África do Sul deve reprimir a indústria exploradora de leões em cativeiro

Filhote de leão em uma instalação de criação de filhotes em Free State, África do Sul. Foto: Adam Peyman



Kitty Block e Sara Amundson | Humane Society Legislative Fund

Um painel-chave nomeado pelo Ministério de Silvicultura, Pesca e Meio Ambiente da África do Sul recomenda a proibição da criação de leões em cativeiro e do comércio de partes de leões, como esqueletos de leões. A Humane Society International / África tem sido um ator chave na campanha para eliminar essas práticas de exploração. Tal ação aconteceu tarde demais para milhares de leões criados em cativeiro que são tratados como nada mais do que objetos para fazer dinheiro, desde o nascimento até a morte.

A indústria de criação de leões em cativeiro na África do Sul alimenta três negócios interligados: carícias de filhotes, caça de troféus e comércio de ossos de leão. As carícias de filhotes atraem turistas ao prometer a chance de tocar e segurar os filhotes de leão enquanto suas fotos são tiradas (a mídia social está repleta de evidências de como essa atração é popular). Quando os filhotes de leão criados em cativeiro ficam grandes demais para serem acariciados, eles geralmente são encurralados em espaços confinados para que os caçadores de troféus possam atirar e matá-los com mais facilidade. Os ossos das carcaças dessas criaturas outrora majestosas são frequentemente vendidos para o comércio de ossos de leão.

É um ciclo distorcido de miséria para esses felinos inteligentes e sociais. Acabar com essas práticas onde elas começam – interrompendo a criação de leões em cativeiro – é a coisa certa e decente a se fazer.

O painel também reconheceu o bem-estar animal como um pilar central da política de gestão da vida selvagem, outra proposta importante feita pela HSI / África.

Mas nem tudo que saiu do painel de convocação foi uma boa notícia.

O painel teve a chance de lançar as bases para o desmantelamento da destrutiva indústria da caça de troféus na África do Sul – isso tragicamente falhou. Em vez disso, ao que parece, a África do Sul vai optar por arriscar um dos maiores tesouros do país – sua vida selvagem – ao autorizar uma expansão da caça de troféus de suas espécies icônicas. Como estratégia econômica, o ministério buscará expandir a caça de troféus de rinocerontes, elefantes, leopardos e leões selvagens e promover a caça de troféus em geral.

Em muitos aspectos, foi uma oportunidade perdida de reformar um sistema quebrado. O ecoturismo já atrai milhões de visitantes a cada ano para observar, em vez de atirar e matar os majestosos animais selvagens da África do Sul. Em vez de se concentrar para aumentar seu patrimônio turístico e investir em outras indústrias não consumidoras, as recomendações do painel sugerem que a África do Sul opte por expandir os interesses de caça aos troféus. De nossa parte, há muito argumentamos que essa indústria míope não é ruim apenas para a vida selvagem africana, mas também para os cidadãos dos estados onde existem animais ameaçados e em perigo de extinção.

Os EUA também estão em perigo aqui, já que os caçadores norte-americanos promovem a caça de troféus na África do Sul. De todos os países do mundo, os EUA são o maior importador de partes de troféus da vida selvagem africana em perigo e ameaçada de extinção. Precisamos colocar nossa própria casa em ordem por meio de restrições regulatórias e legislativas à caça e importação de troféus de uma vez por todas.

Você pode ajudar grandes felinos apoiando a Big Cat Public Safety Act, que visa acabar com a indústria de animais de estimação e a manutenção de grandes felinos como animais de estimação nos EUA. Você também pode ajudar a salvar animais ameaçados de caçadores de troféus apoiando a Prohibiting Threatened and Endangered Creature Trophies Act (ProTECT Act), a ser reintroduzida em breve no Congresso dos EUA, que ajudará a prevenir a caça de qualquer espécie listada como em perigo ou ameaçada pela Lei de Espécies Ameaçadas.

*Sara Amundson é presidente da Humane Society Legislative Fund.

FONTE:

https://blog.humanesociety.org/

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui