Biden poderia nomear um indígena como Secretário do Interior?

Arte: Danielle Papanikolaou


Ilana Cohen | Estuda filosofia e estudos sociais na Universidade de Harvard. atualmente atua como editora-gerente associada da Harvard Political Review

Os índios americanos e ativistas do clima pressionam as mulheres indígenas para o Gabinete. Mas eles enfrentam desafios. Primeiro entre eles? Vencer a eleição.

Muitos ativistas ambientais sabem que perderam a batalha quando se trata de envolver totalmente Biden no Green New Deal e na proibição do fraturamento hidráulico. Mas eles dizem que esperam influenciar a escolha dos próximos funcionários de alto escalão da Casa Branca, para fazer avançar uma política climática mais agressiva.

Julian Noisecat, um ativista indígena e jornalista que é vice-presidente de política e estratégia do grupo de reflexão progressista Data for Progress, disse que se ele for eleito, as escolhas de Biden para ocupar seu governo podem sinalizar um compromisso com a ação climática ousada que animou uma “nova e energizada geração de democratas”.

A campanha de Biden já está considerando candidatos para cargos no Gabinete com diversidade racial e de gênero. Isso poderia aumentar as perspectivas de seleção de líderes climáticos progressistas que desejam levar políticas moderadas para mais perto do que alguns ambientalistas acreditam que a ciência do clima e a justiça ambiental exigem.

WASHINGTON, DC – SEPTEMBER 10: Representative Deb Haaland (D-NM) at the Back the Thrive Agenda press conference at the Longworth Office Building on September 10, 2020 in Washington, DC. (Photo by Jemal Countess/Getty Images for Green New Deal Network)

Também fornece algum incentivo para grupos climáticos e nativos americanos que pediram que Biden nomeasse o primeiro líder indígena para o Departamento do Interior, uma nomeação que representaria uma mudança monumental. O Departamento do Interior é responsável por conservar e administrar os recursos naturais do país e honrar seus compromissos com os índios americanos, nativos do Alasca e comunidades insulares afiliadas. A agência inclui o Bureau of Indian Affairs, que administra mais de 55 milhões de acres de terras mantidas em custódia para os nativos americanos pelo governo federal, e o Bureau of Indian Education. Ambas as agências têm relações tensas com os povos indígenas que devem servir.

Dada a conexão entre as questões ambientais e indígenas, ter um Secretário do Interior nativo americano pela primeira vez numa história de aproximadamente 170 anos do Departamento também seria potencialmente transformador em termos de política climática. 

Kyle Whyte, professor de filosofia e sustentabilidade comunitária da Michigan State University e membro da Citizen Potawatomi Nation, disse que, especialmente após os esforços da Administração Trump para reverter as regulamentações ambientais, ter um Secretário Indígena “avançaria muitas milhas em termos de melhorar situação dos povos indígenas, bem como a crise climática”. Uma grande aposta na política climática, mas um caminho incerto para um cargo de gabinete.

Embora as comunidades indígenas sejam desproporcionalmente afetadas pelo desenvolvimento de combustíveis fósseis e mudanças climáticas, muitas vezes têm voz limitada sobre o desenvolvimento de energia que afeta suas terras.

As reservas dos nativos americanos abrangem apenas 2% das terras do país, mas podem conter até um quinto das reservas conhecidas de gás natural e petróleo. Isso tende a tornar as terras indígenas os principais alvos para o desenvolvimento de petróleo e gás, e a falta de oportunidades econômicas alternativas deixa muitas tribos prejudicadas em suas interações com a indústria. 

A mudança climática está causando um impacto desproporcional nessas terras. Por exemplo, 40 por cento das tribos reconhecidas pelo Governo Federal nos Estados Unidos vivem em comunidades nativas do Alasca, onde o aquecimento está ocorrendo a aproximadamente ao dobro da taxa média do resto do Planeta, derretendo o solo sobre o qual algumas aldeias são construídas e alterando o modo de vida das populações locais da vida.

“As tribos estão muito à frente nas questões de justiça climática e ambiental”, disse Noisecat, invocando os protestos do Dakota Access Pipeline em 2016. “Mas, quando chega a hora de pensar sobre como seria liderar o Governo Federal, frequentemente somos esquecidos de novo”.

O povo americano, porém, está começando a se lembrar. 

Noisecat apontou para uma pesquisa com mais de 1.000 prováveis eleitores de ambos os partidos realizada em Setembro pela Data for Progress. A pesquisa descobriu que 75% dos entrevistados apoiariam a nomeação de um nativo americano para Secretário do Interior. Tal nomeação está de acordo com a “tremenda liderança” que Biden mostrou ao selecionar uma mulher asiática e negra como sua companheira de chapa, disse Rion Ramirez, Presidente do Conselho do DNC Native American.

O Plano Biden-Harris para Nações Tribais inclui a nomeação de nativos americanos para posições governamentais de alto nível. Mas enquanto a opinião pública e os compromissos de campanha de Biden parecem favorecer a perspectiva, o caminho prático para nomear um membro do Gabinete Indígena pela primeira vez pode ser difícil.

“Acho que vai ser necessária uma forte vontade política da parte de Biden e Harris e das pessoas que trabalharão com eles para conseguir que um indígena seja Secretário do Interior”, disse Patrick Shea, que atuou como o Diretor do Bureau of Land Management, parte do Departamento do Interior, sob a Administração Clinton. 

Shea disse que apoia a ideia, mas “se isso vai acontecer ou não, é uma questão em aberto”. Em parte, sugeriu, isso se deve ao fato de que os indígenas podem ser menos propensos do que outros aspirantes ao Gabinete a se juntar à corrida de pessoas que disputam a atenção do candidato presidencial vencedor e se promovem para cargos na nova administração. 

A campanha de Biden recusou-se a comentar a possibilidade de nomear o primeiro membro do Gabinete Indígena. “A equipe de Transição Biden-Harris não está tomando nenhuma decisão pessoal antes da eleição”, disse um porta-voz da transição Biden que, no entanto, acrescentou “a diversidade de ideologia e histórico é um valor central da transição. Acho que seria um aceno incrível para as comunidades tribais terem uma posição em nível de gabinete, mas ainda não estamos nesse ponto”, disse Clara Pratte, Diretora de Engajamento Tribal da campanha de Biden, que acrescentou: “Isso seria ótimo nas discussões para vamos ter quando saberemos que vencemos”. 

Mulheres indígenas vistas como escolhas possíveis para o interior

Entre os nomes que Noisecat da Data for Progress sugeriu para o cargo está a Deputada Deb Haaland do Novo México, que fez história como uma das duas primeiras mulheres nativas americanas eleitas para o Congresso durante a “onda azul” em 2018. Desde sua eleição, Haaland se definiu como uma defensora ferrenha dos direitos indígenas e uma partidária progressista do clima. Ela apoiou o Green New Deal, defendeu terras públicas do desenvolvimento de petróleo e gás e recentemente introduziu a Lei THRIVE para lidar com a sobreposição do COVID-19 com as crises econômicas e climáticas. 

Haaland atualmente preside o Subcomitê da Câmara para Parques Nacionais, Florestas e Terras Públicas e é Vice-Presidente do Comitê de Recursos Naturais da Câmara.

“Ela é alguém cujo nome faz muito sentido quando você considera as qualificações que você precisa apresentar”, disse Bryan Newland, advogado de um escritório de advocacia indígena e cidadão da Comunidade Indígena de Bay Mills (Ojibwe) no Norte de Michigan.

Citando o “histórico progresso de Haaland em justiça ambiental”, Noisecat disse que Haaland representava “o tipo de nomeação que poderia deixar muitas pessoas – progressistas, ambientalistas, negros, tribos – empolgadas”.

Ao contrário de Biden, Haaland disse que apoia a proibição do fracking.

Além de não ter vínculos com a indústria de combustíveis fósseis, esse firme compromisso anti-fraturamento está entre os principais critérios que Natalie Mebane, diretora associada de política dos EUA na 350 Action, disse que procuraria um candidato ao Gabinete Biden. Mebane, disse que a 350 Action não estava endossando nenhum candidato para o Gabinete neste momento, mas deixou claro que deseja ver um Secretário do Interior que compartilhe o compromisso da organização em manter os combustíveis fósseis no solo e proteger as terras públicas da indústria extrativa.

O foco de Haaland na equidade na ação climática também se alinha com os critérios do grupo ativista Sunrise Movement para seu apoio às escolhas do Gabinete de Biden que incluem abordar a desigualdade econômica e racial, disse a organizadora do Sunrise, Lauren Maunus. 

Haaland, ao ser questionada sobre ser considerada para o cargo, disse: “Minha prioridade agora é fazer tudo o que puder para garantir a eleição de Joe Biden e Kamala Harris”. Fawn Sharp, Presidente da Quinault Indian Nation e do National Congress of American Indians, também foi sugerida pelo Data for Progress for Secretary of the Interior. Sharp, que priorizou a mudança climática nessas funções, disse em um e-mail que ficaria “lisonjeada com qualquer consideração pela Secretaria do Interior”, mas “nunca considerou deixar o posto de Presidente da Nação Indígena Quinault e minhas obrigações para meu próprio povo”. 

Dada sua experiência como advogada do Departamento do Interior sob a Administração Obama e membro inscrita da Nação Navajo, Hilary Tompkins pode ser outra forte candidata. O trabalho de Tompkins como advogada ambiental na empresa internacional Hogan Lovells concentra-se em terras públicas, recursos naturais e assuntos indígenas americanos. Mas mesmo quem está animado com a possibilidade de uma mulher indígena ser Secretária do Interior não dá como certa a vitória de Biden. 

Tiernan Sittenfeld, vice-Presidente sênior de assuntos governamentais do Fundo de Ação dos Eleitores da Liga Conservacionista, disse que o grupo “não estava especulando sobre escolhas específicas do Gabinete”. Em vez disso, a partir de agora até o dia da eleição, disse Sittenfeld, a organização está “focada em garantir que Joe Biden e Kamala Harris e outros campeões ambientais ganhem nas urnas e em todo o país no dia 3 de Novembro”.

FONTE: 

https://insideclimatenews.org/news/21102020/joe-biden-indigenous-secretary-interior-environmental-groups?utm_source=InsideClimate+News&utm_campaign=9b9b31c64b-&utm_medium=email&utm_term=0_29c928ffb5-9b9b31c64b-327819393

OUTUBRO DE 2020

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui