Academia Brasileira de Ciências lança documento em defesa dos oceanos nesta terça (20)




Texto reúne orientações para o Brasil cumprir metas estabelecidas pela ONU para “Década da Ciência Oceânica

Com acúmulo de nutrientes, poluentes orgânicos, metais pesados e plásticos, o oceano vem sendo assolado pela contaminação ambiental, que representa uma ameaça à economia e à saúde pública. Com o objetivo de destacar a importância da proteção do maior bioma do planeta, a Organização das Nações Unidas (ONU) declarou a “Década da Ciência Oceânica para o Desenvolvimento Sustentável” para os anos de 2021 a 2030. Na próxima terça-feira (20), a Academia Brasileira de Ciências (ABC) lança um documento que reúne orientações prioritárias a políticas públicas para que o Brasil cumpra com as metas estabelecidas pela iniciativa, que incluem um oceano limpo, saudável, resiliente, seguro, sustentável e produtivo.

“A ABC, em conjunto com mais de 140 academias, está lançando um alerta: precisamos proteger os ambientes marinhos para proteger a vida no planeta. O Brasil precisa fazer a sua parte, protegendo o mar que banha nosso imenso litoral contra atividades predatórias que reduzem sua rica biodiversidade e prejudicam seus serviços ecossistêmicos. Essa é a nossa Amazônia Azul, fonte de riqueza para o Brasil, a ser explorada de forma sustentável, de acordo com a evidência científica”, afirma o presidente da ABC, Luiz Davidovich.

O lançamento será durante um webinário transmitido às 16h, no canal de YouTube da ABC. O evento contará com a presença de Edmo José Dias Campos, professor emérito do Instituto Oceanográfico da Universidade de São Paulo (USP); Ilques Barbosa, Almirante de Esquadra; e Luiz Drude de Lacerda, professor da Universidade Federal do Ceará (UFC). Os moderadores serão o presidente da ABC, Luiz Davidovich, e o vice-presidente da ABC para a região Nordeste e Espírito Santo, Jailson Bittencourt de Andrade.

Entre as principais recomendações do documento estão a implementação de um instituto nacional que coordene as atividades científicas relativas à pesquisa oceânica e de um sistema de observação integrado em diferentes escalas espaciais e temporais; a capacitação na criação de equipamentos e insumos essenciais ao desenvolvimento da pesquisa marinha; e a necessidade de aprimoramento na regulamentação da exploração de recursos naturais marinhos.

“O documento é um primeiro passo de uma ação contínua da ABC em prol deste esforço global. Significa que a Academia assina embaixo das metas da Década e vai fazer tudo que for possível para que o Brasil participe ativamente na execução e atendimento destes objetivos. Vamos monitorar as ações do Brasil ao longo deste período e levar os problemas identificados a tomadores de decisão”, explica Drude.

Na ocasião, também será discutida a importância da Amazônia Azul, território marítimo brasileiro de 3,6 milhões de quilômetros quadrados registrado como zona econômica exclusiva (ZEE), para a sobrevivência e prosperidade do Brasil. As atividades econômicas relacionadas ao mar, chamadas de “PIB do Mar”, representam cerca de 19% do PIB brasileiro e são responsáveis pelo emprego de cerca de 19 milhões de pessoas, segundo um estudo de Andréa Bento Carvalho de, 2018.

A transmissão pelo YouTube da ABC é aberta a todos os interessados. Para obter certificado de participação é preciso se inscrever neste link.

Confira a programação do webinário:

Edmo José Dias Campos (USP)
“Será que o aquecimento global é reversível ou já atingimos um ponto sem retorno?

Professor emérito do Instituto Oceanográfico da Universidade de São Paulo (USP); pesquisador associado do Atlantic Oceanographic and Meteorological Laboratory (AOML) da NOAA, em Miami; e professor visitante da Universidade Americana de Sharjah, nos Emirados Árabes Unidos. É membro dos Comitês Executivos da International Association for the Physical Sciences of the Ocean (IAPSO) e do South Atlantic Meridional Overturning Circulation (SAMOC)

Almirante Ilques Barbosa
“A importância da Amazônia Azul para a sobrevivência e prosperidade do Brasil”

Almirante de Esquadra. Em uma longa carreira na Marinha do Brasil, teve a oportunidade de ser o Comandante da Marinha, entre janeiro de 2019 até o último dia 9 de abril; foi, entre outros cargos, Comandante do Navio-Escola Brasil, Comandante do Controle Naval do Tráfego Marítimo, Secretário de Ciência, Tecnologia e Inovação, Diretor de Portos e Costas, Diretor-Geral do Pessoal e Chefe do Estado-Maior da Armada. 

Luiz Drude de Lacerda (UFC)
“Contaminação dos oceanos e aquecimento global: ameaça à economia e a saúde pública”

Professor da Universidade Federal do Ceará (UFC), desenvolve pesquisas na área de biogeoquímica e contaminação ambiental. É membro titular da Academia Brasileira de Ciências e desde 2016 faz parte de seu Conselho Consultivo. Membro da Academia Mundial de Ciências (TWAS). Em 2011 recebeu o Prêmio Bunge, na categoria Vida e Obra na área de Oceanografia. 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui