Calor gerado pelo desmatamento compromete produtividade e bem-estar de trabalhadores ao ar livre nos trópicos

Estudo coordenado pela TNC mostra o impacto do aumento das temperaturas nas atividades laborais ao ar livre em regiões de floresta com a redução das horas seguras de trabalho

Um estudo sobre os impactos do aquecimento global na população, publicado nesta sexta-feira (17/12) na revista científica One Earth , revela que o aumento da temperatura nos trópicos já está colocando em risco o bem-estar e a produtividade das pessoas que trabalham ao ar livre.

O estudo, conduzido por uma equipe multidisciplinar da Duke University, University of Washington e da organização não governamental The Nature Conservancy (TNC), teve por base as condições de trabalho consideradas seguras, informações de satélite e dados populacionais. Ao cruzar as referências, o estudo identificou que o aquecimento global, associado ao desmatamento recente (2003-2018), aumentou a exposição ao calor para 4,9 milhões de pessoas ao redor mundo, incluindo 2,8 milhões que trabalham ao ar livre.

Uma das conclusões mais significativas foi referente à segurança do trabalho considerando os impactos na saúde de um trabalhador em uma determinada umidade e temperatura. De acordo com os pesquisadores, houve reduções significativas nas horas seguras de trabalho em áreas desmatadas quando comparadas com as de floresta tropical intacta.

No Brasil, o estudo destaca a exposição desproporcional ao calor nos estados do Pará e Mato Grosso e alerta que as projeções de aquecimento devem agravar ainda mais a situação. O estudo projeta que o aquecimento global futuro de mais 2°C em relação ao presente pode afetar 250 mil pessoas com a perda de mais duas horas de trabalho seguro por dia em comparação com 2003.

Segundo Luke Parsons, que liderou grande parte da pesquisa, os dados reforçam a importância das florestas tropicais na mitigação dos efeitos do aquecimento global. “Nossas descobertas destacam o papel vital que as florestas tropicais desempenham como `ar-condicionado natural`, em especial para as populações mais vulneráveis ​​às mudanças climáticas, visto que são normalmente de regiões onde o trabalho ao ar livre tende a ser a principal opção para muitos”, explica o pesquisador da Duke University.

Já o coautor e cientista de mudanças climáticas da TNC, Nick Wolff, destacou a urgente necessidade de conter e reverter o desmatamento das florestas. “Já sabíamos que o desmatamento tropical está associado a aumentos localizados de temperatura, mas, devido ao aquecimento acelerado que está ocorrendo em todo o planeta, é urgente realizar mais pesquisas sobre como as mudanças estão afetando populações humanas vulneráveis​​em todos os trópicos. Os vários compromissos para conter e reverter o desmatamento que surgiram na COP 26, em Glasgow, foram apenas um começo. Agora precisamos ver esses compromissos se convertendo rapidamente em ações locais tangíveis”, explicou.

Wolff afirmou, ainda, que o estudo evidenciou que remover a floresta tropical não é ruim apenas para as mudanças climáticas globais, mas também para os ecossistemas e comunidades locais. E, assim, evitar o desmatamento trará um benefício tangível para as pessoas que vivem em áreas de floresta tropical.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui