Goldman Sachs anuncia que vai parar de financiar petróleo do Ártico

Ártico - Foto: Kiliii Yuyan

Chloe Zilliac || Jornalista Bolsista da revista Sierra

Na segunda-feira 16 deste mês (Dezembro), o Banco Goldman Sachs anunciou que não financiará novos projetos de perfuração ou exploração de petróleo no Ártico, tornando-se o primeiro banco dos EUA a assumir esse compromisso. A estrutura revisada da política ambiental do banco, divulgada no domingo 15, também inclui a proibição de financiamento para novas minas de carvão térmico em todo o mundo.

Ao explicar sua decisão, a Goldman Sachs citou preocupações ambientais, como os “impactos potenciais em hábitats naturais críticos para espécies ameaçadas de extinção” e os efeitos negativos que a perfuração poderia ter nas comunidades indígenas, que dependem dos ecossistemas árticos para seus meios de subsistência tradicionais por séculos.

A nova política de empréstimos é uma vitória para os ambientalistas na luta para preservar os 1,5 milhão de acres de terra nas planícies costeiras do Refúgio Nacional da Vida Selvagem do Ártico, que o Governo Trump propôs abrir para perfuração em 2017. Desde então, o Governo vem trabalhando para agilizar o processo de revisão ambiental, a fim de cumprir sua meta de realizar uma venda no refúgio este ano, mas em Novembro, o Departamento do Interior anunciou que perderia esse objetivo.

O anúncio do Goldman Sachs ocorre após os esforços de lobby liderados pelo Comitê Diretor de Gwich’in, pelo Sierra Club e pela Rainforest Action Network (RAN). A coalizão desse grupo ambientalista se reuniu com representantes dos principais bancos norte-americanos nos últimos meses para exortá-los a mudar suas políticas de empréstimos.

“A perfuração no Refúgio no Ártico destruiria permanentemente a principal fonte de alimento do povo Gwich’in, nossa cultura e nosso modo de vida”, disse Bernadette Demientieff, diretora Executiva do Comitê Gestor de Gwich’in, num comunicado. “Estamos felizes em ver a Goldman Sachs reconhecer que o Refúgio no Ártico não é um local para perfuração, e esperamos que outros bancos e as empresas de petróleo que eles financiam sigam sua liderança”.

A vitória faz parte de uma estratégia maior liderada por grupos ambientalistas para impedir a perfuração do Ártico, buscando recursos para os caros projetos de infraestrutura de petróleo necessários para facilitar a perfuração. Em resposta aos esforços legais, 13 bancos europeus e australianos já se comprometeram a não financiar novos projetos de perfuração no Ártico, onshore e offshore.

“O Governo Trump pode não se importar em ignorar a vontade do povo norte-americano ou atropelar os direitos indígenas, mas um número crescente de grandes instituições financeiras está deixando claro que sim”, disse num comunicado, Ben Cushing, representante da campanha do Sierra Club. “O Goldman Sachs tem razão em reconhecer que destruir o Refúgio no Ártico seria um mau negócio, e esperamos que outros bancos estadunidenses sigam sua liderança”.

Embora o banco tenha citado as preocupações ambientais como o impulso para sua mudança de política, os fatores econômicos provavelmente também tiveram um papel. Em 2017, Michele Della Vigna, analista do Goldman Sachs, disse à CNBC que não via uma justificativa para a exploração do Ártico. “Projetos caros imensamente complexos como explorar o Ártico pensamos que pode levar a uma curva de custos muito alta e não ser economicamente factível”, disse ele.

Em uma declaração conjunta, o Sierra Club e a Rainforest Action Network aplaudiram as novas restrições mais duras do Goldman Sachs em projetos de petróleo e gás, mas também enfatizaram que o banco ainda tem um longo caminho a alinhar suas políticas de empréstimos com as reduções de emissões de carbono necessárias para impedir que o aumento da temperatura global exceda 1,5°C. Mais notavelmente, a estrutura mais recente do Goldman Sachs deixou de fora mudanças significativas em sua política de empréstimos para projetos de fracking e areias betuminosas e deixou um buraco na política de carvão, permitindo o financiamento de novos projetos de carvão se eles tiverem “armazenamento de captura de carbono ou carbono equivalente tecnologia de redução de emissões (CCS)”.

No entanto, a nova política pode ser uma indicação de que os principais bancos dos EUA, que até agora têm sido alguns dos principais financiadores de projetos de combustíveis fósseis estão começando a atender pedidos de ativistas climáticos por políticas que apoiem o combate à crise climática. Em sua estrutura política, o Goldman Sachs reconheceu “o consenso científico, liderado pelo Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas, que a mudança climática é uma realidade e que as atividades humanas são responsáveis por aumentar as concentrações de Gases de Efeito Estufa na atmosfera da Terra”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui