A missão Chang’e 5 da China pousou com sucesso na Lua

A Nave espacial chinesa, Chang'e 5


Neel V. Patel | Repórter espacial da MIT Technology Review

A China acaba de pousar uma nova nave espacial na superfície da Lua. A missão, Chang’e 5, irá coletar rochas lunares e solo para trazê-las de volta à Terra, como parte da primeira missão de retorno de amostra da China. 

O que aconteceu: a China lançou o Chang’e 5 em 23 de novembro. No domingo, durante a órbita lunar, o Chang’e 5 se separou em duas partes: um orbitador e a cápsula de retorno que permanecerá na órbita lunar e um módulo de aterrissagem e estágio de ascensão que fará o seu caminho para a superfície alguns dias depois.

Por volta das 10:13 da manhã, horário do Leste dos EUA, o módulo de pouso pousou com sucesso em um local perto de Mons Rümker, uma formação vulcânica na região do Oceanus Procellarum na borda Oeste do lado próximo da Lua. Acredita-se que esta área seja o lar de rochas lunares que são alguns bilhões de anos mais novas do que as que trouxe o Programa Apollo. Espera-se que o Chang’e 5 comece a perfurar no solo lunar para amostras de subsuperfície quase imediatamente.

Cavando para as rochas lunares: Chang’e 5 terá como objetivo recolher pelo menos dois quilos de material da lua. Um quarto será de amostras subterrâneas (cerca de 2 metros de profundidade) e os outros três quartos do material da superfície. Ao contrário de seu antecessor lunar rover, Chang’e 5 não está equipado com nenhuma unidade de aquecimento para proteger seus componentes mais sensíveis das temperaturas frias da noite lunar. Isso significa que a missão tem apenas 14 dias (a duração do dia lunar) para coletar corretamente as amostras antes de congelar até a morte (falando figurativamente).

Em cerca de 48 horas, o veículo de subida levará as amostras lunares para um encontro com o orbitador, que então as colocará na cápsula de retorno e retornará à Terra vários dias depois. Ao se aproximar da Terra, o orbitador lançará a cápsula de retorno, que deve pousar na Mongólia Interior em 17 de Dezembro.

Fazendo história: neste ponto, a China já conhece as missões lunares. O país realizou quatro missões robóticas bem-sucedidas à Lua, incluindo o envio de dois robôs à superfície. Chang’e 5 é o terceiro pouso lunar do país, mas apenas sua primeira missão de retorno com amostras. Apenas os EUA e a ex-União Soviética trouxeram rochas lunares de volta à Terra. Se tiver sucesso, esta será a primeira vez em 44 anos (desde a missão Lunar 24 da União Soviética) que alguém realizará uma missão lunar de retorno.

Chang’e 6 é uma missão de retorno de amostra lunar de acompanhamento que deve ser lançada em 2023. Embora seja ostensivamente um backup para Chang’e 5, iria em direção ao Polo Sul lunar para obter amostras em vez de voltar para Mons Rümker, caso a missão Chang’e 5 seja bem-sucedida.

FONTE:

https://www.technologyreview.com/2020/12/01/1012793/chinas-change-5-mission-has-successfully-landed-on-the-moon/?utm_source=Nature+Briefing&utm_campaign=ae1e41e396-briefing-dy-20201202&utm_medium=email&utm_term=0_c9dfd39373-ae1e41e396-44878065

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui