Confirmado! Reino Unido e Itália sediarão a COP26, a crucial cúpula da ONU sobre o clima.

12
Cidade de Glasgow


Michael Holder || Repórter da BusinessGreen.

A cúpula – apontada como a mais importante desde 2015 – verá milhares de diplomatas climáticos reunindo-se em Glasgow

Foi confirmado hoje (10/9) que o Reino Unido e a Itália sediarão conjuntamente, no ano que vem, em Glasgow a crucial cúpula da COP 26 da Convenção da ONU sobre Mudanças Climáticas.

O governo do Reino Unido disse que países do mundo todo apoiaram oficialmente o Reino Unido e a Itália para sediar a Conferência, que deve ser formalmente aceita na cúpula da COP 25 deste ano no Chile.

Claire Perry – Ministra do Meio Ambiente do Reino Unido – Foto: Independent

Claire Perry, do Reino Unido nomeada presidente para a cúpula da COP 26 – que acaba de anunciar sua intenção de se retirar como parlamentar na próxima eleição – deu boas-vindas às notícias. “Em 2020, os líderes mundiais se reunirão para discutir como lidar com as mudanças climáticas em escala global – e onde é melhor fazê-lo do que Glasgow, uma das cidades mais sustentáveis do Reino Unido, com um excelente histórico de hospedagem de eventos internacionais de alto nível”, disse ela. “Congratulo-me com a indicação de nossos parceiros no grupo regional da ONU para sediar a COP 26 em Glasgow em parceria com a Itália”.

O Secretário de Relações Exteriores Dominic Raab e o Secretário de Desenvolvimento Internacional Alok Sharma também elogiaram a notícia, que foi confirmada esta tarde por Roseanna Cunningham, Secretária de Meio Ambiente do governo escocês. Raab disse que o Reino Unido está “pronto para unir o mundo para garantir que deixemos nosso ambiente anterior em um estado melhor para nossos filhos”.

Com previsão para acontecer em Novembro de 2020, o evento verá milhares dos principais diplomatas climáticos do mundo virem à cidade escocesa para discutir os planos de manter o mundo no caminho certo com o Acordo de Paris, que compromete os países a manter o aquecimento global ‘bem abaixo’ 2°C.

A Turquia estava concorrendo para sediar a cúpula, mas acabou perdendo a oferta conjunta dos governos do Reino Unido e da Itália. Sob a oferta conjunta, a Itália sediará a reunião preliminar e o Reino Unido sediará a principal conferência de duas semanas.

Com a expectativa de participação de 30.000 pessoas de todo o mundo, o evento da ONU seria a maior cúpula que o Reino Unido já realizou.

A cúpula será um teste crucial da liderança climática do governo do Reino Unido no cenário mundial, com o evento marcando a adoção completa do Acordo de Paris e a data em que os países deverão apresentar planos de ação nacionais fortalecidos. Os diplomatas britânicos serão cruciais para garantir novas promessas suficientes, com propostas ambiciosas o suficiente.

Matthew Fell, Diretor-Chefe de Políticas do Reino Unido no órgão de negócios da CBI, disse que são “notícias fantásticas” que o Reino Unido receberá a COP 26.

“Esta é uma oportunidade de ouro para o país demonstrar sua liderança contínua na frente da ação climática global”, afirmou ele. “A Conferência também mostrará ao mundo que o Reino Unido é o principal destino para investimentos de baixo carbono, impulsionando o progresso na redução de nossa própria contribuição para as mudanças climáticas e alcançando emissões líquidas zero até 2050”.

O anúncio foi calorosamente recebido por uma série de figuras verdes, incluindo Dustin Benton, Diretor de Políticas da Green Alliance. Ele descreveu o anúncio de hoje como “um momento importante para o Reino Unido e uma reivindicação do nosso histórico de liderança climática”.

No entanto, ele disse que sediar a cúpula internacional exigiria que o Reino Unido aparecesse com fortes planos domésticos para atingir zero emissões líquidas de Gases de Efeito Estufa até 2020.

“Só podemos reunir os países de maneira credível em torno de um acordo para parar a crise climática se praticarmos o que pregamos e mostrarmos ação em nossos compromissos líquidos zero até novembro de 2020”, acrescentou Benton. “Isso significa melhorar nosso estoque de moradias, antecipar metas de veículos elétricos, restaurar nosso ambiente natural para absorver mais carbono, apoiar a energia eólica solar e onshore e tornar a indústria mais eficiente”.

Glasgow foi anunciada como a cidade sede da candidatura do Reino Unido e da Itália no mês passado, quando foi revelado que o evento aconteceria no Scottish Events Campus (SEC), o maior centro de exposições da Escócia que sediou os Jogos da Commonwealth em 2013.

Helen Clarkson, CEO do The Climate Group, disse que a cúpula é uma oportunidade para o Reino Unido permanecer como “líder climático” no cenário mundial e acelerar as ações em casa.

“2020 nos levará a uma década crítica para a ação climática”, acrescentou. “Sabemos através de nossas iniciativas com empresas e governos de todo o mundo que estão sendo feitos bons progressos, mas é preciso fazer mais em um ritmo e escala muito maiores se quisermos interromper o aquecimento global. Somente os níveis mais altos de ambição agora são aceitáveis”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui