BIDEN 2021: Um novo sopro verde em Washington?

Joe Biden assina Acordo de Paris


David Levai | Pesquisador associado do Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Relações Internacionais (IDDRI).

Por ocasião da posse de Joe Bien, Alternatives Economiques decifra as orientações do próximo inquilino da Casa Branca. Esta série continua (2/4) com a análise das ambições do presidente eleito para o clima. Entre o retorno ao Acordo de Paris e o compromisso com a neutralidade do carbono em 2050. Washington está voltando aos trilhos. Resta saber se o futuro roteiro será consistente com essas intenções.

Enquanto Donald Trump deixa um balanço ecológico desastroso, um vento de renovação sopra em Washington. Após quatro anos de uma política enérgica e assumida com o objetivo de desvendar as conquistas da Era Obama e desfazer as prerrogativas federais, a nova equipe que chega ao poder carrega um projeto ambicioso. Terá de se esforçar para compensar o tempo perdido na transição para o baixo carbono e terá de atender a muitas expectativas, tanto de seus concidadãos quanto de seus parceiros internacionais.

Mesmo que Joe Biden não fosse inicialmente o candidato mais avançado na questão do clima, ele teve que se colocar no nível de seus oponentes durante a campanha das primárias democratas, onde muitos candidatos fizeram disso sua prioridade, redobrar a inventividade para atrair o eleitorado progressista, favorável a um New Deal Verde. Assim, ao reunir seu campo para o qual a luta proativa contra as mudanças climáticas se tornou um marco ideológico, ele conseguiu oferecer uma visão sistêmica e transformadora.

A questão do clima deve, para o presidente eleito, ser tratada de forma central e estruturante em todas as políticas públicas, da energia ao emprego, do transporte à agricultura, da tributação à infraestrutura, incluindo habitação e ordenamento do território.

Joe Biden quer ser muito ousado, já que prometeu levar os Estados Unidos à neutralidade de carbono em 2050, ou seja, zero emissões líquidas de gases de Efeito Estufa, o que requer eletricidade totalmente livre de carbono em 20351. Para conseguir isso, ele anunciou um plano de investimento de 4 anos de US$ 2 trilhões e repetiu que faria do clima o coração de sua política de segurança nacional e externa.

Durante o período de transição, é hora dos símbolos das promessas. Em seu primeiro discurso público no dia seguinte à votação, em 4 de Novembro, quando a expectativa e a confusão durante a longa contagem de votos concentraram todos os discursos, Joe Biden manteve-se consistente com seus compromissos de campanha: ele defendeu o Acordo de Paris sobre o clima, dizia lamentar a retirada americana (que se tornou, por coincidência, efetiva naquele dia), e prometia reengajar seu país assim que assumisse o cargo.

Uma equipe do governo sensível às questões climáticas

Nesse ínterim, antes que ele possa conduzir suas próprias políticas, o Presidente Eleito começou a fazer nomeações que apontam o caminho direto. Isso é observado, em primeiro lugar, para os cargos em que a principal responsabilidade está relacionada ao clima. Ao contrário de todos os seus predecessores, Joe Biden se cerca de conselheiros dedicados nos níveis mais altos da Casa Branca, com equipes fortes e fortes e portfólios extensos.

É o caso de John Kerry, o enviado especial internacional do Presidente, que vai capitalizar seu papel como chefe da diplomacia durante o segundo mandato de Obama e como um excelente praticante do multilateralismo, ele que negociou ativamente o Acordo de Paris. Podemos citar também Gina McCarthy, ex-Administradora do EPA 2, que coordenará as políticas nacionais. O mesmo se aplica aos “departamentos” (ministérios) em causa: Interior 3, Energia, Ambiente. Joe Biden escolheu, assim, personalidades experientes e de alto nível, comprometidas há muito tempo com esses temas e capazes de conduzir políticas proativas.

As nomeações “questões externas do clima” também são reveladoras. Joe Biden optou por dar uma série de cargos-chave a políticos, altos funcionários e conselheiros que estão imbuídos da questão climática e que provavelmente a colocarão em destaque em seus portfólios. Tal ecossistema, em todos os níveis da futura administração, demonstra o desejo de coerência nas políticas públicas.

A imprensa, como a sociedade civil, observa que a crise climática é uma grande preocupação para muitos Ministros, de Janet Yellen na Economia a Merrick Garland na Justiça, passando por Pete Buttigieg nos Transportes ou Tom Vilsack no Agricultura. Também fica evidente na comitiva do presidente na Casa Branca, onde seus principais assessores já deram suas “aulas verdes”. Entre eles estão seu chefe de gabinete, Ron Klain, seu conselheiro de segurança nacional Jake Sullivan e seu vice, Jonathan Finer, ou o Diretor do Conselho Econômico Nacional (o NEC, a agência de coordenação de política econômica que assessora o presidente) Brian Deese, Assessor de Obama para finanças climáticas.

Proteja-se de desvendar

O Presidente eleito pretendeu assim constituir uma equipa sólida capaz de enfrentar a crise climática, que é ao mesmo tempo uma ameaça existencial e um acelerador de desigualdades e injustiças. Os recursos de que o novo gabinete necessitará, entretanto, vão muito além dos recursos humanos. Uma das principais lições do mandato de Trump é que os avanços ambientais devem ser ancorados na Lei, para evitar que mudanças políticas os varram.

O governo cessante conseguiu, de fato, suprimir, desfazer ou enfraquecer mais de cem decretos e regulamentos em quatro anos. Seus sucessores não pretendem se limitar a um recomeço eterno, como um Sísifo da ação climática, simplesmente para reajustar a barra. Para avançar rapidamente, eles pretendem integrar o clima em todas as políticas públicas, em vez de construir um pacote legislativo dedicado, ao contrário do Acordo Verde da União Europeia.

Mesmo que a maioria do eleitorado Republicano seja agora a favor de mais ação federal, o assunto continua altamente polarizado, especialmente entre os eleitos para o Congresso. A débil maioria dos Democratas no Senado não permitirá a aprovação em vigor e terá que levar em conta as prioridades da oposição.

O tema exibido da transição política em Washington é “reconstruir melhor. Como, no curto prazo, esse slogan se refletirá no plano de recuperação que o presidente eleito apresentou no dia 14 de janeiro? Qual será a participação dos investimentos verdes em um plano de quase 1.900 bilhões de euros? De acordo com Joe Biden, o emprego qualificado em energias renováveis, bem como o investimento em inovação e conversão do setor industrial e de manufatura, terão que estar no centro de uma estratégia econômica pró-clima.

Posteriormente, o Governo espera avanços legislativos sobre a qualidade da infraestrutura (baixo carbono e resiliente), transporte (público e elétrico), comércio (com um imposto de carbono nas fronteiras), transparência dos riscos financeiros, etc.

Joe Biden não se contentará em contar com sua administração e sua maioria. Pretende também capitalizar o esforço realizado ao longo de quatro anos por metade dos estados americanos, um grande número de cidades e empresas que se dedicam à bandeira “We are still in” “Ainda estamos dentro” (“continuamos indo”). As políticas que esses territórios têm realizado localmente, os experimentos, os novos padrões, normas ou legislações têm alcance nacional e serão úteis em Washington para demonstrar a viabilidade, a eficácia e até a popularidade dessas medidas.

O exemplo mais emblemático é a decisão da Califórnia, em Setembro passado, de proibir a venda de veículos a gasolina a partir de 2035. A medida está levando a indústria automobilística americana a acelerar sua transição para os veículos elétricos.

Restaurar credibilidade internacional

Combater as mudanças climáticas significa proteger os bens comuns da humanidade, tarefa que, por definição, é da cooperação internacional. Após quatro anos de uma América desafiando o multilateralismo, Joe Biden terá de demonstrar, com humildade, o retorno da liderança americana: primeiro, anunciando oficialmente o retorno ao Acordo de Paris; em segundo lugar, ao fornecer uma nova contribuição para este texto, definindo metas de redução de emissões até 2030. Finalmente, por meio de mobilização diplomática total.

Essas questões são cruciais porque, após décadas de procrastinação americana sobre o clima, o ceticismo sobre um reengajamento dos EUA raramente foi tão forte. Portanto, a qualidade mais importante da próxima contribuição climática não deve ser o nível do objetivo quantificado de redução de emissões – que os especialistas estão ativamente debatendo para saber se deveria estar mais perto de – 40% ou de – 45 % das emissões de gases de Efeito Estufa 4 (em comparação com os níveis de 2005) – mas tanto a sua consistência como a sua credibilidade.

Consistência, em primeiro lugar, com a meta postada por Joe Biden ao longo de sua campanha de atingir zero emissões líquidas de CO2 em 2050. Este compromisso, semelhante ao da União Europeia, exige esforços consideráveis e exige a transformação profunda de certos sectores da economia (agricultura, energia, indústria, etc.), que demorará várias décadas.

São conhecidos os pontos de passagem necessários dentro de 10 anos, 15 anos, 20 anos, sem os quais o objetivo da neutralidade estará fora de alcance. A Administração Biden terá, portanto, de demonstrar consistência entre os objetivos que se propõe e a trajetória que leva para alcançá-los. Uma mudança seria fatal em relação ao objetivo global de limitar o aumento das temperaturas “bem abaixo” de 2°C, sabendo que o território dos Estados Unidos é a fonte de mais de 15% das emissões globais.

Credibilidade, portanto, tanto a nível nacional como em relação aos compromissos dos parceiros europeus e chineses (a China também anunciou que pretende atingir a neutralidade de carbono antes de 2060). Ao apresentar sua próxima contribuição ao Acordo de Paris, os Estados Unidos deverão demonstrar que dispõem dos meios para atingir os objetivos anunciados. Esses recursos são de vários tipos e estão sujeitos a obrigações legislativas e regulatórias, instrumentos fiscais ou regulatórios, órgãos de supervisão e governança de transição, bem como recursos financeiros. A credibilidade da voz americana estará baseada na percepção da solidez e longevidade das políticas públicas realizadas.

Em um país particularmente polarizado, onde a alternância de governo às vezes é sinônimo de tabula rasa, a credibilidade do compromisso americano também depende do processo de elaboração do futuro plano climático do governo federal.

Na verdade, se ele surgir após um trabalho obscuro de especialistas e burocratas, será difícil fazer um projeto e provavelmente ganhar amplo apoio. Por outro lado, se envolver numa consulta ampla, aberta e transparente, que leve em consideração as vozes dos setores mais difíceis, bem como as dos representantes eleitos locais ou sindicatos de trabalhadores, tem mais chances de chegar a um consenso, permitir o advento de uma visão amplamente compartilhada e sobreviver à retórica política em caso de mudança da maioria.

Notas

1 – Vale lembrar que, em 2019, quase 63% da produção de eletricidade era proveniente de fontes fósseis, contra apenas 18% de fontes renováveis e quase 20% de nuclear.

2 – A Agência de Proteção Ambiental, o equivalente ao nosso Departamento do Meio Ambiente.

3 – Este Ministério é responsável pelas Terras Federais, Unidades de Conservação e recursos naturais.

4 – O World Resources Institute recomenda um intervalo entre -45% e -50%.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui