Amazon anuncia investimentos em soluções para remoção de carbono no Brasil

Foto: Kevin Arnold



A iniciativa será lançada na floresta amazônica, com foco no reflorestamento e sistemas agroflorestais regenerativos, impulsionando o desenvolvimento econômico local sustentável

O investimento da Amazon foca na captura de até 10 milhões de toneladas de emissões de dióxido de carbono até 2050 – o equivalente a um ano de emissões produzidas por dois milhões de carros

Como parte de seus esforços para apoiar soluções globais para a crise climática, a Amazon anunciou o lançamento do programa Acelerador de Agroflorestas e Restauração, em parceria com a The Nature Conservancy (TNC), organização ambiental global. O programa criará alternativas de fonte de renda mais sustentáveis para milhares de agricultores locais no estado do Pará, na Amazônia brasileira, restaurando as florestas tropicais nativas e combatendo as mudanças climáticas ao capturar e armazenar carbono naturalmente.

De acordo com o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), as soluções baseadas na natureza têm um papel crítico para evitar os efeitos das mudanças climáticas. Os governos e o setor privado podem tanto reduzir suas emissões de carbono quanto remover carbono da atmosfera, investindo com grande escala em soluções baseadas na natureza. O programa Acelerador de Agroflorestas e Restauração é um dos projetos de remoção de carbono e faz parte do compromisso da Amazon em cumprir o The Climate Pledge , que a empresa cofundou com a Global Optimism . Os signatários se comprometem a alcançar emissão líquida zero de carbono até 2040 – 10 anos antes do Acordo de Paris.

Como parte de seu compromisso em cumprir o The Climate Pledge, a Amazon, antes de mais nada, continua inovando e investindo na descarbonização do seu negócio. A companhia adquiriu 100.000 veículos de entrega elétricos e é a maior corporação compradora de energia renovável do mundo. A Amazon também está investindo em soluções baseadas na natureza que estejam fora da sua cadeia de valor, através do Right Now Climate Fund , que apoia o Acelerador e outros projetos para reparar áreas degradadas, de forma a melhorar a subsistência das comunidades locais e remover carbono da atmosfera. Além disso, por meio da recém-anunciada Coalizão LEAF – Lowering Emissions by Accelerating Forest Finance (“Diminuindo as Emissões ao Acelerar o Financiamento Florestal”, em português), uma iniciativa público-privada para mobilizar pelo menos US﹩ 1 bilhão para proteger as florestas tropicais do mundo -, a Amazon e outros parceiros estão trabalhando para conter o desmatamento tropical, reduzindo a quantidade de carbono emitido na atmosfera.

Foto: Kevin Arnold

“Restaurar as florestas do mundo é uma das ações mais significativas que podemos tomar atualmente, para lidar com a mudança climática e exigirá soluções inovadoras para ter sucesso”, diz Kara Hurst, vice-presidente de sustentabilidade mundial da Amazon. “Estamos orgulhosos de lançar o programa Acelerador de Agroflorestas e Restauração em parceria com a TNC para apoiar soluções que priorizam a alta integridade ambiental e trazem enormes benefícios para a comunidade. A Amazon espera contribuir com nossa paixão por inovação, além de apoio financeiro para melhorar os meios de subsistência das comunidades locais no Brasil, ao mesmo tempo em que ajuda a proteger o planeta para as gerações futuras”.

“A ciência é inequívoca em considerar os sistemas naturais como a prioridade para a absorção de carbono da atmosfera e o último relatório do IPCC ressalta isso”, disse Christiana Figueres, co-fundadora do Otimismo Global e ex-chefe climática da ONU, responsável pelo Acordo de Paris. “Proteger os ecossistemas atuais e restaurar terras degradadas são essenciais como estratégias de mitigação de carbono, especialmente nas próximas duas décadas. Os projetos que alcançam isso de forma a manter tanto a natureza, quanto os meios de subsistência da comunidade local, são inestimáveis para a transformação necessária para prosperarmos muito além da crise climática. Parabenizo a Amazon e a TNC pela iniciativa”.

A TNC trabalhará em conjunto com o World Agroforestry (ICRAF) e várias organizações da sociedade civil brasileira para implementar o programa Acelerador de Agroflorestas e Restauração, ajudando agricultores familiares a restaurarem áreas de pastagens e outros sistemas produtivos degradados , com florestas nativas e sistemas agroflorestais. Esses sistemas agroflorestais proporcionarão aos agricultores uma fonte sustentável de renda por meio da venda de cacau e de outros tipos de produtos agroflorestais. O programa também experimentará maneiras inovadoras de apoiar os agricultores e estimular os mercados de produtos florestais sustentáveis, inclusive com tecnologias digitais, e avançará com novas metodologias de sensoriamento remoto para quantificar e monitorar a remoção de carbono.

“O Pará abriga 9% da floresta tropical do mundo, mas está enfrentando taxas de desmatamento sem precedentes, e perdeu 1.300 hectares por dia, no ano passado”, conta Jennifer Morris, CEO da TNC. “Nos últimos 13 anos, pequenas fazendas, no Pará – uma região onde o desmatamento pode parecer ser a única opção – foram responsáveis por uma média de 40% do desmatamento no estado. Por 20 anos, a TNC tem trabalhado com agricultores familiares, líderes comunitários, com o governo e povos indígenas para identificar e implementar soluções que ajudam as pessoas e a natureza a prosperarem. Esta nova parceria com a Amazon nos permitirá fornecer os recursos e assistência técnica necessários para o avanço do programa e demonstrar que sistemas agroflorestais regenerativos e os mercados de carbono são modelos de negócios viáveis para as comunidades na Amazônia”.

“Devemos somar nossos esforços para atingirmos o que talvez seja o objetivo do século: desenvolver nossas economias e garantir renda às pessoas, ao mesmo tempo em que preservamos e restauramos a floresta”, comenta o Governador do Pará, Helder Barbalho. “O estado do Pará está pronto para este desafio e nossa estratégia está bem clara no plano Amazônia Agora, onde assumimos o compromisso de ser carbono neutro até 2036, através da redução do desmatamento e da promoção da restauração florestal. Investimentos como o da Amazon em sistemas agroflorestais sustentáveis e no reflorestamento do Pará são muito bem-vindos. Esta iniciativa irá beneficiar significativamente a comunidade, os recursos naturais e a biodiversidade do estado”.

“Os agricultores reconhecem o valor da floresta em pé, mas carecem de investimentos para desenvolver uma produção livre de desmatamento. Este projeto poderá ajudá-los a ter mais renda com produtos da biodiversidade Amazônica, como o cacau, garantindo que a terra esteja sempre saudável e fértil”, destaca Raimundo Freire dos Santos, presidente da Cooperativa Alternativa Mista dos Pequenos Produtores do Alto Xingu (Camppax).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui