Depois da retirada do Chile, Madri sediará a COP25

Crossing Alcala and Gran Via street in Madrid by night


Karl Mathiesen e Chloé Farand || Jornalistas do Climate Change News

As negociações ocorrerão na capital da Espanha, confirmou a ONU, depois que o Chile se retirou em meio a distúrbios sociais.

Madri sediará as negociações climáticas da ONU na COP25, intervindo depois que o Chile se retirou em meio a distúrbios sociais.

O governo espanhol se ofereceu para realizar em Madri o encontro anual da ONU que reúne milhares de diplomatas, políticos, ativistas, jornalistas e líderes empresariais, após o anúncio do Chile de que não poderia mais ser a sede da Conferência sobre o Clima.

O presidente polonês da COP24, Michal Kurtyka, anunciou a novidade no Twitter. A Ministra do Meio Ambiente do Chile, Carolina Schmidt, que continuará sendo a Presidente da COP25, apesar da mudança de local, disse que a Convenção sobre Mudanças Climáticas da ONU (UNCCC) confirmou a notícia.

A decisão de mudar o local acabou por ser tomada na sede da UNCCC, um painel de 12 membros de diplomatas climáticos, de todo o mundo e presidido por Kurtyka. Eles se souberam na sexta-feira 1/11 e aceitaram a oferta da Espanha.

Em um comunicado, a Secretária Executiva da ONU, Patricia Espinosa, disse que o bureau da UNCCC concordou em realizar a COP25 em Madri, de 2 a 13 de Dezembro.

O Primeiro-Ministro espanhol Pedro Sánchez (socialista) fez a oferta a seu colega chileno Sebastian Piñera, que aceitou com gratidão na quinta-feira 31/10.

Teresa Ribera, Ministra da Transição Ecológica da Espanha, descreveu como anfitrião das negociações climáticas da ONU em Madri como “um prazer” e “um privilégio” e “honra” para facilitar a ação global sobre as mudanças climáticas. “O multilateralismo progressivo e construtivo é a melhor resposta para os desafios globais”, tuitou ela.

Organizar o evento com apenas quatro semanas para se preparar será uma tarefa enorme. A ONU e o governo espanhol não forneceram imediatamente informações sobre o tamanho da Conferência. As conversas costumam congregar mais de 20.000 delegados.

O governo alemão, que abriga a sede climática da ONU em Bonn e é o padrão para as negociações climáticas, disse na quinta-feira: “Em Bonn, isso não seria logisticamente possível em tão pouco tempo”.

A Espanha enfrenta o fator complicador de uma eleição em 10 de Novembro. Num evento de campanha, Pablo Casado Blanco, que lidera o maior grupo de oposição da Espanha, o Partido Popular conservador, disse que o meio ambiente não era um problema só da esquerda e que seu partido seria o anfitrião se eles vencerem as eleições.

“Nesta luta, estamos juntos”, disse Blanco.

Com as conversações agora sendo realizadas na Espanha, seis em cada oito COPs serão realizadas na Europa entre 2013 e 2020. Tosi Mpanu Mpanu, negociador sênior da República Democrática do Congo, disse ao Climate Home News que, dadas as circunstâncias “ter um país voluntário em tão pouco tempo é algo que deve ser elogiado por toda a comunidade de negociadores”. No entanto, ele alertou que delegados de países africanos e asiáticos, quase todos que terão que solicitar vistos para a Europa, não devem ser prejudicados por questões de imigração.

Um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores espanhol disse que o governo não pode responder a perguntas sobre como seus consulados processarão milhares de solicitações de visto nas próximas semanas. Espera-se que uma reunião de coordenação no Ministério na próxima semana estabeleça uma diretiva.

Paul Watkinson, presidente do órgão científico da ONU sobre Mudanças Climáticas, disse que a Espanha “merece um enorme agradecimento por intervir para garantir que a COP25 possa seguir adiante nas datas planejadas. Há muito a ser feito na frente logística, mas podemos voltar a nos concentrar na substância”, disse ele.

Diplomatas esperam que as negociações possam resolver um impasse sobre como os créditos de carbono podem ser negociados entre os países. Isso provou ser uma questão politicamente controversa, com o Brasil pressionando uma solução que outros países temem que mine o Acordo de Paris de 2015, inundando o sistema com créditos que não resultam em cortes de emissões.

As negociações sobre esse assunto foram controversas e não foram resolvidas no ano passado, quando todas as nações concordaram com as regras que governam o Acordo de Paris. Uma reunião preliminar na Costa Rica no mês passado permaneceu impasse.

A ativista sueca Greta Thunberg, que atravessou o Atlântico para participar da COP-25 no Chile, disse que “precisará de ajuda” para fazer a travessia de volta à Europa nas próximas semanas. “Acontece que viajei pela metade do mundo, mas deu errado”, tuitou ela.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui