Entrevista com Edward Osborne Wilson

Edward Osborne Wilson - Foto: Gregory Heisler


Edward Osborne Wilson

Entomologista e biólogo. Professor de Biologia Evolutiva na Universidade de Harvard

Jason Mark || Editor da revista Sierra do Sierra Club

Um diálogo sobre a Half Earth

No Outono passado, a UC Berkeley sediou o “Half Earth Day”, um simpósio para explorar a ideia de reservar 50% das terras e dos oceanos da Terra para a conservação da biodiversidade. O conceito “Half Earth” foi concebido por E. O. Wilson, o eminente biólogo, duas vezes vencedor do Prêmio Pulitzer e notável mirmecologista (que estuda formigas). 

Wilson escreveu em 2016 na revista Sierra: “Somente comprometendo metade da superfície do Planeta com a natureza, podemos esperar salvar a imensidão das formas de vida que a compõem. A menos que a humanidade aprenda muito mais sobre a biodiversidade global e se mova rapidamente para protegê-la, em breve perderemos a maioria das espécies que compõem a vida na Terra. A proposta “Half Earth” oferece uma primeira solução de emergência proporcional à magnitude do problema: deixando metade do Planeta em reserva, podemos salvar a parte viva do meio ambiente e alcançar a estabilização necessária para nossa própria sobrevivência”.

O objetivo ambicioso – que Wilson chama de “luar” – galvanizou os conservacionistas. Muitas organizações ambientais, incluindo o Sierra Club, agora estão pedindo a preservação de 30% da natureza selvagem até 2030 como um trampolim para a meta da “Half Earth”. Na véspera do encontro da UC Berkeley, tive a oportunidade de dialogar com o professor Wilson no Graduate Hotel, em Berkeley.

Gostaria conhecer sua visão sobre a recepção de “Half Earth”. Está surpreso com a forma como as pessoas responderam?

Fiquei surpreso quando foi apresentado meu livro “Half Earth” em 2016. Naquela época, eu esperava que provavelmente receberia muita oposição e críticas, por que ia longe demais e muito rápido. Mas, quando cheguei à reunião quadrienal da União Internacional para a Conservação da Natureza, em Honolulu, onde esperava receber críticas ou muitas objeções e assim por diante, encontrei entusiasmo quase universal.

O que o livro fez foi apenas sugerir que a crise da biodiversidade era um grande problema que poderia ser resolvido de uma só vez. Eu chamei de “Lua cheia”. Porque os esforços de conservação em todo o mundo consistiam em procedimentos direcionados para salvar uma espécie aqui ou ali, ou para salvar um hábitat aqui ou ali. E o resultado disso deveria ser a necessária proteção à natureza se os procedimentos fossem intensos e amplos o suficiente para realizá-la. Mas sabíamos, mesmo assim, em 2016, que apenas um quinto das espécies da “Lista Vermelha” da UICN, ou seja, espécies com risco imediato de extinção tinha diminuído a velocidade da extinção por todos esses esforços ao redor do mundo. Eu acho que a maioria de nós percebeu que estávamos alcançando muitas vitórias em uma guerra perdida. E agora parecia apropriado.

Para quem ainda não leu o livro, por que metade? Por que não 35% ou 65%? Quero dizer, tem certo tipo de elegância equitativa – cinquenta e cinquenta – mas por que metade do ponto de vista biológico ou ecológico?

Cheguei a esse ponto em parte pelo motivo que você acabou de sugerir, que é fácil de lembrar. E metade era, como se vê, um objeto robusto a ser levantado. Mas isso iria longe para resolver todo o problema em todo o mundo. Em particular, das minhas medições teóricas do que sabíamos sobre extinções e processo de extinção, metade seria suficiente para salvar provavelmente mais de 80 por cento de todas as espécies da Terra, talvez 85 port cento.

Agora, quando cheguei a essa figura, voltei e pensei na teoria que um jovem professor da Universidade de Princeton, Robert MacArthur, e eu idealizamos quase 50 anos antes. Eu era um jovem professor em Harvard e decidi ver se poderíamos elaborar uma projeção de como a área afeta o número de espécies, porque estávamos interessados no que determina a variedade de vida em uma ilha, uma pequena ilha, uma ilha de tamanho médio e assim por diante. E finalmente reconhecemos que o que estávamos fazendo se aplicava também às reservas naturais.

Esta é a ideia da biogeografia de ilhas?

Isso está correto, a Teoria da Biogeografia de Ilhas. E tem um resultado, que é imediatamente relevante no momento. Nesse período, cerca de 15 por cento da Terra foi colocada em reservas explicitamente para tentar proteger as espécies animais e vegetais existentes, a biodiversidade existente. Quinze por cento da terra e cerca de 7,5 por cento do mar. (Esse valor para o mar não é, propriamente, oceano aberto, mas águas territoriais.) Portanto, 15 por cento e 7,5 por cento o que significaria para nós se continuássemos com esses números?

Acontece que faríamos muito melhor do que pensávamos que estávamos fazendo [por causa] da Teoria da Biogeografia de Ilhas. Isso se baseia nas medições reais que mostram que o número de espécies em uma ilha (ou em uma reserva) aumenta à medida que a quarta raiz – você sabe, a quarta vez na figura – a área aumenta.

Se isso for verdade, a economia de cerca de 10 por cento da área em que você deseja proteger a fauna e a flora permitiria economizar até 50 por cento da espécie.

Então comecei a pensar: precisamos de um disparo para a Lua. Precisamos fazer uma coisa importante na qual as pessoas possam se reunir para resolver o problema. E eu disse para mim mesmo: OK, por quanto devemos estar realmente prontos para lutar? E me ocorreu que 80 por cento ou 85 por cento parecia muito bom. Então, quanta terra seria? Metade.

O que estou ouvindo é que o conceito Half Earth é, de certa forma, a biogeografia de uma ilha escalada para uma ilha que está flutuando no espaço.

Sim, a figura da metade saiu da biogeografia da ilha. Na verdade, é mais do que apenas um palpite. Pelos bancos de dados, eu sabia que, se pudéssemos economizar metade de uma determinada reserva, estaríamos em algum lugar na proximidade – pelo menos numa previsão – de que 85 por cento das plantas e animais seriam salvos.

Dado que ainda somos muito tímidos quanto à metade do objetivo, o que precisa acontecer politicamente, globalmente, para cumprir esse objetivo? Os números sobre os quais tenho conhecimento estão tentando chegar aos 30 por cento até  o ano 2030 e 50 por cento até meados deste século. Sem dúvida existe o ângulo político, e também o ângulo científico. Você escreveu sobre o quão pouco sabemos sobre o Planeta inteiro e sobre todos os seus muitos, muitos habitantes. Há mais pesquisas que precisam ser feitas para nos informar também sobre isso?

Bem, temos que começar de algum lugar. Gosto de citar John Kennedy, quando ele anunciou que colocaríamos um homem na Lua numa década. Ele não disse em seu famoso discurso, “Vamos, até o final desta década, fazer progressos significativos no sentido de colocar um homem na Lua e trazê-lo de volta para casa”. Ele disse: “Nós vamos colocar um homem na Lua e trazê-lo de volta até o final desta década” Então foi realmente importante, na minha mente, que fazer uma coisa semelhante: Nós vamos colocar metade da superfície da Terra, que contém quantidades substanciais de flora e fauna nativas em reserva pela natureza. E mantendo-a assim, nós vamos salvar a grande maioria das espécies na Terra.

Quando olho para o cenário da política ambiental, parece-me que as mudanças climáticas sugam muito ar da sala. E, no entanto, há essa crise dupla da emergência da extinção. Você às vezes tem a sensação de que essa outra crise de gêmeos não está recebendo tanta atenção?

Bem, existe a possibilidade de que a nossa luta para interromper as mudanças climáticas destrutivas torne a maioria das pessoas, ao redor do mundo, muito mais conscientes das mudanças que precisam ser interrompidas em nível planetário, e a extinção de espécies está nessa categoria.

Deixe-me supor que existem três grandes crises do meio ambiente. O que veremos em breve – está no horizonte – é uma segunda grande crise ambiental e a falta de água doce. A falta de água doce cresce rapidamente, causando alguns dos problemas humanitários mais trágicos no Norte da África e também na América Central, onde as mudanças climáticas destruíram grande parte da agricultura. Muitas das pessoas que esperam vir a este país estão basicamente evitando esse problema. OK, essa é uma segunda grande crise ambiental que estamos começando a tomar consciência, e que ficará cada vez pior.

E o terceiro é o que vocês estão sentados aqui juntos para conversar e essa é a extinção das espécies em massa. Mesmo se você dissesse: “Bem, nós podemos viver com menos variedades de plantas e animais” Deus nos livre de tomarmos uma posição de indiferença desse tipo! Mas, mesmo que o fizéssemos, teríamos que levar em consideração o colapso dos ecossistemas.

Quando você escolhe espécies suficientes – particularmente aquelas que chamamos de espécies-chave, aquelas que têm um grande impacto positivo no resto do ecossistema – você tem uma possibilidade substancial de ver um colapso completo do ecossistema. Então você tem um desses impactos irreversíveis da atividade humana.

Quando você olha para a literatura, existem extinções das espécies que realmente o mantém acordado à noite? Estou pensando como a castanha americana, algo da qual tantas outras espécies dependem. Existem outras espécies com as quais você realmente se preocupa ou digamos um gênero específico?

Eu sou especialista em formigas, certo? E, acredite ou não, existem espécies de formigas ameaçadas de extinção. E assim montei minhas próprias expedições fora de Harvard, para avaliar seu status e descobrir como podemos impedir que essas espécies fossem extintas. Uma é do Sri Lanka. As formigas que costumavam serem dominantes na era dos dinossauros formam uma família inteira, os Aneuretinae.

Eu as redescobri na ilha do Sri Lanka e propus o que precisa ser feito para manter viva essa linhagem antiga. Também recentemente fui à ilha de Vanuatu – antes era conhecida como as Novas Hébridas, perto das Ilhas Salomão na Nova Guiné porque era lá que uma espécie de formigas-do-mato, uma formiga grande e dura, a única espécie desse tipo já conhecida fora da Austrália, onde o tipo é muito comum haviam sido descobertos na Nova Caledônia e aparentemente desapareceram por volta da década de 1880.

Montei uma expedição para encontrá-la em Vanuatu, distante, para garantir que algo interessante ainda pudesse ser salvo. E nós encontramos. E prescrevemos o que era necessário para manter isso vivo.

Agora, uma espécie de formiga num lugar que a maioria das pessoas nunca ouviu falar, não é exatamente um tremor de terra. Mas, o que precisamos criar à nossa frente terá de incluir ações e pesquisas desse tipo, na multiplicidade.

Quero dizer, envolver muitas pessoas para manter todo o Planeta e todas as plantas e animais nele. O papel de cada um pode ser importante. Apenas não descobrimos qual pode ser sua importância. Deveríamos ser capazes de salvá-los por tempo suficiente para entendê-los e descobrir como – espécie por espécie e reserva por reserva – podemos segurá-las.

O destino de uma única espécie de formiga numa única ilha, e a questão de para que serve nos leva de volta ao seu ponto sobre a indiferença. Que é o de que queremos preservar essas espécies, não apenas por seus serviços ecossistêmicos potenciais ou por seus serviços para nós. Elas têm o direito de existir por si mesmas.

Verdade. Elas são preciosas em si mesmas. Além disso, precisamos estudá-las todas eventualmente, para entender como funciona o mundo dos vivos. Precisamos, caso após caso, do estudo de espécies raras, de espécies comuns, de espécies no Equador, espécies do Ártico distante. E precisamos estar constantemente adicionando esse conhecimento e reunindo-o para determinar de onde veio a vida, de onde viemos e o que precisamos preservar para tornar a Terra um lugar habitável, um Planeta para ser nosso lar.

Você é conhecido como um sintetista pegando muitos tópicos e temas diferentes, combinando-os. E você também é conhecido como um grande cientista em seu próprio campo de estudo de formigas. Isso me faz pensar em seu livro “Letters to a Young Scientist”. Qual é a pressão entre a visão microscópica e a visão telescópica?

Esse livro, “Letters to a Young Scientist”, foi de alguma maneira o meu livro de maior sucesso, porque, em parte…, bem, deixe-me colocar desta maneira: é tão americano. O livro poderia ser intitulado “Como Ser um Sucesso na Ciência”. É um livro que tende a desafiar – embora eu não o faça muito explicitamente – todo o conceito de STEM (Science, Technology, Engineering and Mathematics – Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática), que agora domina o ensino.

Fico muito desconfortável em dizer aos jovens que estão entusiasmados em começar nos estudos científicos e fazer parte do futuro da tecnologia, dizendo a eles: “Oh, para ser um sucesso e conseguir esse emprego, você precisa entrar na ciência”. Ah, e, a propósito, se você está entrando na ciência e, digamos, biologia, especialmente, precisará de química. Você tem que estudar química. E enquanto você está nisso, diz a filosofia STEM, para realmente entender a química, você precisa se lembrar de que a química é baseada na física. Então, planeje aprender um pouco de física; pelo menos faça alguns cursos. E enquanto você está nisso, eu tenho que lembrá-lo que a maioria das ciências tem uma base matemática. Portanto, não tenha medo de matemática. Você tem que mergulhar e aprender um pouco de matemática. E quando você tiver todas essas coisas, então você estará pronto para se tornar um jovem cientista.

Eu acho que é esse o clima que estamos criando agora. E sou contra isso vigorosamente. Eu acho que eles conseguiram retroceder. Eu acho que as crianças devem fazer o melhor que podem e seus mentores podem ajudá-las a se tornarem cientistas imediatamente. E então, à medida que desenvolvem entusiasmo, isso inclui, por exemplo, sair e estudar um ecossistema em qualquer lugar e descobrir quais espécies existem e o que estão fazendo. Ou sair e procurar uma espécie rara de sapo que se sabe que existe na área. Esse é o tipo de coisa que deixa as crianças animadas. E uma vez que elas se mexem, como alguém que foi colocado na frente de um piano e adora martelar as teclas, em seis meses você precisa comprar um piano para esse garoto e depois lhe ensinar; esse aluno que começa assim, vai acreditar em você quando diz: “Bem”.

Parece-me que é igualmente aplicável aos cientistas cidadãos e aos naturalistas amadores, siga sua paixão e as descobertas virão, os insights virão.

Isso está correto. Há tantas pessoas que encontram a maior satisfação em suas vidas para sair e apreciar a natureza. E, ao fazê-lo, tornam-se biólogos amadores de campo, aprendendo com os pássaros, aprendendo com os sapos, aprendendo as diferentes espécies de plantas com flores e assim por diante. Esta é uma atividade que cresce rapidamente, de pessoas trazidas de volta à ciência e desfrutando de tudo. E mesmo contribuindo para a ciência, encontrando espécies, vendo o comportamento dos organismos – pássaros, por exemplo, gafanhotos ou formigas – que são muito interessantes. Então essas descobertas são apanhadas pelos cientistas ativos.

Você teve experiências de infância na floresta, pescando, observando pássaros e observando insetos. Hoje, os jovens têm menos acesso. Isso é realmente apenas um reflexo, talvez estejamos muito confusos aqui, digamos que aceitemos sua hipótese de biofilia de que temos esse traço instintivo de afinidade com a natureza selvagem. Como uma espécie cada vez mais urbana, e se houver um interruptor on-off epigenético? Você sabe, isso poderia ser uma característica que poderia atrofiar?

Não tenho certeza sobre isso. Na verdade, vemos na biofilia algo como um verdadeiro instinto humano que é adquirido e manifestado após um período de aprendizado. Na verdade, o que herdamos como instinto é a propensão a aprender uma coisa e não outra.

Por isso, chama-se aprendizado de programa, coevolução da cultura de genes; essa frase é a chave para entender a relação entre hereditariedade e aprendizado no comportamento humano. Por exemplo, quando temos uma variedade de opções a seguir, como espécie, para selecionar determinados ambientes, isso leva automaticamente – dependendo do grau de liberdade que temos sobre onde moramos e qual é nossa renda, etc. –a selecionar determinados ambientes para morar.

As experiências realizadas em todo o mundo descobriram que as pessoas escolhem viver num ambiente com as seguintes características: ficar no alto; ter atrás de você um muro, um penhasco ou uma floresta densa. Você pode olhar para a pradaria cheia de árvores. Em outras palavras, você está olhando para uma savana. E você tem seu local de residência próximo a um corpo de água, todas essas coisas juntas.

E é isso que os experimentos mostraram; é o que as pessoas em todo o mundo preferem, essa combinação. E isso, é claro, quando estávamos evoluindo como espécie, foi o que fez muito diferentes aos nossos distantes antepassados; mais segurança e vida confortável. Para viver um pouco na altura de onde podemos ver os animais que vamos caçar e os inimigos chegando. As pradarias onde vivem os grandes animais, que fornecem boa parte de nossa comida na medida em que somos carnívoros. Então, é claro, água. Água que fornece não apenas a vida, mas também o transporte e a alimentação, principalmente em tempos de seca e dificuldades na terra.

Em termos do que desenvolvemos evolutivamente, você apontou que as espécies que funcionam bem juntas – formigas, cupins e humanos – são as espécies que dominaram o Planeta. E, no entanto, nosso talento para a cooperação também parece cada vez mais – de acordo com muitas métricas – autodestrutivo. Pergunto-me, então, quais são os outros tipos de evidência de cooperação que você vê que o deixam mais esperançoso?

Essa é uma pergunta muito interessante. Deixe-me pensar. Que tipo de cooperação eu vejo? Talvez você possa dizer intrínseco ao comportamento instintivo humano? Eu diria que toda a cooperação, exceto a guerra, ou outras formas de atividade intergrupal violenta. Acredito que a evidência é bastante forte – e agora estamos prestes a entrar em outro assunto – de que a espécie humana, através dos australopitecíneos e primeiros progenitores humanos diretos, através de formas primitivas, como Homo erectus e Neandertais, foi marcada por uma evolução que incluía, como força motriz, a competição entre grupos. Competição de grupo contra grupo, com a cooperação aumentando constantemente como resultado da competição. Porque os grupos que são mais cooperativos entre os membros; acredito, têm sido uma força motriz da evolução.

A maneira como pode ser expresso isso: dentro de grupos, membros egoístas individuais vencem membros altruístas individuais. Mas grupos altruístas vencem grupos de membros egoístas. E essa é uma força motriz que eu acho que foi extremamente importante na formação do que somos. É a melhor característica da espécie humana.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui