A palavra da moda de 2020 é Natureza

Lago Irene nas montanhas rochosas - Colorado

Lauren Anderson || Editora de Conteúdo, Biodiversidade, Florestas, Terra e Água do SDG Knowledge Hub – Sustainable Development Goals – Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS)

O “Super Ano da Biodiversidade” está em andamento e a Natureza está em alta. Relacionável, universal e transversal, a Natureza será um tema dominante e unificador para muitos dos eventos marcantes que levaram à adoção de um novo marco pós-2020 para a biodiversidade em Outubro durante a COP15 da Convenção sobre Diversidade Biológica a ser realizada em Kunming, China.

Com metade da humanidade vivendo em áreas urbanas, onde a biodiversidade geralmente aparece nas formas de baratas, ratos, macacos e mosquitos, qualquer tentativa de salvar o Planeta precisa de um conceito que todos possam adotar. As mensagens deste ano serão amplas e acessíveis. De favela a arranha-céu, a Natureza está por toda parte. Ar para respirar, água fresca e comida. Um pôr do sol deslumbrante. Uma tempestade cruel. A Natureza nos envolve e, para o bem ou para o mal, “não deixa ninguém para trás”. As comunicações incentivarão a reconexão das pessoas com a Natureza, como, por exemplo, a Plataforma Intergovernamental de Políticas Científicas em Serviços de Biodiversidade e Ecossistemas (IPBES), na ênfase em “Contribuições da Natureza para as Pessoas”.

Em 2020, os dados mostram que não atingiremos as Metas de Aichi da Convenção sobre Diversidade Biológica (CBD) até o prazo final em Dezembro. As evidências virão do quinto Global Biodiversity Outlook (GBO-5), encarregado, entre outros, de relatar cada uma das Metas de Aichi, com vencimento em Maio. No ano passado, a Avaliação Global IPBES do Estado da Biodiversidade e Serviço de Ecossistemas, o Relatório que servirá de base científica às negociações-quadro da biodiversidade pós-2020, informou que aproximadamente um milhão de espécies estão em risco de extinção e que a natureza continua em declínio devido às atividades humanas. O Relatório alertou que as trajetórias atuais não atingirão os objetivos globais da natureza, conforme articulados nas Metas de Aichi e nos ODS.

Talvez uma rede mais larga e mais macia – uma tecida pela própria Mãe Natureza – possa ajudar. A ancoragem da biodiversidade na natureza pode facilitar a incorporação de considerações sobre biodiversidade nas decisões cotidianas de pessoas, governos e empresas. Essa tem sido uma prioridade da CDB, com a Convenção dedicando sua reunião de 2018 da Conferência das Partes (COP) à integração da biodiversidade nos setores de agricultura, pesca, silvicultura e turismo – reconhecendo que esses setores dependem das contribuições da Natureza. Sem dúvida, a situação da biodiversidade deve ser universalmente entendida e tratada, se a humanidade quiser resolver a crise ecológica. Como o Fórum Econômico Mundial de 2019, a Conservation International, o World Wildlife Fund estão dizendo, é hora de um “New Deal for Nature”.

Além disso, a adoção da Agenda 2030 e da implementação dos ODS exigiu o fim das abordagens de desenvolvimento em silos e incentivou o foco nas ligações entre os aspectos ambientais, econômicos e sociais do desenvolvimento. A biodiversidade não deve mais ser considerada no vácuo – não para ser realmente integrada à plataforma de desenvolvimento global universalmente acordada. Indiscutivelmente, o conceito de Natureza oferece uma maneira de conectar a biodiversidade mais facilmente à estrutura dos ODS. Os sistemas da natureza, dos quais a biodiversidade é um componente crítico, sustentam a vida na Terra e oferecem uma pedra de toque para a consecução de todos os objetivos. A natureza é transversal.

Quando a CDB convocar sua COP15 em Outubro para adotar a estrutura de biodiversidade pós-2020, fará isso sob o tema “Civilizações ecológicas: construindo um futuro compartilhado para toda a vida na Terra”. Observe que o tema da maior reunião sobre biodiversidade em dez anos não contém a palavra biodiversidade. Em vez disso, liga as pessoas (civilizações) à natureza (ecologia). Ecologia é o ramo da biologia que lida com as relações dos organismos entre si e com o ambiente físico. Por seu tema, a COP da CDB não estará falando apenas de conservar a biodiversidade em prol da biodiversidade. Falará sobre o núcleo da humanidade – nossas civilizações – e sua relação com o mundo natural ao redor. É uma abordagem que atinge um prego adicional no caixão de abordagens isoladas para a conservação.

A outra grande COP relacionada à biodiversidade em 2020, a da Convenção sobre Espécies Migratórias de Animais Silvestres (CMS) a ser realizada em Fevereiro, também terá ecologia no centro de seu tema. Por sua vez, o CMS apresentará o conceito de “Conectividade Ecológica”, que define como “o movimento desimpedido de espécies e o fluxo de processos naturais que sustentam a vida na Terra”. Com um conceito que vincula a migração de espécies ao de sustentar toda a vida na Terra, o CMS está exigindo uma meta independente de Conectividade Ecológica, bem como a integração do conceito em outras metas relevantes da nova estrutura de biodiversidade. As imagens maiores serão sincronizadas? Nossas “civilizações ecológicas” podem ser “conectadas ecologicamente”?

Além da ecologia, as soluções baseadas na natureza também devem aparecer nas grandes reuniões relacionadas à biodiversidade e ao clima deste ano. Essas abordagens, que oferecem uma maneira vinculada de incorporar considerações sobre biodiversidade em problemas multidimensionais de desenvolvimento, chamaram a atenção global em 2019. Elas foram enfatizadas paralelamente à Cúpula de Ação Climática, especialmente no que diz respeito às florestas, bem como na Convenção das Nações Unidas sobre Desertificação. (UNCCD – COP 14) e o Painel de Alto Nível sobre Oceanos, durante a Semana do Clima. As soluções baseadas na Natureza foram estruturadas como uma maneira de abordar várias prioridades de uma só vez; por exemplo, os manguezais oferecem proteção contra desastres relacionados ao clima, como tempestades, ao mesmo tempo em que fomentam a biodiversidade que apoia a pesca (alimentação e emprego) e sequestram o carbono.

Ao anunciar o tema do próximo Dia Mundial do Meio Ambiente, que ocorrerá em Junho de 2020 e se concentrará na biodiversidade, o Diretor Executivo do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) disse: “2020 é um ano de urgência, ambição e ação para enfrentar a crise enfrentada pela natureza; é também uma oportunidade de incorporar mais plenamente as soluções baseadas na natureza à ação climática global”. É provável que as soluções baseadas na Natureza também recebam atenção nas próximas reuniões do Congresso Mundial de Conservação, na segunda Conferência das Nações Unidas sobre o Oceano e na Conferência sobre Mudanças Climáticas em Glasgow.

Como ponto de referência final para a palavra do ano 2020, quando os líderes mundiais se reunirem em Nova York para a Assembleia Geral da ONU, eles terão a oportunidade de participar de uma “Cúpula da Natureza”. A reunião oferecerá mais um passo para alcançar a visão de longo prazo (2050) da CDB de “Vivendo em harmonia com a Natureza”.

Todos somos tocados pela mão dela e, durante o “Super Ano da Biodiversidade”, veremos que nossa esperança está na natureza.

—–

2020 um ano decisivo para a biodiversidade  e as emergências climáticas

Nos últimos meses, a comunidade científica repetidamente disparou o alarme sobre a crise na biodiversidade e a emergência climática. Os cientistas e a maioria dos governos concordam que o mundo está enfrentando uma crise ambiental sem precedentes, com um grande número de espécies à beira da extinção enquanto as temperaturas globais continuam aumentando.

As soluções baseadas na natureza oferecem a melhor maneira de alcançar o bem-estar humano, enfrentar as mudanças climáticas e proteger o Planeta. No entanto, a natureza está em crise. Estamos perdendo espécies a uma taxa 1.000 vezes maior do que em qualquer outro momento da história humana.

Os seres humanos dependem, para sua própria sobrevivência, de ecossistemas estáveis e saudáveis, e são necessárias ações urgentes em 2020 para colocar o mundo no caminho de um futuro mais sustentável. Este é um “grande ano” para o meio ambiente – um ano em que os principais encontros internacionais definirão o tom e a agenda da ação ambiental da próxima década.

Algumas das principais reuniões internacionais planejadas para 2020:

23–28 de Fevereiro: Fórum Mundial da Biodiversidade, Davos, Suíça

Esta conferência, organizada pela Universidade de Zurique e pela bioDISCOVERY, irá contribuir para esta visão e para o quadro de biodiversidade global pós-2020, através da visualização da biodiversidade através da lente de uma abordagem do sistema Terra. O evento irá investigar os impactos interligados dos impulsionadores da mudança ambiental global sobre a biodiversidade e os ecossistemas, e destacar os benefícios e soluções que a biodiversidade e os ecossistemas oferecem ao desenvolvimento sustentável.

3 de Março: Dia Mundial da Vida Selvagem

O Dia Mundial da Vida Selvagem é celebrado anualmente no dia 3 de Março com o objetivo de promover a consciencialização sobre a multiplicidade de benefícios que a conservação da fauna e da flora do planeta proporciona às pessoas. Para além disso, esta data também relembra a necessidade urgente de intensificar a luta contra o crime contra a vida silvestre e a redução induzida pelo ser humano de espécies, que têm amplos impactos económicos, ambientais e sociais. Assim, o dia 3 de Março foi proclamado como o Dia Mundial da Vida Selvagem através da Resolução A/C.2/68/L.23 adotada na Assembleia Geral das Nações Unidas de 20 de Dezembro de 2013. Esta resolução visava promover a consciencialização sobre a fauna e a flora selvagens do mundo.

3 de Março: Dia da África em Meio Ambiente

A Conferência Ministerial Africana sobre o Meio Ambiente ( AMCEN ) reconhece que o capital natural sustenta a economia do continente, afirmando que o uso do capital natural como refúgio para criação de riqueza e investimentos permitirá ações para a consecução da Agenda 2030 das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável e Desenvolvimento Sustentável Metas (ODS) e a Agenda 2063 da UA através de contribuições financeiras, econômicas, sociais e ambientais.

22 de Maio: Dia Internacional da Diversidade Biológica

O Dia Internacional da Biodiversidade foi criado pela ONU em 22 de Maio de 1992. Esta data consiste numa homenagem ao dia em que foi aprovado o texto final da Convenção sobre Diversidade Biológica, intitulado: “Nairobi Final Act of the Conference for the Adoption of the Agreed Text of the Convention on Biological Diversity”. A redação final aconteceu durante a RIO-92. Antes, o Dia Internacional da Biodiversidade costumava ser celebrado em 29 de Dezembro, data em que entrou em vigor a Convenção sobre Diversidade Biológica. Esta data visa conscientizar a população mundial sobre a importância da diversidade biológica, além da necessidade da proteção da biodiversidade em todos os ecossistemas do Planeta. Normalmente, durante neste dia várias instituições em prol da defesa do meio ambiente organizam atividades com o objetivo de educar a população em geral sobre a importância da preservação da biodiversidade para o equilíbrio da vida na Terra.

5 de Junho – Dia Mundial do Meio Ambiente, Bogotá, Colômbia

O Dia Mundial do Ambiente, celebrado todo dia 5 de Junho, é a principal data das Nações Unidas para promover a conscientização e a ação em nível mundial em prol do meio ambiente. Ao longo dos anos, tornou-se a maior plataforma global de sensibilização pública sobre o tema, celebrada pormilhões de pessoas em mais de 100 países.

O anúncio foi feito paralelamente à Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP25), em Madrid, na Espanha. Ricardo Lozano, Ministro do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Colômbia, Jochen Flasbarth, Secretário de Estado do Meio Ambiente da Alemanha, e Inger Andersen, Diretora Executiva do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, enfatizaram que, com um milhão de espécies de plantas e animais em extinção, nunca houve um momento mais importante para focar na questão da biodiversidade.

“2020 é um ano de urgência, ambição e ação para confrontar a crise que a natureza enfrenta; é também uma oportunidade de incorporar as soluções baseadas na natureza à ação climática global de modo integral”, disse Inger Andersen, Diretora Executiva do PNUMA. “A cada ano, o Dia Mundial do Meio Ambiente é uma plataforma poderosa para acelerar, ampliar e engajar pessoas, comunidades e governos ao redor do mundo para agir em desafios ambientais críticos que o planeta enfrenta. Somos gratos à Colômbia e à Alemanha por demonstrarem liderança nesse esforço”, complementa.

Junho: Semana do Meio Ambiente da União Europeia

Os cidadãos europeus se beneficiam de algumas das normas ambientais mais elevadas do mundo. A União Europeia e os governos nacionais estabeleceram objetivos claros para orientar a política ambiental europeia até 2020 e uma visão a mais longo prazo, que define qual deverá ser a situação em 2050, com o apoio de programas de investigação, legislação e financiamento específicos. O crescimento verde está no cerne da política da UE, que visa garantir que o crescimento económico da Europa é sustentável do ponto de vista do ambiente. A UE também desempenha um papel fundamental na promoção do desenvolvimento sustentável a nível mundial.

2-6 de Junho: Conferência da ONU para o Oceano, Lisboa, Portugal

Coorganizada pelos Governos do Quênia e de Portugal, a Conferência deve adotar uma declaração intergovernamental sobre áreas de ação científicas inovadoras, juntamente com uma lista de compromissos voluntários, para apoiar a implementação do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 14 (Vida na Água). O tema da Conferência é “Ampliando ações para os oceanos com base na ciência e na inovação para a implementação da meta 14: levantamento, parcerias e soluções”. A reunião ocorre três anos após a primeira Conferência do Oceano.

8 de Junho: Dia Mundial dos Oceanos

O Dia Mundial dos Oceanos (World Ocean Day) é celebrado em 8 de Junho. O objetivo desta data é relembrar a importância dos oceanos para o equilíbrio da vida no planeta Terra. E, para isso, são realizadas várias atividades de conscientização civil sobre os perigos enfrentados atualmente pelos oceanos. Os oceanos constituem dois terços da superfície terrestre e são o principal regulador térmico do planeta. Hoje, o grande desafio é minimizar o impacto que as atividades humanas estão provocando nos oceanos. É importante conscientizar governos, populações e demais entidades para a urgência de criar medidas que protejam os oceanos.

11–19 de Junho: Congresso Mundial de Conservação da IUCN, Marselha, França

O congresso procurará identificar e aproveitar as soluções que a natureza oferece para os desafios globais.

23–28 de Agosto: Água e mudanças climáticas: Ação Acelerada, Estocolmo, Suécia

Este ano 2020, a Semana Mundial da Água tratará de ciência e inovação.

15 de Setembro: 75ª sessão da Assembleia Geralda ONU (UNGA 75) em Nova York

O primeiro dia do debate geral de alto nível ocorrerá no dia 22 de Setembro. Uma Cúpula de Líderes em Biodiversidade pode ocorrer no mesmo horário e local. Isso proporcionará excelentes oportunidades para que os líderes mundiais manifestem que a continua degradação do nosso planeta é inaceitável e que ações urgentes para restaurar a natureza precisam começar já.

27 de Setembro: 5º aniversário do lançamento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável

“Atualmente, estamos quase cinco anos na Agenda de Desenvolvimento Sustentável para 2030, mas ainda não temos dados suficientes para rastrear a dimensão ambiental dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável”, diz Jillian Campbell, Estatística que lidera o trabalho do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) no monitoramento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e coautora de um novo estudo sobre como a ciência cidadã pode nos ajudar a alcançar plenamente os objetivos. “De fato, temos dados insuficientes para acompanhar o progresso global de 68% dos indicadores dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável relacionados ao meio ambiente. Não conseguiremos monitorar a dimensão ambiental dos Objetivos usando apenas fontes de dados tradicionais”, acrescenta ela.

5–10 de Outubro [provisório]: Kunming, Yunnan, China: Conferência de Biodiversidade da ONU: “COP 15”

A COP 15 revisará a consecução e a entrega do Plano Estratégico da Convenção para a Biodiversidade 2011-2020. Prevê-se também que a decisão final sobre o quadro de biodiversidade global pós-2020 seja tomada, juntamente com decisões sobre tópicos relacionados, incluindo capacitação e mobilização de recursos.

A COP 15 também incluirá a 10ª Reunião das Partes do Protocolo de Cartagena sobre Biossegurança (Protocolo de Cartagena COP/MOP 10) e a 4ª Reunião das Partes do Protocolo de Nagoya sobre Acesso e Compartilhamento de Benefícios (Protocolo de Nagoya COP/MOP 4). Espera-se que abordem uma série de questões relacionadas à implementação da Convenção e de seus Protocolos. Como parte do processo de desenvolvimento do quadro pós-2020, as negociações serão realizadas no contexto de um grupo de trabalho intersecional aberto, copresidido por Francis Ogwal (Uganda) e Basile van Havre (Canadá). As reuniões do Grupo estão agendadas em Kunming, China, de 24 a 28/2/2020 e 27 a 31/7/2020 na Colômbia.

9–20 de Novembro: Glasgow, Escócia: 26ª Conferência sobre Mudanças Climáticas: “UNFCCC COP 26”.

Na véspera de um ano em que as nações devem fortalecer suas promessas climáticas de Paris, o Relatório sobre a Lacuna de Emissões do PNUMA adverte que, a menos que as emissões globais de Gases de Efeito Estufa caiam 7,6% a cada ano entre 2020 e 2030, o mundo perderá a oportunidade de retomar os trilhos em direção ao objetivo de aquecimento máximo de 1,5°C do Acordo de Paris. Com as atuais promessas incondicionais, o mundo caminha para um aumento de temperatura de 3,2°C. Os países do G20 representam quase 80% de todas as emissões, mas 15 membros do G20 não se comprometeram com um cronograma para emissões líquidas zero.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui