Crie uma reserva particular e deixe um legado que não será esquecido

APA Guapimirim - Foto: Ana Huara - Revista ECO21


Samyra Crespo || Ambientalista. Ex-Presidenta do Jardim Botânico do Rio de Janeiro

É fato inconteste que o binômio desmatamento/queimadas aumentou em todos os biomas brasileiros.

Chega o inverno, vem o pesadelo das queimadas. O tempo seco ajuda na combustão dos incêndios, a maioria criminosa. E pior, impune.

Além da vegetação que se vai, uma imensa quantidade de animais morre de modo doloroso e absurdo.

Há um empobrecimento genético que se acumula a cada ano.

Com o desmantelamento atual da estrutura federal de apoio às polícias florestais dos Estados, com o IBAMA de pernas quebradas – e mordaça – podemos prever um cenário catastrófico nos próximos meses. Além da Amazônia, queima-se a rodo o Cerrado e o Pantanal. E até a Mata Atlântica perde vegetação a olhos vistos.

Diante de índices alarmantes, muitos amigos e leitores dos meus textos perguntam – o que fazer, já que indignar-se é o início, mas é pouco?

Além dos atos mais óbvios, como recorrer ao Ministério Público, às Comissões Locais de Meio Ambiente, aos parlamentares que têm a defesa do meio ambiente na pauta e aos tradicionais abaixo assinados/petições (agora virtualmente mais eficazes) – o que pode ser feito no combate à destruição?

Nas ultimas décadas, desenvolvemos instrumentos – políticas públicas – que devemos conhecer para usar, tais como o Novo Código Florestal, o CAR Cadastro Ambiental Rural (sistema de georeferenciamento) e o Zoneamento Econômico-Ecológico (o que pode ser plantado e onde).

O que conservar, e por quê?

Foram criados os corredores de biodiversidade, sendo os principais, no caso da Mata Atlântica, que abrange o sudeste, o Corredor Central e o da Serra do Mar.

Nesta abrangência geográfica – com a floresta já bastante devastada (entre 7 e 12% de remanescentes) é fundamental “ligar ” as áreas com vegetação original ou secundária regenerada.

A S.O.S. Mata Atlântica vem atuando fortemente junto aos municípios – com os Planos Municipais de Proteção da Mata Atlântica. Uma barreira natural e legal à suicida estratégia do Ministério do Meio Ambiente que trabalha para flexibilizar a Lei de Proteção atual – um contrassenso escandaloso.

Há também um forte instrumento de resistência nas mãos de particulares: as RPPNs – Reservas Particulares do Patrimônio Natural.

Calcula-se que 75% dos remanescentes de Mata Atlântica, por exemplo, estão em propriedades privadas.

Por isso, além das Reservas Legais (porções previstas no Código Florestal, variável em cada bioma) é muito importante incrementar o montante de área verde por meio desse instrumento vital e simples.

As RPPNs são “tombamento” voluntário, legal e regulado de parte ou propriedades inteiras. Quando você adere, sua terra fica protegida. Ela não pode ser desmatada. Você protege a vegetação, o solo não se degrada e dificilmente você ficará sem água.

Sua mata intocada – no todo ou parte da propriedade que você destinar – não impede atividades econômicas como educação associada ao turismo, extração de frutos e polpa nativos, produção de mel e outras atividades agroflorestais.

Conceitualmente, as RPPNs ajudam à criação de corredores de biodiversidade, permitindo o trânsito de animais e de material genético – diminuindo o impacto da fragmentação florestal.

Em meados de 2000 participei ativamente de movimentos locais e para a criação de Leis municipais para facilitar a criação de reservas particulares. Junto com o Instituto Terra e o ISER, criamos a primeira Lei Municipal – em Miguel Pereira – neste sentido.

Há um vigoroso movimento de proprietários desse tipo de unidade de conservação no país e nos estados.

A Lei dos Serviços Ambientais procura remunerar, compensar financeiramente muitas propriedades, comprovadamente produtoras de água, por exemplo.

Se você tem uma chácara, um sítio, uma fazenda, não hesite: crie uma reserva particular.

Precisamos erguer uma barreira verde contra a destruição.

Tem amigos que são proprietários? Converse com eles, faça reuniões explicando os benefícios da conservação dos fragmentos florestais, do replantio de essências e árvores nativas, da criação dos refúgios de fauna, e da proteção da água. A RPPN não altera os direitos legais sobre a terra nem impede transações de compra e venda.

Qualquer hectare conta. Plantar e conservar coloca você no lado da história de quem fez/faz algo além de reclamar ou temer.

Um legado.

1 COMENTÁRIO

  1. Eu tenho uma chácara c 2 hectares passa córregos de Cachoeira uma bica com água de um rio subterrâneo na mata nativa tenho interesse

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui