COVID-19 e vacinas transgênicas



Silvia Ribeiro | Pesquisadora do Grupo ETC

A persistência da pandemia Covid-19 deu início a uma corrida furiosa por uma vacina, o foco mais restrito. As epidemias são sempre um momento de ascensão para a voraz indústria farmacêutica, hiperconcentrada em 20 grandes empresas transnacionais que controlam a maioria do mercado global e que não estão interessadas na saúde, mas nos seus lucros (veja aqui).

Eles aproveitam a oportunidade que os governos, instados a encontrar uma fórmula rápida para sair do estado de crise pandêmica e do esgotamento da população, estão dispostos a contribuir com enormes recursos públicos – dinheiro, conhecimento e equipamentos públicos – e a relaxar os regulamentos e avaliação de segurança da vacina.

Vacinas altamente experimentais estão sendo desenvolvidas em ritmo acelerado, a maioria delas transgênicas, com mecanismos de ação em nosso organismo sobre os quais existem grandes incertezas e muitos riscos. Para as multinacionais, é uma bonança incomum poder experimentar maciçamente, com cobertura pública e dinheiro, tecnologias semelhantes às terapias gênicas em humanos, cuja pesquisa foi restringida depois de causar sérios danos e até a morte no início (veja aqui).

De acordo com a Organização Mundial da Saúde, em 9 de Setembro, havia 35 vacinas para COVID-19 em estudos clínicos (nas fases um a três dos testes em humanos) e 145 em estudos pré-clínicos. Dos primeiros 35 testados, 17 são baseados em técnicas de engenharia genética não testadas anteriormente em humanos. Essas vacinas transgênicas adotaram principalmente três abordagens: uma que usa um plasmídeo (pequena molécula circular de DNA) como um vetor para introduzir DNA em nossas células, uma segunda que introduz RNA diretamente nas células e uma terceira que introduz DNA por meio de um vírus, que por sua vez é geneticamente modificado para que não possa se replicar.

As vacinas convencionais baseiam-se na inserção de um vírus morto ou atenuado (que não deveria infectar), o que provoca uma reação do sistema imunológico, que assim aprende a reconhecer esse tipo de vírus e previne futuras infecções. As vacinas transgênicas, por outro lado, introduzem DNA ou RNA estranho em nosso corpo, onde codificam para criar uma proteína semelhante ao SARS-CoV2, usando nossos próprios recursos celulares, por exemplo, para criar uma proteína S ou pico (os espinhos que formar uma coroa no vírus). Se funcionar, seria reconhecido como estranho pelo nosso sistema imunológico, que produziria anticorpos para prevenir infecções futuras.

A forma de ação dessas vacinas de fato nos torna transgênicos, pelo menos temporariamente, porque não é uma proteína estranha à qual nosso sistema reage (como as vacinas anteriores), mas sim manipula nosso corpo para criar o suposto inimigo para atacar.

O terceiro grupo de vacinas transgênicas (vetores virais não replicantes) inclui, entre outras empresas, as de Johnson e Johnson (Estados Unidos), CanSino Biologics da China e Sputnik V da Rússia, com as quais o México se comprometeu a fornecer voluntários para experimentação humana na fase três.

A vacina que está sendo desenvolvida pela AstraZeneca também se baseia nesta técnica, em cuja produção massiva participarão Argentina e México, financiada em parte pela Fundação Carlos Slim. O governo do México também concordou em participar da fase três dos testes com a Walvax, na China, que desenvolve uma vacina transgênica baseada em RNA, e com a empresa Sanofi-Pasteur, que desenvolve outro tipo de vacina, baseada na introdução de pequenos pedaços (subunidades) proteína.

Como apontam os especialistas em vacinas e biólogos moleculares, existem sérios riscos com esses produtos transgênicos. Por exemplo, uma vez que o DNA ou RNA é introduzido em nossas células para criar as proteínas S, não está claro como a produção desse antígeno irá parar ou que efeito a presença contínua de DNA/RNA sintético terá nas células, que também, em no caso do DNA, ele vem com um promotor de gene muito ativo.

Também não está claro quais células serão afetadas, além das alvo, se as proteínas ou DNA introduzidos entram no sistema circulatório e atingem outros órgãos. Os receptores ACE2, que permitem que as proteínas S entrem nas células, existem nos rins, pulmões e testículos, o que pode causar reações inflamatórias graves, reações autoimunes ou outros efeitos desconhecidos.

Em experimentos com animais, esse tipo de vacinas transgênicas produziram processos inflamatórios graves e o que chamam de resposta paradoxal: o organismo ataca outros vírus presentes em nosso corpo (todos os seres vivos coexistem com vírus e bactérias naturalmente), produzindo inflamação e outros sintomas prejudiciais.

Os tempos de avaliação das vacinas que estão sendo manuseadas não contemplam a apreciação além dos riscos de curto prazo, mas as reações adversas podem surgir mais tarde, então os processos de aprovação das vacinas demoram vários anos, que agora não são considerados.

Ao mesmo tempo, não são tomadas as ações necessárias para mudar as causas das pandemias – do sistema agroindustrial alimentar à destruição da biodiversidade (veja aqui) – embora haja vários avisos de que outras pandemias estão se aproximando. Parece ser o maior experimento transgênico massivo em humanos e quem vai ganhar são as transnacionais farmacêuticas, que lucram com as causas e a continuação das pandemias.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui