mundo natural: precisamos garantir o que resta. Precisamos proteger metade do planeta até 2050 com uma meta intermediária de 30% até 2030. Para alcançar esses objetivos, precisamos restaurar a natureza e impulsionar a inovação. Só então vamos deixar o future gerações um planeta saudável e sustentável para as futuras gerações”.

Principais estatísticas e fatos

• Cerca de 25% das emissões de Gases de Efeito Estufa são causadas pelo desmatamento, produção agrícola e fertilização, com a alimentação baseada em animais contribuindo com 75% desse número.

• 5,6 gigatoneladas de emissões de CO2 são sequestradas em ecossistemas marinhos e terrestres a cada ano, o equivalente a 60% das emissões globais de combustíveis fósseis.

• Estima-se que quase um terço da área florestal global tenha sido perdido em comparação com os níveis pré-industriais.

• Pequenas propriedades não apenas ajudam a manter rica biodiversidade, mas também contribuem mais, por hectare, para a produção agrícola global e suprimento de alimentos, do que as grandes propriedades: 30% da produção agrícola global e suprimento global de alimentos são fornecidos por pequenas propriedades (<2 ha), usando 25% das terras agrícolas.

• Em 2015, cerca de US$ 100 bilhões de apoio financeiro nos países da OCDE foram para a agricultura, que é potencialmente prejudicial ao meio ambiente.

Oceanos, pesca e aquicultura

Os principais estoques de peixes marinhos estão desaparecendo devido à sobrepesca; 33% dos peixes marinhos em 2015 foram colhidos em níveis insustentáveis; 60% são maximamente pescados de forma sustentável. As práticas sustentáveis de pesca estão acontecendo muito lentamente e em pequena escala para abordar significativamente essa crise.

A pesca industrial tem uma pegada 4 vezes maior do que a agricultura. A concentração da pesca e produção é altamente desproporcional. Embora as pescarias menores representem mais de 90% dos pescadores comerciais (mais de 100 milhões de pessoas), bem como quase metade da captura global de peixes, o resto da produção mundial de pescado é bastante concentrado, em poucos países. e algumas corporações.

O Professor Rashid Sumalia da Universidade da Colúmbia Britânica comentou: “Em nome da biodiversidade dos oceanos e da segurança alimentar de bilhões de pessoas em todo o mundo, os governos deveriam parar de conceder subsídios, atualmente estimados em US $ 20 bilhões por ano, a pescas prejudiciais ao meio ambiente”.

Por sua vez, Sian Owen, coordenador da Coalizão de Conservação do Mar Profundo disse: “De acordo com a Avaliação dos Oceanos da ONU: ‘Há fortes evidências de que a riqueza dos organismos no fundo do mar suporta os diversos processos e funções dos ecossistemas necessários para o funcionamento dos sistemas naturais da Terra’. Com a pesca de arrasto em águas profundas e o impulso acelerado para minar as profundezas do oceano, corremos o risco de extinguir uma biodiversidade nunca vista antes, da qual dependem todas as cadeias alimentares e os ecossistemas. O relatório é um lembrete oportuno do nosso papel como administradores do planeta”.

Principais estatísticas e fatos

• Mais de 55 por cento da área oceânica é coberta por pesca industrial.

• Há uma redução projetada de 3 a 25% na biomassa de peixes até o final do século em cenários de baixo e alto aquecimento climático, respectivamente.

• 70%: parte estimada dos navios implicados na pesca ilegal, não declarada e não regulamentada, apoiada por fundos canalizados através de paraísos fiscais.

• 100 a 300 milhões de pessoas em áreas costeiras com risco aumentado devido à perda de proteção do hábitat costeiro.

• 400 zonas baixas de oxigênio do ecossistema costeiro (hipóxica) causadas por fertilizantes, afetando 245 mil km2.

• 57%: parcela representada por subsídios para aumento de capacidade que podem impactar negativamente a natureza dos 35 bilhões de dólares gastos em medidas de apoio às atividades pesqueiras.

Alterações climáticas

Não podemos salvar o clima sem salvar a biodiversidade e vice-versa. Muitas das soluções “sem arrependimentos” para a crise climática (por exemplo, proteção e restauração de sumidouros de carbono, manejo sustentável da terra, práticas agroecológicas, respeito ao conhecimento indígena) também melhoram a biodiversidade, a água, o solo e o bem-estar humano. O sistema alimentar – produção e consumo – é um dos principais impulsionadores da perda de biodiversidade e também um dos maiores emissores de GEEs,

A mudança climática está intensificando a perda da biodiversidade e, quando os impactos do clima atingem, eles atingem com mais força onde a natureza está em estado precário.

Os autores rodaram modelos sobre os cenários climáticos futuros do IPCC para ver como a elevação da temperatura e o consequente desequilíbrio climático poderiam afetar a biodiversidade e descobriram que a fração estimada de espécies em risco de extinção a partir de 2°C é de 5%, comparada a 16% se o aquecimento for de 4,3°C, que é a atual trajetória de aquecimento . Muitas das políticas que limitariam a elevação da temperatura para 1,5°C também ofereceriam uma maior chance de preservar a maior biodiversidade possível.

Thomas Lovejoy, membro sênior da Fundação das Nações Unidas advirtiu: “O nosso futuro e o do mundo natural estão inextricavelmente ligados: eles são simultaneamente fundamentais para um futuro melhor para as pessoas e a natureza. Soluções baseadas na natureza – proteção e restauração de áreas naturais – são essenciais para evitar mudanças climáticas severas”.

Já, Hoda Baraka, diretor de comunicações globais da ONG 350.org, afirmou: “Estamos enfrentando uma crise de extinção humana. A avaliação do IPBES é outro lembrete gritante de que a hora de agir é agora.  Temos de trabalhar em conjunto para impedir que a indústria dos combustíveis fósseis continue alimentando a crise climática e para uma mudança duradoura e significativa. O tempo está acabando, mas trabalhando juntos em todo o mundo, podemos fazê-lo. Como 1,6 milhão de grevistas da escola nas ruas em Março mostraram, enfrentar uma emergência tão grande desencadeia um poderoso senso de propósito comum”.

Principais estatísticas e fatos

• A média global do nível do mar subiu entre 16 e 21 centímetros desde 1900

• Um aumento de 100% desde 1980 nas emissões de gases de efeito estufa, elevando a temperatura média global em pelo menos 0,7 grau Celsius.

• Mesmo para o aquecimento global de 1,5 a 2 graus Celsius, a maioria das áreas de espécies terrestres está projetada para encolher profundamente, o que significa que já criamos uma perda irrecuperável em nosso mundo natural.

Saúde, povos indígenas e  comunidades locais

Houve um aumento de 105% na população humana global (de 3,7 para 7,6 bilhões) desde 1970 e esse número continuará a aumentar. Junto com isso, houve um crescimento de 100% nas áreas urbanas desde 1992 e a pressão sobre os espaços naturais está aumentando como resultado.

Existem cerca de 2.500 conflitos sobre combustíveis fósseis, água, alimentos e terras atualmente ocorrendo em todo o mundo. Essa tendência continuará especialmente nas áreas do mundo projetadas para experimentar efeitos negativos significativos das mudanças globais no clima, biodiversidade, funções dos ecossistemas e contribuições da natureza para as pessoas, que são as áreas onde residem grandes concentrações de Povos Indígenas e muitas das comunidades mais pobres do mundo.

O status do mundo natural como uma farmácia natural é ameaçado pela perda de biodiversidade. Cerca de quatro bilhões de pessoas dependem principalmente de medicamentos naturais, e 70% das drogas contra o câncer são produtos naturais ou sintéticos inspirados na natureza.

Lakpa Nuri Sherpa, do Fórum Indígena Internacional sobre Biodiversidade e Serviços Ambientais (IIFBES caucus) AIPP (Ásia): “Como cidadãos globais, todos somos parte e não somos separados da natureza. Como povos indígenas, somos guardiões de nossas terras há milênios e temos profunda interação com os ecossistemas em que vivemos. As evidências mostram que nossas terras estão entre as mais biodiversas do planeta. Somente reconhecendo os direitos, o conhecimento, as inovações e os valores dos povos indígenas e comunidades locais, poderemos impulsionar a agenda global para usar e conservar de maneira sustentável a biodiversidade”.

Tom Dillon, Chefe do Meio Ambiente, The Pew Charitable Trusts: “As conclusões da Avaliação Global reforçam a importância de reconhecer o elo essencial entre o bem-estar humano e a natureza. Desde o interior australiano até os confins do Ártico canadense, existem modelos de conservação com os quais podemos aprender. Nesses lugares e ao redor do mundo, gerações de conhecimento e um legado de governança dos povos indígenas e comunidades locais estão no centro das medidas de conversação de longa duração”.

Principais estatísticas e fatos

• A natureza gerida por Povos Indígenas e Comunidades Locais está sob crescente pressão, mas geralmente está diminuindo menos rapidamente que em outras terras.

•  +/- 6.500: instalações de mineração oceânica de petróleo e gás offshore (em 53 países).

• US $ 345 bilhões: subsídios globais para combustíveis fósseis, resultando em US $ 5 trilhões em custos totais, incluindo externalidades de deterioração da natureza; o carvão representa 52% dos subsídios após impostos, o petróleo, 33%, e o gás natural, 10%.

• 2 vezes: exposição a poluentes atmosféricos sofridos por cidadãos do país de baixa renda.

• 300 a 400 milhões de toneladas: metais pesados, solventes, lodo tóxico e outros resíduos de instalações industriais despejados anualmente nas águas do mundo.

• Houve um aumento de 10 vezes na poluição por plásticos desde 1980.

Impactos de biodiversidade – plantas e animais

A natureza está declinando globalmente a taxas sem precedentes na história humana, impulsionadas por todas as questões descritas nas seções anteriores deste documento. A taxa de perda de espécies está se acelerando, com impactos graves em pessoas ao redor do mundo agora prováveis.

A abundância média de espécies nativas na maioria dos principais habitats terrestres caiu em pelo menos 20%, principalmente desde 1900 e houve uma redução de 30% na integridade do habitat terrestre global causada pela perda e deterioração do hábitat. O Relatório constata que dos cerca de 8 milhões de espécies de animais e plantas na Terra, até um milhão de espécies estão agora ameaçadas de extinção, muitas dentro de apena algumas décadas.

Dra. Cristiana Pasca-Palmer, Secretária Executiva da Convenção sobre Biodiversidade disse: “O Relatório de Avaliação Global do IPBES de 2019 sobre Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos chega em um momento crítico para o planeta e todos os seus povos. Construir uma ponte entre a ciência e a formulação de políticas é crucial. Estamos atualmente no meio da preparação para a Conferência de Biodiversidade da ONU em 2020, na China, que marcará o fechamento das Metas de Biodiversidade de Aichi e definirá o rumo para um desenvolvimento sustentável pós-2020 com foco ecológico. para fornecer múltiplos benefícios para as pessoas, o planeta e nossa economia global. O relatório do IPBES servirá como base fundamental de onde estamos e de onde precisamos ir como uma comunidade global”.

Mike Barrett, diretor executivo de ciência e conservação do WWF do Reino Unido: “O relatório do IPBES aumenta a riqueza de evidências de que a natureza está em queda livre. Estamos usando os recursos naturais do nosso planeta mais rapidamente do que eles podem ser restaurados – destruindo nosso próprio sistema de suporte à vida e colocando em risco nosso próprio futuro. Ainda podemos reverter essa tendência catastrófica da perda da natureza e enfrentar a crise climática.

Mas os líderes mundiais devem tomar medidas decisivas para restaurar a natureza, impedir as mudanças climáticas e garantir a segurança alimentar. O ano que vem é um ponto de virada para as pessoas e para o nosso planeta, e é essencial que concordemos com um novo acordo global ambicioso para as pessoas e a natureza em 2020”.

Principais estatísticas e fatos

• A taxa atual de extinção de espécies globais é de dezenas a centenas de vezes maior do que a média dos últimos 10 milhões de anos, e essa taxa está crescendo.

• Cerca de 40% das espécies de anfíbios ameaçadas de extinção, juntamente com 33% de corais formadores de corais, tubarões e tubarões, e aoredor de 33% de mamíferos marinhos estão ameaçados de extinção.

• Mais ou menos 10%: estimativa experimental da proporção de espécies de insetos ameaçadas de extinção.

Objetivos globais e vontade política

O relatório do IPBES mostra que governos e empresas não estão nem perto de fazer o suficiente. O mundo está caminha na direção do fracasso do Acordo de Paris, da maioria das metas de biodiversidade de Aichi e 80% dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável devido à nossa má gestão do mundo natural.

O conceito de mudança transformativa – delineado há apenas seis meses nos cenários do “Relatório Especial do IPCC  1,5” para limitar a elevação da temperatura a 1,5 graus centígrados acima dos níveis industriais – exige um reordenamento radical da sociedade a fim de preservar nosso meio ambiente e um futuro tão confortável quanto possível para grande parte da humanidade.

Agora, um segundo relatório científico – a Avaliação Global do IPBES – está exigindo essa rápida mudança antes que uma quantidade devastadora de biodiversidade seja perdida. Ao ratificar o conteúdo do SPM, os governos afirmaram essencialmente que os negócios de sempre (business as usual) não podem continuar sem ameaças sérias e devastação permanente do nosso mundo natural.

 O SPM contém um texto pedindo a reforma dos sistemas econômicos e globais para projetar uma economia global sustentável, afastando-se dos negócios atuais como um modelo de crescimento econômico ilimitado. Isso poderia ser alcançado por meio de uma combinação de políticas e ferramentas (como a inclusão de programas de incentivo, padrões de certificação e desempenho) e uma tributação mais consistente internacionalmente, apoiada por acordos multilaterais e maior monitoramento e avaliação ambiental.

Laurence Tubiana, CEO da European Climate Foundation e Embaixadora Internacional do Governo Francês para as negociações da COP-21 e o Acordo de Paris, esclareceu: “As causas das alterações climáticas e da perda de biodiversidade têm muito em comum e este relatório é a prova de que só podemos salvar o clima se também salvarmos a natureza. Seis meses após o lançamento do relatório do IPCC sobre maneiras de limitar o aumento de temperatura a 1,5 grau e os perigos de não fazê-lo, governos e cientistas se uniram novamente para soar o alarme de emergência. Sem mudança transformacional em nossas sociedades, estamos colocando em risco nossa existência e a do mundo natural mais amplo”.

Laurence Tubiana finalizou seu depoimento se perguntado: “Quantas evidências a mais os políticos precisam para acelerar os esforços para proteger nosso meio ambiente e nosso futuro?”.

Por sua vez, Dominic Waughray, Chefe do Centro de Bens Públicos Globais, Fórum Econômico Mundial disse: “O Relatório de Avaliação Global é um alerta para governos, empresas e comunidades em todos os lugares. A ciência é clara de que estamos no meio de uma sexta extinção em massa e não podemos continuar com os negócios de sempre. As interconexões entre o sistema alimentar global, os ecossistemas e os recursos naturais, a mudança climática e a saúde e a subsistência das pessoas estão profundamente enraizadas. Resolver esses desafios requer inovação, especialmente nas cadeias globais de suprimentos. Mas o tempo está se esgotando – para desenvolver essas inovações e ampliá-las na velocidade necessária, precisaremos que governos, empresas, investidores, cientistas e grupos comunitários trabalhem juntos em uma cooperação radical”.

O IPBES e o Relatório de Avaliação Global

• O Relatório de Avaliação Global do IPBES sobre Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos é o mais abrangente já concluído. É o primeiro Relatório intergovernamental do gênero e se baseia no marco da Avaliação Ecossistêmica do Milênio de 2005.

• O Relatório avaliou cerca de 15.000 artigos científicos, ao longo de três anos. Foi compilado por 145 autores especialistas de 50 países, com contribuições de outros 310 autores contribuintes.

•  O Painel Intergovernamental para Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos (IPBES) é um órgão intergovernamental independente composto por mais de 130 governos membros, que se reuniram na última semana em Paris para aprovar o Relatório.

• A Avaliação Global avalia mudanças em nosso mundo natural nas últimas cinco décadas. Liga os pontos entre as alterações climáticas e a perda de biodiversidade e as contribuições que a natureza nos oferece, provendo um leque de possíveis cenários para as próximas décadas e fornecendo uma visão abrangente da relação entre os caminhos do desenvolvimento econômico e seus impactos na natureza.

• A Convenção sobre Diversidade Biológica (CBD) solicitou ao IPBES que informe suas conclusões nas negociações a serem realizadas no próximo ano na China  sobre uma Visão de 2050 para a Biodiversidade e contribua para avaliações da realização das Metas de Biodiversidade de Aichi (as metas globais de Biodiversidade existentes no mundo) acordadas durante a realização da COP-10 da Convenção sobre Diversidade Biológica ocorrida em Nagoya, Japão, edm 2010.

•  O Relatório de Avaliação Global do IPBES também incluiu (pela primeira vez nesta escala) o conhecimento indígena e local, especialmente sobre questões relevantes para os Povos Indígenas e as Comunidades Locais.

•  Estabelecido pelos governos em 2012, o IPBES fornece aos formuladores de políticas avaliações científicas objetivas sobre o estado do conhecimento sobre a biodiversidade, os ecossistemas e as contribuições que eles fazem às pessoas, bem como as ferramentas e métodos para proteger e usar de forma sustentável esses recursos naturais vitais.

Para mais informações, acesse www.ipbes.net

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui