Concentração de CO2 cresce em níveis recordes mesmo com COVID-19




Clare Nullis | Organização Meteorológica Mundial

Boletim da Organização Meteorológica Internacional afirma que redução gerada por pandemia não achata curva de emissões

A desaceleração industrial devido à pandemia COVID-19 não reduziu os níveis recordes de gases de Efeito Estufa concentrados na atmosfera e que favorecem condições climáticas extremas, afirma a Organização Meteorológica Mundial (OMM). Em coletiva de imprensa realizada no dia 23/11 em Genebra, na Suíça, os meteorologistas explicaram que houve um surto de crescimento de emissões de dióxido de carbono (CO2) em 2019 e que a concentração continuou aumentando em 2020.

As informações estão no Boletim de Gases de Efeito Estufa da OMM, que descreve a abundância atmosférica dos principais gases de Efeito Estufa de longa duração: dióxido de carbono, metano e óxido nitroso. Segundo o documento, os bloqueios impostos pelos governos para frear a transmissão do novo coronavírus em 2020 ajudaram a reduzir as emissões de muitos poluentes e gases de Efeito Estufa, como o dióxido de carbono. Apesar disso, o impacto nas concentrações de CO2 na atmosfera (que é o acúmulo das emissões passadas e atuais) não foi percebido – na verdade houve um aumento dentro das flutuações normais do ciclo de carbono.

Segundo a OMM, com o aumento das concentrações em 2019, a média anual global ultrapassou o limiar significativo de 410 partes por milhão. Desde 1990, houve um aumento de 45% na força total de radiativos – o efeito do aquecimento sobre o clima – pelos gases de Efeito Estufa de longa duração, sendo o CO2 responsável por 80% desse resultado.

Secretário-Geral da OMS, Petteri Taalas – Foto: OMS

“Ultrapassamos o limite global de 400 partes por milhão em 2015 e apenas quatro anos depois superamos 410 ppm”, alerta o Secretário-Geral da OMM, professor Petteri Taalas. “Essa taxa de aumento nunca foi vista na história de nossos registros. A queda nas emissões relacionada ao bloqueio é apenas um pequeno sinal sonoro no gráfico de longo prazo. Precisamos de um achatamento sustentado da curva”.

“O dióxido de carbono permanece na atmosfera por séculos e no oceano por ainda mais tempo”, explica Taalas. “A última vez que a Terra experimentou uma concentração comparável de CO2 foi há 3-5 milhões de anos, quando a temperatura era 2-3°C mais quente e o nível do mar era 10-20 metros mais alto do que agora. Mas não havia 7,7 bilhões de habitantes.”

O professor afirma que embora a pandemia isoladamente não solucione as mudanças climáticas, ela pode servir como uma plataforma para ações de transformação completa dos sistemas industriais, energéticos e de transporte. “As mudanças necessárias são economicamente acessíveis e tecnicamente possíveis. É memorável que um número crescente de países e empresas tenha se comprometido com a neutralidade de carbono. Não há tempo a perder.”

Redução pontual

Estimativas preliminares do Projeto Carbono Global afirmam que durante o período mais intenso de quarentena em decorrência da pandemia, as emissões diárias de CO2 podem ter sido reduzidas em até 17% globalmente, devido ao confinamento da população. Como a duração e a severidade das medidas de confinamento permanecem pouco claras, a previsão da redução total anual de emissões ao longo de 2020 é muito incerta. O Projeto Carbono Global divulgará sua atualização sobre as tendências globais de carbono em Dezembro.

Os dados revelados pela OMM indicam até o momento uma redução na emissão anual entre 4,2% e 7,5% em 2020. Na escala global, uma redução de emissões neste patamar não fará com que o CO2 atmosférico diminua. De acordo com o Boletim, o CO2 continuará a subir, embora a um ritmo ligeiramente reduzido (0,08-0,23 ppm por ano mais baixo), dentro da variabilidade natural interanual de 1 ppm. Isto significa que, a curto prazo, o impacto dos confinamentos COVID-19 não pode ser distinguido da variabilidade natural.

Tanto o Projeto Carbono Global como o Boletim de Gases de Efeito Estufa da OMM são baseados em medições da iniciativa Observador Global da Atmosfera (Global Atmosphere Watch), da OMM, que inclui estações de monitoramento atmosférico em regiões polares remotas, montanhas elevadas e ilhas tropicais.

Acúmulo de gases

O dióxido de carbono é o mais importante gás de Efeito Estufa de longa duração relacionado às atividades humanas. Ele fica na atmosfera entre 50-200 anos depois de emitido e estima-se que contribua com cerca de dois terços da força radiativa. Segundo a OMM, o nível médio anual global de CO2 era de cerca de 410,5 partes por milhão (ppm) em 2019, contra 407,9 partes ppm em 2018, tendo ultrapassado a marca de referência de 400 partes por milhão em 2015. O aumento de CO2 de 2018 a 2019 foi maior do que o observado de 2017 a 2018 e também maior do que a média da última década.

As emissões do desmatamento, da combustão de combustíveis fósseis e da produção de cimento, entre outras atividades e mudanças no uso do solo, empurraram o CO2 atmosférico de 2019 para 148% do nível pré-industrial de 278 ppm. Durante a última década, cerca de 44% do CO2 permaneceu na atmosfera, enquanto 23% foi absorvido pelo oceano e 29% pela terra, com 4% não atribuídos.

O metano, que permanece na atmosfera por menos de uma década, mas é mais potente que o CO2 para o Efeito Estufa, chegou a 260% dos níveis pré-industriais em 2019 – 1.877 partes por bilhão. O aumento nas concentrações de metano de 2018 a 2019 foi ligeiramente menor do que o observado de 2017 a 2018, mas ainda maior do que a média da última década. O metano contribui com cerca de 16% da força radiativa dos gases de Efeito Estufa, e aproximadamente 40% desse gás é emitido por fontes naturais (como zonas úmidas e cupins), e cerca de 60% vem de fontes antropogênicas (por exemplo, criação de gado, agricultura de arroz, exploração de combustíveis fósseis, aterros sanitários e queima de biomassa).

O óxido nitroso, que é tanto um gás de Efeito Estufa quanto um produto químico que empobrece a Camada de Ozônio, atingiu 332,0 partes por bilhão em 2019, ou 123% acima dos níveis pré-industriais. O aumento de 2018 a 2019 também foi menor que o observado de 2017 a 2018 e praticamente igual à taxa média de crescimento nos últimos 10 anos.

Vários outros gases também são apresentados no Boletim da OMM, incluindo as substâncias que empobrecem a Camada de Ozônio e regulamentadas sob o Protocolo de Montreal.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui