Cúpula da Juventude pelo Clima da ONU: jovens pedem fim dos combustíveis fósseis

20
Guterres e Greta - Foto: Eduardo Munoz Alvarez


Dan Shepard || Jornalista do Departamento de Comunicação Global da ONU

Um dia depois que milhares de pessoas marcharam pelo mundo – de Nova Iorque a Nova Deli, de Santiago a São Francisco – pedindo ações urgentes pelo clima, mais de 600 jovens participaram da Cúpula da Juventude para o Clima, no sábado (21/9/2019), em Nova Iorque. Para eles, é necessário que os líderes políticos façam mudanças radicais no uso de combustíveis fósseis e rumo a energia limpa, proteção dos oceanos e promoção do consumo sustentável.

Organizada pelo Secretário-Geral das Nações Unidas, António Guterres, a Cúpula da Juventude pelo clima reuniu jovens de mais de 140 países e territórios para compartilhamento de soluções num palco global e para dar um recado claro aos líderes mundiais: precisamos agir agora para as mudanças climáticas.

Cúpula da Juventude Pelo Clima 2019 – Foto: Kim Haughton – ONU

É o primeiro encontro da ONU reunindo jovens que se dedicam à ação pelo clima, que tem por objetivo dar voz às demandas da juventude por ações rápidas para que não se revertam os ganhos de desenvolvimento das décadas recentes, que melhoraram a vida de milhões de pessoas.

Os resultados do encontro serão encaminhados para a Cúpula da Ação do Clima, que reunirá Chefes de Estado e de Governo, dirigentes de empresas e líderes da sociedade civil a partir da segunda-feira (23/9/2019).

Guterres classificou esta geração de jovens como essencial para combater a crise global e disse que ainda estamos perdendo a corrida para as mudanças climáticas. “Mas estamos num impulso de mudança, graças à iniciativa de Greta Thunberg e a coragem com que ela começou este movimento”, afirmou o Secretário-Geral para a jovem ativista sueca de 16 anos.

“Milhões de pessoas ao redor do mundo estão dizendo claramente que querem mudanças, que os tomadores de decisão precisam mudar e que eles devem ser responsabilizados”, afirmou Guterres.

Jayathma Wickramanayake, enviada do Secretário-Geral para a Juventude, lembrou que a mudança climática é o assunto determinantes do nosso tempo. “Milhões de jovens em todo o mundo já estão sendo afetados. Se não agirmos agora, o impacto será severo”, alertou.

A Cúpula teve um formato diferente, com discussões e sessões de perguntas e respostas lideradas por moderadores e jovens. Entre os participantes estavam os 100 vencedores do bilhete verde, incluindo o brasileiro João Henrique Alves Cerqueira.

Cúpula da Juventude – Guterres e Greta Foto: Kim Haughton – ONU

Jovens vozes

“Milhões de pessoas em todo o mundo saíram as ruas e pediram real ação pelo clima”, afirmou Greta Thunberg. “Mostramos que estamos unidos. E que somos jovens e invencíveis”, encorajou a jovem aos demais participantes.

A representante das Ilhas Fijij Komal Kumar foi incisiva no seu recado aos líderes mundiais: “Somos seres humanos, somos comunidades. Demandamos ação. Chega de perder tempo. Vocês serão responsabilizados. E se vocês não lembrarem nos mobilizaremos para retirá-los pelo voto”, alertou.

Wanjuhi Njoroge, ativista do Quênia, destacou os progressos de recuperação florestal em seu país e avaliou que as iniciativas lideradas pelos jovens “causarão uma revolução”: “Precisamos que nos permitam influenciar nas decisões climáticas. Os Estados-membros precisam respeitar nossa liberdade de expressão, inclusive online”.

O ativista argentino Bruno Rodriguez declarou que as mudanças climáticas “são a crise política e cultural de nosso tempo”. “Não queremos mais combustíveis fósseis”, disse. Ele agradeceu a oportunidade dada pela ONU em incluir as vozes de sua geração no processo para “construir caminhos para um planeta mais habitável”.

Rodrigues afirmou que a ciência é clara e os líderes mundiais têm obrigação de fazer uma mudança radical. “Vamos parar de pedir que os líderes mundiais apenas ouçam a ciência e demandar que eles atuem com base na ciência”, disse.

Guterres concordou que um problema dos líderes mundiais é que eles “falam muito e ouvem pouco”. “É ouvindo que aprendemos”, lembrou o secretário-geral.

“Encorajo vocês a continuarem. Continuem se mobilizando e cada vez mais responsabilizando minha geração, que falhou enormemente até agora em preservar a justiça no mundo e em preservar o planeta. Tenho netas. Quero que elas vivam num planeta habitável. É a sua geração que deve nos fazer responsáveis para garantir que nós não traiamos o futuro da humanidade”, afirmou a liderança da ONU.

Jayathma Wickramanayake enfatizou que a ação climática precisa ser justa. “Precisamos garantir que ninguém, especialmente os jovens, seja deixado para traz”, afirmou, lembrando que a Agenda 2030 e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) são o modelo para que o mundo alcance o desenvolvimento sustentável até 2030 e que a ação pelo clima (ODS 13) é crucial para isto.

A Cúpula da Juventude pelo Clima teve uma programação de dia inteiro no sábado (21/9/2019), reunindo jovens ativistas, inovadores, empreendedores e agentes da modificação comprometidos em combater as mudanças climáticas numa velocidade e escala necessárias para o desafio climático.

Aquecimento global

As emissões globais estão aumentando, as temperaturas estão subindo e os impactos das mudanças climáticas são crescentes. As mudanças climáticas já estão afetando a vida de todas as pessoas mas para 1,8 bilhão de jovens com idades entre 10 e 24 anos, o tema é mais urgente, já que irá afetar suas vidas de modo nunca antes visto. Para a geração mais jovem está mais claro do que nunca a necessidade urgente de uma ação climática.

De acordo com a Organização Meteorológica Mundial o mundo está enfrentando o período de cinco anos mais quentes já registrando. A temperatura média global entre 2015 e 2019 é a mais quente de todas e está 1,1°C acima do período pré-industrial. Ondas de calor duradouras e generalizadas, incêndios recordes e outros eventos devastadores, como ciclones tropicais, enchentes e estiagens têm impactado o desenvolvimento sócio econômico e o meio ambiente.

As geleiras marítimas continuam a diminuir, o nível do mar está aumentando e a água marinha está se tornando mais ácida. Insegurança alimentar e impactos na saúde são crescentes, mas o mundo continua a investir em combustíveis fósseis.

O programa culminou com a divulgação da Plataforma de Estado da Juventude e a Plataforma ActNow, que encorajam pessoas a tomar atitudes pela mudança climática. Ao encerrar o encontro, a vice-secretária-geral Amina Mohammed participou de um debate com os participantes e representantes de alto nível de governos e da sociedade civil.

—–

Com a colaboração de: Nicholas Ceolin, jornalista do Escritório da Enviada da Juventude

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui