Abolição de armas nucleares: 122 países sem armas nucleares




H. Patricia Hynes | Professora de saúde ambiental. Dirige o Centro Traprock para Paz e Justiça em Massachusetts.

Uma escuridão nuclear envolveu o mundo por sete décadas, com apenas descobertas intermitentes de luz quando tratados entre as nações nucleares foram negociados. Alguns tratados foram violados por décadas; outros, afastados por Trump. Qualquer progresso feito na eliminação de armas nucleares cessou. Pior, uma nova atualização de armas está em andamento pelas nações nucleares. Em 2009, o Presidente Obama falou sobre o sonho de um mundo sem armas nucleares, mas alguns anos depois ele colocou os EUA no caminho para gastar quase US$ 2 trilhões na atualização de seu arsenal de armas nucleares e sistemas de entrega ao longo de um período de 30 anos. Trump aumentou o orçamento e acrescentou novas armas nucleares com ameaças de usá-las.

A escuridão nuclear de 70 anos começou a diminuir em 22 de Janeiro de 2021. Os nove países que mantiveram o mundo cativo à ameaça de guerra nuclear estão perdendo terreno moral para 122 países menores que aprovaram a primeira proibição de armas nucleares do mundo em Julho de 2017. Depois que 50 dos 122 países que aprovaram concluíram o processo de ratificação do Tratado da ONU para a Proibição de Armas Nucleares em suas legislaturas, ele se tornou Lei Internacional em Outubro de 2020.

A Lei entrou em vigor em 22 de Janeiro de 2021 para profundo alívio da maioria das pessoas no mundo. Esses agora 51 países “combatentes da liberdade” se comprometem a não ter nada a ver com armas nucleares – nenhum projeto, teste, fabricação, armazenamento, transporte, uso ou ameaça de uso. Considere isso uma maratona de desarmamento para superar a atual corrida armamentista nuclear na qual todos os países com armas nucleares estão, em sincronia, atualizando suas armas.

E isso é apenas o começo. Trinta e cinco países adicionais estão em processo de ratificação do Tratado; Mais 50 apoiam o Tratado; mais uma dúzia tem imenso apoio popular, entre eles o Canadá, e está a um passo de assinar o Tratado. Se os Estados Unidos, onde a maioria dos cidadãos não quer usar armas nucleares assinassem o Tratado, o resto viria.

Uma guerra nuclear limitada poderia desencadear uma fome global que provavelmente acabaria com bilhões de vidas. Uma guerra nuclear em grande escala acabaria com a vida humana e a maioria das outras formas de vida na Terra, lembrando-nos da descrição clássica da guerra total: eles tinham que destruir a aldeia para salvá-la. Uma guerra nuclear, seja por acidente, erro de julgamento ou intenção de destruir o inimigo, destruiria o resto de nós também – quão insano é isso?

O que então o Presidente Biden pode fazer?

– Abrir o diálogo e renovar os acordos nucleares e a diplomacia com a Rússia imediatamente.

– Mudar a política dos EUA de 3 maneiras principais: Sem uso inicial de armas nucleares; tire as armas do alerta de gatilho; e selecione outro funcionário sênior para compartilhar a tomada de decisão sobre “apertar o botão”.

– Reativar o Acordo com o Irã: eles não desenvolvem armas nucleares, nós suspendemos as sanções.

– Com a Coréia do Sul, envolver-se na diplomacia com a Coréia do Norte para congelar e reverter seu programa de armas nucleares.

– Parar o novo programa de atualização de armas nucleares.

Presidente Biden, ouça a maioria do mundo e leve os Estados Unidos a assinar o novo Tratado da ONU e os outros o seguirão. É nossa única solução para sair de um sistema sem saída que permite a um único ser humano, nas palavras do analista de segurança nacional Joseph Cirincione, “destruir em minutos tudo o que a humanidade construiu ao longo de milênios”.

FONTE:

https://www.juancole.com/2021/01/abolishing-nuclear-countries.html

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui