Derretimento glacial cria bomba relógio nos Andes

Derretimento Andes - Foto: Willian Justen de Vasconcellos - Unsplash

Kieran Cooke || Editor da Climate News Network

A velocidade do derretimento glacial em partes da América Latina está ameaçando o abastecimento de água – e a vida e os membros das cidades a jusante.

O aumento da temperatura regional na Cordilheira dos Andes e o aquecimento das águas no Oceano Pacífico, na costa Oeste da América Latina, estão levando o derretimento glacial das montanhas a alarmantes novas velocidades.

O abastecimento de água a longo prazo para muitos milhões de pessoas está ameaçado. Capitais como Lima, no Peru, e La Paz, na Bolívia, em grande parte dependentes da água proveniente do derretimento das geleiras, enfrentam um futuro incerto. As perspectivas para a agricultura – um pilar das economias dos países da região – serão ameaçadas à medida que a terra seca.

Há outra consequência potencialmente letal do derretimento das geleiras dos Andes. Em 1941, grandes pedaços de gelo rompendo uma geleira e caindo no lago Palcacocha, a mais de 4.500 metros de altitude na Cordilheira Blanca, nos Andes peruanos, teriam desencadeado o que é conhecido como Inundação Glacial de uma Explosão de Lago (Glacial Lake Outburst Flood – GLOF).

À medida que as temperaturas na região continuam a subir, o nível de perigo aumenta.

O afluxo repentino de gelo fez o lago explodir, suas águas correram por um desfiladeiro para explodir num outro lago glacial abaixo e depois inundou a cidade de Huarez, a mais de 20 quilômetros de distância. Estima-se que mais de 4.000 pessoas – cerca de um terço da população da cidade na época – foram mortas.

O aumento da temperatura causado pelas mudanças climáticas nas cadeias de montanhas ao redor do mundo está levando a um número cada vez maior de incidentes da GLOF. Países montanhosos como o Peru e o Nepal no Himalaia, são particularmente vulneráveis às inundações repentinas causadas pela explosão de lagos glaciais.

Após o dilúvio de 1941, uma barragem foi construída no Lago Palcacocha: a princípio, o lago foi reabastecido lentamente, mas nos últimos anos o processo acelerou devido ao aumento da temperatura e ao derretimento glacial.

Tubos flexíveis foram usados para desviar as águas do lago, mas especialistas dizem que é apenas uma questão de tempo até que o Lago Palcacocha novamente estoure suas margens. A represa, dizem eles, será varrida. As consequências seriam devastadoras, pois uma onda de até 30 metros de altura será desencadeada.

População aumentada

A cidade de Huarez se tornou um grande destino turístico e sua população cresceu para mais de 120.000. Um grande número de agricultores mudou-se para terras abaixo do Lago Palcacocha. Os trabalhadores das minas também atuam na área, buscando minerais valiosos no solo descobertos pelo derretimento das geleiras.

Várias medidas de segurança estão sendo instaladas. Após anos de disputas e atrasos burocráticos, um sistema de alerta precoce de inundação está prestes a ser ativado na área. A instalação do sistema também foi sujeita a sabotagem pelos agricultores locais, que dizem que a introdução da tecnologia de alguma forma interferiu nos padrões climáticos naturais.

Os sistemas de monitoramento melhoraram – com avalanches glaciais frequentemente diários sendo registrados. O Instituto Nacional de Pesquisa sobre Geleiras e Ecossistemas Montanhosos (INAIGEM), fornece um vídeo ao vivo dos fluxos de água do Lago Palcacocha. Mas, à medida que as temperaturas na região continuam a subir, o nível de perigo aumenta.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui